Fim dos muros? Democratas prometem reforma da imigração

capa_722.gif

Dois dias após o colapso de uma grande reforma da imigração no Senado, os pré-candidatos presidenciais democratas prometeram que, se eleitos, promoverão uma legislação que protegerá os trabalhadores e dará aos imigrantes ilegais um caminho para a cidadania.

Em um fórum na Disney World patrocinado pela Associação Nacional das Autoridades Latinas Eleitas e Nomeadas (Naleo), os candidatos disseram que também apóiam uma segurança mais forte na fronteira e a repressão aos empregadores que exploram trabalhadores sem documentos.

“Como presidente, eu sancionarei uma abrangente reforma da imigração”, disse o senador Barack Obama, de Illinois. “Eu quero que minhas filhas cresçam em uma comunidade em que todas as pessoas, e não apenas algumas, sejam consideradas como parte do sonho americano.”

Obama também defendeu seu voto no ano passado para a construção de um muro de 1.130 km ao longo da fronteira entre Estados Unidos e México, dizendo que não acredita que “boas cercas fazem bons vizinhos”, mas que o Congresso tinha que dar confiança ao povo americano de que estava comprometido com um processo ordenado de imigração como parte de uma reforma mais ampla.

O ex-senador da Carolina do Norte, John Edwards, obteve aplausos entusiasmados quando disse que “nunca apoiaria a construção de um muro por toda a nossa fronteira sul”. Edwards disse que distribuiria mais pessoas e mais tecnologia ao longo da fronteira como medidas de manutenção da lei, ao mesmo tempo em que ofereceria aos imigrantes ilegais que já estão aqui “um caminho para a cidadania”.

A senadora Hillary Clinton de Nova York disse que ficou decepcionada pelo Senado não ter seguido adiante com seu projeto de imigração e que a base para qualquer medida futura deve ser o “caminho para a legalização” para os 12 milhões de imigrantes sem documentos que já estão aqui.

Hillary Clinton também disse que os Estados Unidos devem acabar com a guerra no Iraque e retirar os soldados americanos de combate, um sentimento manifestado por todos os pré-candidatos, que incluíam os senadores Chris Dodd, de Connecticut, e Joseph Biden, de Delaware, assim como o deputado Dennis Kucinich, de Ohio, e o governador do Novo México, Bill Richardson, que é latino.

Os candidatos subiram ao palco um de cada vez e responderam perguntas sobre imigração, guerra no Iraque, terrorismo, educação e saúde.

Uma platéia de várias centenas de pessoas aplaudiu de pé cada candidato, mas o mais celebrado foi Richardson, que a certa altura pediu por mais tempo para falar dizendo: “Eu sou o único latino concorrendo à presidência, me dê um tempo”.

O comentário provocou grande aplauso, risadas e gritos de aprovação. Uma reação semelhante se seguiu quando Richardson declarou: “A primeira coisa que cairá quando for presidente é este muro”.

Richardson também criticou a forma como a imprensa americana retrata os imigrantes, como pessoas saltando um muro. Ele disse que as imagens deviam incluir os trabalhadores rurais “que quebram suas costas para trazer a agricultura a este país”, pessoas que limpam os banheiros de hotéis e o “imigrante latino que morreu por este país” nas forças armadas.

Ele encerrou sua participação dizendo em espanhol para a platéia que eles eram sua família, mas que não deviam votar nele apenas por ser latino.

“Vamos a ser una historia. Vamos a ganar”, ele disse, que significa: “Vamos fazer história. Vamos ganhar”.

Segundo uma pesquisa USA Today/Gallup divulgada nesta semana, Hillary
Clinton tem uma grande vantagem entre os eleitores latinos: 59% dos democratas latinos disseram que apóiam Hillary, em comparação a 13% para Obama, 11% para Richardson, 7% para Edwards e 1% para Biden.

A Naleo também convidou pré-candidatos presidenciais republicanos à convenção, mas apenas um compareceu, o deputado Duncan Hunter, da
Califórnia. Uma platéia agradecida aplaudiu Hunter de pé na sexta-feira, quando ele subiu ao palco.

Diante do único suporte para candidato, decorado em vermelho, azul e branco, Hunter foi perguntado sobre seu plano para consertar o sistema de imigração do país.

“Nós precisamos construir o muro e construí-lo rapidamente”, ele disse.

Segundo ele, um muro de 260 metros de altura ajudaria a segurança nacional, impediria o crime e a violência ao longo da fronteira e impediria as pessoas de morrerem no deserto devido ao calor.

“Se 200 garotos por ano morressem em um canal, a primeira coisa que você faria é cercá-lo com um muro”, ele disse.

Fonte: Cox Newspapers
Tradução: George El Khouri Andolfato / UOL Mídia Global
Site do PC do B

Rizzolo: A política conservadora republicana de Bush esta se esvaindo, é claro que os democratas com uma visão mais humana e menos preconceituosa absorvem a simpatia do eleitorado latino e do saxão menos belicista. Esse muro é uma vergonha, e os democratas mais progressistas o repudiam. Exploração internacional, promoção de invasão no Iraque, apoio irrestrito a Isarel utilizando o povo judeu como massa de manobra, ( e fico muito à vontade pra dizer isso porque sou de origem judáica ), conspirações da CIA no âmbito internacional, atrocidades em Guantanamo, muro contra latinos, embargos à Cuba e muitas outras coisas. Acho que o povo americano precisa resgatar o espírito de liberdade que tanto pregam.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: