Ofensiva contra o monopólio privado

rctv1.gif

Ao anunciar que não renovará a concessão pública da rede de televisão RCTV, presidente Hugo Chávez questiona o poder dos empresários sobre os meios de comunicação

Claudia Jardim

de Caracas (Venezuela)

A história dos meios de comunicação da Venezuela deverá ganhar um marco divisor no domingo (27), quando a concessão do canal de televisão RCTV – um dos grupos mais poderosos e antigos da comunicação do país – chega a seu final e não será renovada.

O governo de Hugo Chávez argumenta que o canal é “antidemocrático” e “desrespeita as regras de responsabilidade social” estabelecidas pela legislação, razão pela qual decidem não renovar a concessão à emissora.

À meia-noite do domingo, o sinal do canal 2, que transmite a RCTV, será substituído pelo da nova TV de serviço público, a Teves, criada há em maio. “Acabou a concessão e agora nasce esta nova televisão que aumentará a liberdade de expressão e opiniões”, afirmou Chávez durante um seminário sobre o “direito à informar e a estar informado”, realizado em Caracas, dia 18.

Na avaliação do presidente não renovar a concessão à RCTV significa um ato de “soberania” e de “recuperação do espectro radioelétrico”. Para o ministro de Comunicação e Informação, William Lara, a democratização dos meios depende da participação da sociedade. “Haverá mais democracia na TV, no rádio, nos jornais venezuelanos quando mais pessoas participarem no desenho da mensagem”, afirmou, ao assegurar que a direção do novo canal Teves atuará de maneira independente ao Estado.

“A vida é uma novela”

Já para a oposição não renovar a concessão da emissora representa um ataque à liberdade de expressão. A uma semana do fim da concessão, a oposição reuniu, no sábado (19), milhares de pessoas nas principais avenidas da zona Leste da cidade para protestar contra o que denominam o “fechando da RCTV”, como divulga a campanha dos meios de comunicação privados, solidários à rede. Os empresários ignoram o argumento legal do término da concessão pública.

“Queremos liberdade de expressão, não queremos comunismo. A RCTV é nossa”, disse ao Brasil de Fato, Guillermina Oropeza, uma das dezenas de manifestantes que vestiam camisetas com a frase “A vida é uma novela”. RCTV é a principal produtora de telenovelas no país. Durante a marcha, antigos cenários, equipamentos de gravação e roupas de artistas da RCTV utilizados em telenovelas exibidos em cima de caminhonetes contrastavam com grafites pintados nos muros da cidade registrando lemas como “Pátria, socialismo ou morte” ou “Viva a Revolução Bolivariana”.

No domingo (20), uma caravana vermelha de carros e motos percorreu a zona Oeste da capital, dessa vez, para apoiar a decisão do governo. Estão previstas outras manifestações de rua, tanto para apoiar como para rechaçar o fim das transmissões por canal aberto da emissora RCTV. A oposição anunciou que não acatará a decisão do governo.

Acerto de contas

Ainda que o argumento seja jurídico, a batalha lançada pelo presidente venezuelano contra o braço midiático da oposição traz à tona uma disputa que se arrasta desde abril de 2003, quando o chamado “golpe midiático” pretendeu derrocar a Chávez do poder.

O golpe articulado por parte das Forças Armadas dissidentes e grupos de oposição fracassou e com evidenciou que os meios de comunicação assumiram abertamente o papel de partidos políticos, orientando pela televisão as manifestações de 11 de abril de 2002 e ocultando, dois dias depois, o levantamento popular que permitiu o regresso de Chávez à Presidência.

A partir de então, ganhou força a discussão entre os simpatizantes do governo sobre a democratização dos meios de comunicação, da responsabilidade social e da participação popular nos meios de comunicação, em especial na televisão.

No ar há 53 anos, a RCTV já havia sido sancionada por governos anteriores com multas e interrupção temporária da programação por desrespeitar a lei de telecomunicações. Dessa vez, fora do ar na freqüência VHF, o canal somente poderá transmitir sua programação por TV à cabo. (Leia mais no jornal Brasil de Fato edição 221)
site Brasil de Fato

Obs. Um amigo meu ligado ao Governo Chavez me disse que além de promover o golpe a programação na sua grade tinha insinuações sexuais ( mulhers nuas ) em periodo da tarde horário em que a maioria das crianças estavam em casa, tudo pra gerar audiência e lucrar. Quer saber minha opinião ? Chavez fez muito bem, afinal a concessão é pública. E ponto final.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: