“Veja” injuria qualquer um que não se curve ao seu golpismo

Xingamentos ou fraudes contra Ulysses, Che, Ibsen, Lula, Chávez, Kirchner e outros evidenciam sua decomposição

Em duas páginas que parecem escritas por alguém babando na gravata, ou, talvez, comendo a gravata, de tanto ódio impotente, a “Veja”, em sua última edição, publicou algo com o título “Um perigo chamado MR-8”. Esse movimento “cujo nome”, segundo a revista, “faz referência à data da morte de um dos mais frios assassinos da história, o argentino Ernesto ‘Che’ Guevara”, é aquinhoado com os costumeiros xingamentos de troglodita que na “Veja” são destinados aos democratas, chamem-se eles Lula ou Ulysses, Ibsen ou Sarney, Itamar ou Quércia, Dirceu ou Dilma, Chávez ou Evo, Kirchner ou Correa. Em suma, a todo e qualquer indivíduo que seja livre, que seja democrata, que não se submeta à sua linha fascistóide, de subserviência totalitária ao que existe de mais putrefato no mundo.

FRAUDE

Por essa razão, na mesma edição, “Veja” se dedica a agredir o movimento sindical. Qual o problema que ela vê nele? Ter conquistado um novo patamar de união em sua luta, sepultando divisões anteriores, inclusive estabelecendo unidade em torno do presidente Lula para fazer o país se desenvolver.

No caso do MR8, diz a “Veja” que se trata de um “grupelho”, “terrorista”, que “vende seus serviços sujos de atemorização a quem paga mais”, “já serviu de tropa de choque a políticos de biografia conturbada”, “arruaceiros”, “uma centena de foras-da-lei”, etc., etc., etc., e não se entende porque a revista dedicou a segunda matéria da edição a grupo tão sem importância…

O pretexto para essa ridícula descarga de impropérios furibundos – que nada têm a ver, evidentemente, com jornalismo – é uma suposta ameaça de morte feita ao destrambelhado Diego Mainardi, num editorial nosso, da “Hora do Povo”, publicado na edição do último dia 27. A ameaça de morte (v. editorial na primeira página desta edição) é falsa, como qualquer leitor pode comprová-lo simplesmente lendo o texto. Mas não é por acaso que a “Veja” e seus lulus amestrados recorreram a essa fraude.

Porém, antes de prosseguir, deixemos claro uma questão: a “Hora do Povo” não pertence ao MR8. Este Movimento muito se orgulha de ter participado da fundação do nosso jornal, e de contribuir com ele, através de seu suor e de seu sangue. Mas a “Hora do Povo” não é do MR8. Nossa casa não é a “Veja”, que pertence ao Civita, também proprietário da alma de alguns de seus funcionários. Nós somos um patrimônio do povo brasileiro e, como tal, da Humanidade. Não pertencemos a ninguém. Mas é natural que o Civita e seus poodles não consigam entender tal coisa. Como poderia um boletim fascistóide entender o que é a imprensa democrática?

Essa histeria verdadeiramente mussoliniana não é diferente da difamação contra Ulysses, retratado como louco, das falsificações contra Ibsen Pinheiro, contra o qual a “Veja” forjou uma prova para condenar um inocente, e das infâmias contra o presidente Lula e sua família. Atendo-se ao último caso, porque é o mais atual, a “Veja” é o único lugar onde um picareta como Mainardi pode escrever coisas como: “Se [Lula] perder, tem de ser cassado. Se ele ganhar, tem de ser cassado. (…) eu sou golpista”; “os cangaceiros entraram para o imaginário nordestino. Por isso Lula foi reeleito. Mas um dia tudo muda. Como eu sei? A marca de suor na camisa do porteiro mostrava uma cabeça degolada”; “se Lula disse, uma certeza a gente pode ter: é mentira”; “o lulismo realmente ganhou o mundo. Em sua forma mais autêntica: o dinheiro sujo”; ou, escondendo-se atrás do escritor americano Henry David Thoreau: “o eleitor é um cavalo. (…) o eleitor é um cachorro. Eu repito, citando Thoreau: o eleitor é um cavalo, o eleitor é um cachorro, o eleitor é um cavalo, o eleitor é um cachorro, o eleitor é um cavalo, o eleitor é um cachorro. Insulte o eleitor”.

Certamente que isso é totalmente incompatível com uma imprensa democrática e, de resto, com a própria democracia. Assim como a campanha golpista empreendida por “Veja” contra o governo Lula, ao longo de quase dois anos. É, portanto, algo pouco surpreendente que “Veja” estrebuche porque não consegue apagar do mapa órgãos da imprensa democrática, como a “Hora do Povo”. Não é uma novidade: o fascismo sempre foi incompatível com a democracia.

No entanto, com o dinheiro americano e dos racistas sul-africanos lhe enchendo as burras (v. matéria na pág. 6), a “Veja” e seus donos deveriam estar contentes com a vida que levam. No entanto, não estão. Por quê? Porque de nada vale a sua disposição de prestar serviços a qualquer quadrilha estrangeira, se eles não surtem efeito.

Pois foi exatamente o que aconteceu – e está acontecendo. Durante décadas as forças nacionais, os setores vivos do país, lutaram por uma união que permitisse ao povo brasileiro reconstruir a Nação. Ou seja, que permitisse fazer do Brasil uma grande nação, desenvolvida, justa, independente. A “Veja” sempre foi a ponta de lança raivosa da reação, a difamar as lideranças democráticas, a pregar o atraso e a submissão sem limites e sem freios.

Esta é a razão pela qual um dos “perigos” que ela enxerga no MR8 é ter ficado dentro do PMDB. Pois essa foi a forma que o Movimento achou que era a melhor para lutar pela unidade de todos os brasileiros por um país soberano.

Essa luta dos democratas e patriotas brasileiros foi inteiramente vitoriosa. O que temos hoje, no governo Lula, é um grau de unidade jamais conseguido em nossa História . Existem, agora, todas as condições políticas para mudar o país.

Mas isso significa, por outro lado, que o espaço para os acólitos do atraso e da submissão diminuiu tremendamente. Daí o destempero da “Veja”, colocando para fora, como os abcessos quando são espremidos, o pus acumulado em anos. Não todo ele, que ainda há muito. Mas o que já saiu não é pouca porcaria. Convenhamos que chamar Che Guevara de “um dos mais frios assassinos da história” e xingar os que participaram da luta armada contra a ditadura de “terroristas”, ao modo do falecido delegado Fleury, não é coisa só de fascista. É coisa de fascista retardado.

Mesmo há 40 anos atrás esse tipo de idiotice só era possível porque existia uma ditadura feroz. Porém, mesmo a ditadura mudou, e, em seguida, desapareceu. A História já resolveu, há muito, essas questões. Hoje, é a “Veja” que acusa os militares pela ditadura, não os que participaram da luta armada. Nesse caso, não é apenas cinismo. A bem da verdade, os militares foram responsáveis pelo que houve de desenvolvimento e progresso durante a ditadura – e isso é tudo o que a “Veja” mais odeia: que o Brasil tenha se desenvolvido e possa se desenvolver.

Por essas razões, “Veja” deixou de abrigar qualquer um que tenha um mínimo de respeitabilidade e passou a ter de recorrer a alguns desclassificados. Porque é esse o espaço social que lhe resta. Aquele dos marginais, dos ressentidos que se escondem nos esgotos da sociedade, dos medíocres que não se conformam que outros não sejam medíocres, das viúvas da Oban e do DOI-CODI, e, de resto, das prostitutas sempre à disposição de qualquer bando reacionário estrangeiro, da CIA aos gangsters do apartheid sul-africano.

DINHEIRO

Portanto, forjar uma ameaça de morte para um sujeito que ninguém leva a sério – e no nome do qual jamais teríamos tocado, se não tivesse abusado da memória de um herói, isto é, da memória de Bacuri (v. matéria nesta página) -, serve apenas para que “Veja” tente esconder seu adiantado estado de decomposição. O que, de todos os modos, é inútil.

Mas é interessante que “Veja” termine o seu vitupério pregando que a “Hora do Povo” não pode receber publicidade do governo e, em suma, que só a imprensa antidemocrática possa receber publicidade oficial. De nossa parte, não nos opomos a que o governo coloque publicidade nos monopólios de mídia, inclusive na “Veja”, apesar de, nesse último caso, isso só servir para financiar o golpismo contra quem paga a publicidade. Do que não abrimos mão é de lutar para que a imprensa democrática também receba a sua parte. Porém, talvez seja esse o objetivo de “Veja” com esse furdunço: receber mais dinheiro do governo.

CARLOS LOPES

Fonte: Jornal Hora do Povo

Obs.” Hoje, é a “Veja” que acusa os militares pela ditadura, não os que participaram da luta armada. Nesse caso, não é apenas cinismo. A bem da verdade, os militares foram responsáveis pelo que houve de desenvolvimento e progresso durante a ditadura – e isso é tudo o que a “Veja” mais odeia: que o Brasil tenha se desenvolvido e possa se desenvolver.” Esse trecho é interessante para uma reflexão.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: