Artur: “Crescimento com inclusão garante superávit da Previdência”

Condenando qualquer reforma que retire direitos, o presidente da CUT, Artur Henrique, sintetiza a fórmula para o fortalecimento da Previdência Social pública: “Crescimento + inclusão = superávit”

“A Central Única dos Trabalhadores acredita que o desafio fundamental da Previdência Social pública é incluir em sua cobertura aqueles brasileiros que estão fora. Mais da metade dos trabalhadores que atualmente têm vaga no mercado – 53% – não contribuem para o sistema previdenciário”, afirmou o presidente nacional da CUT, Artur Henrique.

De acordo com o líder cutista, “esses números nos permitem imaginar uma fórmula aparentemente simples para garantir a sustentabilidade da Previdência sem que nenhum direito atual seja reduzido ou eliminado. Com base em cálculos do Dieese e do Cesit/Unicamp, podemos assegurar que se apenas 3% dos que hoje trabalham mas não contribuem para a Previdência passassem a fazê-lo, a partir de um salário mínimo, haveria um incremento de aproximadamente R$ 3 bilhões para os cofres. Estamos falando aqui apenas de um empate entre a parcela de incluídos e a dos que estão do lado de fora”.

Segundo Artur, um crescimento econômico mais expressivo contribuiria nos esforços para a formalização de trabalhadores: “Na verdade, ambos precisam estar combinados. Se as taxas anuais de elevação do PIB tivessem sido 2,5% mais altas entre os anos de 1995 e 2005, acompanhadas da criação de empregos correspondentes, todas as despesas previdenciárias, exceto as assistenciais, seriam cobertas apenas com as contribuições de empresas e trabalhadores”.

Se essa possibilidade existe, como comprovam as projeções, acrescentou, “é uma grave miopia discutir a Previdência sempre apenas pelo viés de redução de custos. Apela-se com freqüência para o argumento de que a Previdência brasileira é generosa demais, que seu alto custo impede o crescimento e, como conseqüência, a geração de empregos. O nosso sistema previdenciário não é todo bondade. Aposentamo-nos a partir dos 60,8 anos de idade, mais tarde que a média chinesa (60 anos) ou a argentina (60,10), por exemplo. Somos precoces, isso sim, no ingresso no mercado de trabalho, já que muitos de nós são chamados à responsabilidade ainda adolescentes, quando não crianças”.

RIGIDEZ

O valor das aposentadorias e pensões, alertou o presidente cutista, “é outra evidência de que as regras aqui vigentes são rígidas: 67% delas correspondem ao piso de um salário mínimo. As demais tiveram seus valores fortemente reduzidos após a instituição do fator previdenciário, em 1998. As mulheres recebem em média 35% menos do que receberiam caso não houvesse o fator. Para os homens, a queda foi de 22%. Regras equivalentes ou até mais restritivas que a de muitos países desenvolvidos, porém em cenário socioeconômico muito diverso. Pelo coeficiente Gini, somos a terceira pior distribuição de renda do planeta”.

Ainda assim, destacou, “o sistema previdenciário brasileiro, se não existisse como definido pela Constituição de 1988, até 70% dos idosos brasileiros viveriam abaixo da linha da pobreza, com menos de U$ 2 por dia. Essencial dizer que o orçamento da seguridade social – compreendida como a cobertura previdenciária, de saúde, assistência social e seguro-desemprego – já é superavitário. Tomando como base o ano de 2006, o conjunto de receitas da Seguridade Social (contribuições para INSS, Cofins, CPMF, CSLL, concursos de prognósticos e PIS/Pasep) somaram R$ 301,7 bilhões. As despesas, R$ 229,4 bilhões. Um superávit, portanto, da ordem de R$ 72,2 bilhões. Nem mesmo a indigesta DRU (Desvinculação de Receitas da União), que tomou R$ 33,7 bilhões desse resultado, conseguiu jogar a Seguridade no vermelho”.

Com tais dados, somados ao perfil da pirâmide etária brasileira, enfatizou Artur, “estão dadas as condições para que o debate em torno do tema supere o mantra da redução de custos. A maciça maioria da população ainda está abaixo dos 45 anos de idade. Se incluída a partir de agora, o sistema previdenciário terá sobras de recursos nas futuras gerações. O que precisamos é possibilitar a inclusão de todos os trabalhadores na Previdência”.

Hora do Povo
Rizzolo: A inclusão é que deve ser discutida, o desenvolvimento, a queda dos juros, tudo irá proporcionar a inclusão no mercado de trabalho de mais pessoas, mas quando digo inclusão é a inclusão sadia, com carteira assinada, só assim teremos um melhor prognóstico para a Previdência com sustentabilidade como afirma Arthur, ““é uma grave miopia discutir a Previdência sempre apenas pelo viés de redução de custos. Apela-se com freqüência para o argumento de que a Previdência brasileira é generosa demais, que seu alto custo impede o crescimento e, como conseqüência, a geração de empregos ” , isso é conversa mole de quem quer sim privatizar, e se beneficiar de algum modo do sistema, são os exploradores de plantão.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: