Em maio, multinacionais enviam US$ 2,632 bilhões ao exterior

Volume remetido às matrizes a título de lucro e dividendos, é cinco vezes maior do que a entrada de US$ 501 milhões de investimento estrangeiro

Em maio, o Banco Central registrou a entrada de US$ 501 milhões referentes ao chamado investimento direto estrangeiro, ao mesmo tempo em que as transnacionais instaladas no país enviaram US$ 2,632 bilhões para suas matrizes no exterior a título de lucros e dividendos. Esses dados são relativos à questão da produção, não englobando os capitais meramente especulativos, atraídos pelos juros altos.

O fato de as remessas de lucros terem superado em mais de cinco vezes a entrada dos festejados “investimentos” diretos demonstra, mais uma vez, que a brutal desnacionalização a que foi submetida a economia brasileira tem proporcionado a transferência de fabulosos recursos para o exterior. Desnacionalização que atingiu não só as estatais, com as privatizações, mas também as empresas privadas – essas últimas com a redução da proteção à indústria nacional e com os juros cavalares, que as tornaram presas fáceis ao capital estrangeiro. Ou seja, as empresas nacionais, nas quais foram injetadas bilhões de reais para sua construção e ampliação, foram tomadas praticamente de graça e hoje enchem os cofres de quem as açambarcou.

Assim, foram repassadas para o controle externo empresas dos mais diversos segmentos. A maior parte do antigo Sistema Telebrás, empresas de energia (Light, Eletropaulo, Comgás etc.), siderúrgicas como a Usiminas. No capital privado, fábricas tradicionais como Metal Leve, Cofap, entre outras, foram desnacionalizadas. Esse processo alcançou inclusive o setor bancário, público e privado (Banespa, Real, Bamerindus etc.), o principal beneficiário da política de juros altos do BC.

Em sua tese de Doutorado em Ciências da Engenharia da Produção na COPPE/UFRJ, a professora Carmen Garcia disseca a presença do capital estrangeiro na indústria brasileira, de 1985 a 2002, mostrando o alto grau de desnacionalização do setor. Assim, no último ano analisado, estavam sob controle estrangeiro 82% das indústrias baseadas em ciência (eletrônica, farmacêutica, aeronáutica etc.); 73% da produção diferenciada (eletrodomésticos, instrumentos médicos e máquinas e equipamentos); 68% da produção contínua em escala (química, siderurgia, automobilística etc.); 24% das indústrias baseadas em recursos naturais (extrativa mineral, cimento, alimentos, bebida, madeira e extração e refino de petróleo).

A questão torna-se ainda mais relevante no momento em que o país avança na consolidação da agroenergia, fundamental para a diversificação das fontes energéticas, o que vem atiçando a cobiça do capital estrangeiro. Até o notório George Soros, que esteve recentemente no Brasil, já se faz presente no setor do etanol tendo adquirido a Usina Monte Alegre, em Minas Gerais, através da Adecoagro.

A abertura de capital das empresas brasileiras não é nenhum “processo natural” como defendem alguns. Natural e viável é que elas se desenvolvam a partir de nossos próprios esforços. Para isso, contam novamente com o apoio do BNDES, que, com Lula, retomou o seu papel de financiador da produção, ao contrário da gestão tucana em que o banco foi transformado em agente da desnacionalização e do fomento do desemprego.

VALDO ALBUQUERQUE
Hora do Povo

Rizzolo: Tenho todo dia dito isso, as multinacionais sangram o país, mas o que mais salta aos olhos, é o fato de as remessas de lucros terem superado em mais de cinco vezes a entrada dos festejados “investimentos” diretos demonstra, mais uma vez, que a brutal desnacionalização a que foi submetida a economia brasileira tem proporcionado a transferência de fabulosos recursos para o exterior. Isso é uma vergonha, tenho reiteradamente dito isso . Tenho pena do povo brasileiro, sempre subserviente a essas empresas multinacionais que alem de sangrar o país olham sempre um com componente preconceiutuoso, como o caso da Cargil. ( ver no Blog).

Agora a pergunta : Se elencarmos 500 empresas multinacionais instaladas no Brasil, sangrando o país, fazendo remessas intermináveis de lucro aos paíse de origem, não respeitando normas de segurança, dessas 500 empresas , quais delas a indústria nacional não teria capacitação tecnológica para substitui-las por empresas genuinamente nacionais ? Em primeiro lugar, as multinacionais vêm para o país atraídas pelos baixos salários pagos aos trabalhadores e pela crescente precarização do trabalho. O lucro obtido por essas empresas não fica no Brasil, vai, em forma de remessas, para as matrizes localizadas nos grandes centros capitalistas. De acordo com o Banco Central, somente até agosto deste ano, US$ 6,79 bilhões de lucros e dividendos das multinacionais foram enviados para fora do país. Tenho absoluta certeza que o empresariado brasileiro patriota é capaz de fazer tudo e muito mais do ponto de vista tecnológico, de produção, e até humano.

Ah! Mas isso não pode, isso não é democrático, não é , ( dizem os representantes do império ) democrático é isso aí em cima que você leu é a ” liberdade ” de fazerem o que querem e levarem todo o lucro para onde querem , só eles sabem fazer lucro e gerarem emprego, agora o coitadinho do empresário nacional, não aguenta , vez que a carga tributária proporcionalmente é maior para o pequeno empresário , aí sucumbe, desiste, quebra.

Se não querem mudar as relações de produção ( socialismo ) de uma vez, que então prestigiem a indústria nacional, não existe nada que nós não sabemos fazer ou que na pior das hipótese não podemos comprar em termos de tecnolgia como assim faz a China. Manda esse pessoal embora ! E mais o nosso Presidente Lula não deveria aguentar esse malcriado comissário europeu de comércio, Peter Mandelson, o camarada se acha no direito de humilhar o governo brasileiro com suas declarações que no fundo são preconceituosas; é o fim , como dizia Euclides da Cunha ” O nordestino é antes de tudo é um forte” !

Publicado em Política. 1 Comment »

Uma resposta to “Em maio, multinacionais enviam US$ 2,632 bilhões ao exterior”

  1. Sergio Says:

    Prezado Rizzolo, boa tarde!

    Concordo plenamente com seus comentários. Aproveitando estou escrevendo minha tese de doutorado a respeito dos fatores que influenciam multinacionais a investir no Brasil e em específico em SP.

    Vc teria fontes para indicar (livros, artigos, sites, etc)?

    Agradeço desde já sua atenção.
    abraço
    Sergio


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: