Petrobrás rechaça ação dos Estados Unidos contra os investimentos da estatal no Irã

O Brasil refutou mais uma vez as pressões dos Estados Unidos para que a Petrobrás deixe de investir em projetos no Irã. Desta vez, a estatal afirmou que não existe motivo para interromper os negócios com o Irã, em resposta a um fundo de pensão de professores da Califórnia (EUA) – que detém uma pequena quantidade de ações da Petrobrás e está pressionando para que a empresa nacional cancele seus contratos com aquele país.

No início do mês passado, o fundo de pensão dos professores da Califórnia enviou cartas de “advertência” à Petrobrás “recomendando” que abandone seus projetos no Irã. O dito fundo tem US$ 170 milhões em ações da Petrobrás, valor irrisório diante do tamanho da estatal brasileira.

Algumas semanas atrás, o estado da Flórida sancionou lei local obrigando fundos administrados pelo estado a se desfazer de ações de empresas que investem no Irã, entre elas a Petrobrás. Projetos semelhantes estão em discussão no Congresso ianque.

Em março, o embaixador dos EUA no Brasil, Clifford Sobel, lançou mão da chantagem de que a Petrobrás poderá ter problemas em suas atividades de exploração no Golfo do México, caso continue presente no Irã. Em nota, a estatal informou que não se manifestaria sobre questões políticas sobre seus negócios com o Irã, destacando que sua presença em território iraniano é “estratégica”, e “um ponto de partida para o objetivo de reconquistar a participação no Oriente Médio”.

No mesmo mês, em visita oficial aos Estados Unidos, o presidente Lula rechaçou qualquer pressão contra o Brasil e a Petrobrás. “Eu sei que tem divergência política entre o Irã e outros países. Com o Brasil não tem nenhuma divergência política, portanto vamos continuar trabalhando junto com o Irã naquilo que for do interesse do Brasil. Não vejo nenhum problema para ser diferente”, disse Lula em negativa à tentativa de Bush em interferir nos assuntos internos brasileiros.

A Petrobrás tem atualmente um contrato no valor de US$ 32 milhões com o Irã para exploração de um bloco no Golfo Pérsico. A estatal negocia novos contratos para explorar mais dois blocos iranianos no Mar .
Hora do Povo

Rizzolo: Observem o nível de atrevimento, um fundo de pensão dos professores da Califórnia enviou cartas de “advertência” à Petrobrás “recomendando” que abandone seus projetos no Irã, outra vindo do embaixador dos EUA no Brasil, Clifford Sobel, lançando mão da chantagem de que a Petrobrás poderá ter problemas em suas atividades de exploração no Golfo do México, só pode ser brincadeira, né, não bastassem dominar a mídia golpista, agora querem impor medidas para Petrobrás, bem disse o presidente Lula que rechaçou qualquer pressão contra o Brasil e a Petrobrás. “Eu sei que tem divergência política entre o Irã e outros países. Com o Brasil não tem nenhuma divergência política, portanto vamos continuar trabalhando junto com o Irã naquilo que for do interesse do Brasil.Não vejo nenhum problema para ser diferente”.

Aliás , só para ilustrar já que estamos falando em entrometimento olha a declaração do ex -diretor da CIA no tocante à imprensa estarngeira, “A CIA tem o direito legítimo de se infiltrar na imprensa estrangeira. Ela tem a missão de influir, através dos meios de comunicação, no desenlace dos fatos políticos em outros países” (Willian Colby, ex-diretor-geral da agência de inteligência dos EUA).

Manda esse pessoal passear !

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: