Doha: Lula diz que acabou a subserviência aos países ricos

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva fez nesta segunda-feira (2) um dos seus mais duros discursos com relação à postura que o Brasil passou a adotar nas suas relações comerciais externas. Falando diretamente sobre o enfrentamento do governo brasileiro na Rodada Doha da Organização Mundial do Comércio (OMC), Lula ressaltou: “Pela primeira vez tivemos a coragem de não ceder às economias desenvolvidas, como Estados Unidos e União Européia”.

No discurso proferido na cerimônia de comemoração dos 50 anos da Scania do Brasil, em São Bernardo do Campo (ABC paulista), Lula afirmou que seu governo fez questão de dizer, que a partir de agora as negociações serão em outro patamar. “Fizemos questão de dizer que tinha acabado aquele momento de subserviência. Queremos ser tratados em pé de igualdade”, disse o presidente.

Lula fez questão de recorrer a alguns números para demonstrar que a opção do Brasil foi realmente a melhor possível. “Nos últimos três anos os EUA subsidiaram sua agricultura em US$ 15 bilhões, e somente no último ano foram US$ 11 bilhões. Além disso, eles queriam incluir uma cláusula no acordo para elevar esses subsídios para US$ 17 bilhões.”

O presidente disse também que o Brasil pode fazer esse enfrentamento porque vive um momento de crescimento estabilizado. “O mundo precisa aprender que o Brasil resolveu assumir a sua grandeza política e econômica.”
Ainda sobre a nova postura brasileira nas negociações internacionais, Lula disse: “Respeito é bom e nós gostamos de dar e receber”. Na sua avaliação, o Brasil precisa deixar de ser pequeno, de ser a esperança do mundo e o país do futuro. “Chega de ser um monte de adjetivos que nunca se concretizaram, nos agora vamos concretizar”.

Da redação, com agências
Site do PC do B

Rizzolo: Vou transcrever um cometário que já anteriormente fiz sobre essa questão de Doha: ” os EUA e a União Európeia, são governos fracos, em final de mandato, sem apoio eleitoral em seus países. Uma Europa sem liderança e sem política comum, a não ser defender com unhas e dentes essa política fracassada de subsídios agrícolas. De nossa parte devemos tirar todas as lições, continuar negociando, mas cuidar do Brasil e do Mercosul, da integração da América do Sul, do nosso mercado interno, aprofundando nossa política de desenvolvimento e nossa política industrial e de inovação. Não dá para confiar e acreditar nas instituições internacionais como elas estão hoje e com a presente hegemonia norte-americana e européia, o que querem é subjulgar os interesses de países como o Brasil e a Índia, e de sobra acusam nos acusam e à India de termos sido culpados pelo fracasso das negociações ”

Acrescentaria apenas desta feita que a parte essas questões já elencadas por Lula, não devemos esqueçer que muito embora exista a ” alegria do etanol” quando da vinda do Bush ao Brasil ele não ofereceu absolutamente nada em termos de diminuição da tarifa ele categoricamente não concorda com a reivindicação do presidente Luiz Inácio Lula da Silva para a redução imediata da tarifa norte-americana de importação do biocombustível brasileiro, que é de US$ 0,54 (cerca de R$ 1,13) por galão. Só para não esquecer que em primeiro lugar os interesses do império.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: