Fair: Mídia nos EUA travestiu os golpistas da RCTV em ‘mártires’

p7-fair.jpg

O grupo norte-americano Fair (Correção e Precisão em Reportagem), que há 20 anos atua em defesa da “diversidade de pontos de vista na imprensa”, faz levantamento de distorções repetidas pelos principais meios da imprensa norte-americana, sempre abafando a atividade golpista da RCTV

O grupo Fair tem atuação nacional nos EUA desde 1986 desenvolvendo um trabalho crítico sobre a atuação da mídia. Edita a premiada revista EXTRA! (foto ao lado) e mantém um programa de rádio semanal, através dos quais defende a necessidade de uma reforma que quebre “os conglomerados de mídia dominante” e “o estabelecimento de um sistema público de emissoras”. A seguir, publicamos os principais trechos de um texto da entidade divulgado na internet.

“Co-conspiradores do golpe como mártires da liberdade de expressão – Distorcendo a história da mídia venezuelana”

A história é armada na mídia norte-americana como um simples caso de censura: a proeminente estação de TV venezuelana RCTV está sendo silenciada pelo governo autoritário do Presidente Hugo Chávez, que está punindo a estação pelas suas críticas ao governo.

De acordo com o repórter da CNN, T.J. Holmes (21/05/07), a questão é fácil de se entender: “está sendo fechada, está indo para fora do ar, porque o presidente Hugo Chávez não é um grande fã dela”. Ao silenciar a RCTV “uma voz da livre opinião”, Holmes prossegue, “Chávez, em um movimento que enfurece muitos grupos de liberdade de expressão, está se recusando a renovar a licença dessa estação de televisão, que tem sido crítica de seu governo”.

Na mesma linha, uma notícia da Associated Press (20/05/07) mantém o a questão como uma recusa de licença baseada em simples diferenças políticas, com a repórter Elizabeth Munoz descrevendo a RCTV como uma “rede que tem sido crítica de Chávez”.

Em sua coluna de 14 de maio, o ex-editor do Washington Post, Jackson Diehl, classificou a medida como uma tentativa de silenciar oponentes e mais uma “prova” de que Chávez é um “ditador”. Escreveu Diehl que “Chávez deixou claro que seu problema com [dono da RCTV, Marcel] Granier e RCTV é político”.

Mantendo o script da mídia de que o cara mau Chávez brutalmente silenciou os caras legais da oposição democrática, todos esses artigos esconderam a história da RCTV e as explicações para a recusa na renovação da licença e o processo que os levou a isso.

ABRIL DE 2002

A RCTV e outras estações privadas foram fundamentais no golpe de abril de 2002, que brevemente expulsou o governo democraticamente eleito. Durante a breve insurreição, os líderes do golpe ocuparam as ondas de televisão para agradecer às redes: “Preciso agradecer à Venevisión e RCTV”, declarou um dos marcados líderes que foram gravados pelo documentário irlandês A Revolução Não Será Televisionada. O filme documenta a participação das redes no breve golpe, quando as estações se colocaram com o serviço de boletins para o golpe – recebendo os líderes do golpe, silenciando as vozes do governo e convocando a oposição a marchar ao palácio presidencial, parte do plano estratégico dos golpistas.

Em 11 de abril de 2002, dia do golpe, quando líderes militares e civis da oposição realizavam conferências de imprensa exigindo a saída de Chávez, a RCTV exibiu um dos líderes da conspiração, Carlos Ortega, que insuflou manifestantes a marchar ao palácio presidencial. No mesmo dia, depois que o golpe antidemocrático teve aparentemente sucesso, outro líder golpista, o vice-Almirante Victor Ramírez Pérez, disse a Venevisión (11/04/02): “Temos uma arma mortal: a mídia. E agora que tenho a oportunidade, deixe me parabenizá-los”.

A participação das redes de televisão privada no golpe, incluindo a RCTV, não está em questão; mesmo a mídia dominante reconhece. Como o repórter Juan Forero, colega de Jackson Diehl no Washington Post, declara (18/01/07), “a RCTV, assim como as três outras grandes estações privadas, encorajaram os protestos”, que resultaram no golpe, “e, uma vez Chávez fora, comemoraram sua saída”. O conservador jornal inglês Financial Times escreveu em (21/05/07) , “a Venezuela argumenta com alguma justificativa já que a RCTV apoiou ativamente a tentativa de golpe contra o Sr. Chávez em 2002”.

Como argumentamos na edição de novembro da revista EXTRA!, “se evento similar ocorresse nos EUA, e os jornalistas e executivos da TV fossem pegos conspirando com planos golpistas, é duvidoso que eles ficariam fora da cadeia, e que fosse permitido a eles continuar a transmitir, como ocorreu na Venezuela”.

INTERESSE PÚBLICO

Quando Chávez retornou ao poder, as TVs privadas se recusaram a cobrir as notícias, transmitindo ao invés programas de entretenimento – no caso da RCTV, o filme norte-americano Pretty Woman. Recusando-se a transmitir uma notável história, as estações abandonaram o interesse público e violaram a confiança pública que é vista na Venezuela (e nos EUA) como uma exigência para operar ondas públicas de transmissão. Lembrando a negativa da RCTV em cobrir o retorno de Chávez ao poder, o professor da Universidade Columbia e ex-editor da Radio Pública Nacional (NPR, sigla em inglês) John Dinges disse ao centro de mídia Marketplace (08/05/07):

“O que a RCTV fez simplesmente não pode ser justificado sob nenhum ângulo do princípio jornalístico… Quando um canal de televisão simplesmente se recusa a informar, simplemente fica fora do ar durante um período de crise nacional, não porque foram forçados, mas simplesmente porque não concordam com o que estava acontecendo, você perde a competência de defender o que você faz nos princípios jornalísticos”.

LIBERDADE DE OPINIÃO

O governo venezuelano está baseando sua recusa em renovar a licença da RCTV pelo envolvimento no golpe de 2002, e não pelas críticas da estação ou à sua oposição política ao governo. Há intelectuais norte-americanos e algumas vozes de direitos humanos que se confundiram sobre o assunto, reivindicando que a ação é baseada meramente em diferenças políticas, falhando em perceber que a mídia venezuelana, incluindo estações de rádio, ainda está fazendo parte da mais vigorosa dissidência do planeta.

Rizzolo: Donde se conclui que nenhuma mídia é confiável nos EUA, até porque o “sistema demoscrático americano ” se estabiliza e se apoia na mídia como formadora de opinião, deixando o cidadão americano alienado as pressões pelo sistema violento de informações que convém ao império. Noam Chomsky , escritor americano , ou como muitos americanos reacionários o classificam ” um judeu da filadélfia metido a esquerdista” , já havia demosntrado essa manipulação midiática nos EUA, em muitos de seus livros.

Agora, no dia em que Chavez retornou ao poder, numa atitude de desprezo essa RCTV, passar o filme norte-americano Pretty Woman, é demais, instigou o golpe, viu que não deu certo , e depois passa Pretty Woman, camarada Chavez ficou revoltado,e com razão é pra humilhar mesmo. Agora não pensam que se ele não estivesse retornado ao poder nesse dia a programação da RCTV ia ser melhor não, a programação iria ser de Pretty Woman para baixo. ( risos..)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: