Evo anuncia nacionalização das ferrovias bolivianas

O presidente da Bolívia, Evo Morales, afirmou neste domingo (15) que começará a nacionalizar as ferrovias do país, atualmente sob o controle de investidores chilenos e americanos. O anúncio foi feito na localidade de Guaqui, às margens do lago Titicaca.

O chefe de Estado foi ao local de trem desde a cidade pré-colombiana de Tiahuanaco. Durante seu discurso para inaugurar o circuito turístico entre as duas localidades, Evo questionou a privatização parcial da Empresa Nacional de Ferrovias (Enfe) realizada em 1996, segundo a Agência Boliviana de Informação.

“O povo que nos falava de capitalização que nos diga agora onde estão os frutos desse processo. Nunca houve capitalização, mas descapitalização do povo boliviano e de nossas empresas”, disse Evo. “Por isso, agora vamos iniciar a nacionalização da Enfe.”

A estatal foi privatizada parcialmente — processo que na Bolívia se conhece como capitalização. Os investidores do Chile ficaram com o controle da rede ferroviária andina, enquanto os dos Estados Unidos com as rotas orientais.

A Empresa Ferroviária Andina tem como principal sócia a companhia Inversores Bolivian Railways SA, que possui um pacote acionário de 50%, composto por capitais chilenos. A sócia da Empresa Ferroviária Oriental é a firma Trens Continentais, filial da americana Genesee Wyoming, que também tem participação de 50%.

Em ambos os casos, outros 49% pertencem teoricamente à população boliviana, que delegou sua administração a duas empresas que gerenciam previdência privada — uma do grupo Banco Bilbao Vizcaya Argentaria (BBVA) e outra do suíço Grupo Zurique Financial Service.

Da redação, com agências
Site do PC do B

Rizzolo: A capitalização que é um nome mais bonito do que privatização faz parte da onda neoliberal, na Bolívia a pilhagem foi feita entre o capital “nacional” chileno ” nacional de araque” e internacional, ou seja, tudo entregue ao capital internacional que no mínimo explora até hoje o pobre povo boliviano que nada tem a não ser suas riquezas naturais. A decisão de nacionalizar as ferrovias que na realidade vem a ser o resgate do patrimônio boliviano pilhado, é essencial. O Brasil precisa olhar mais para os interesses do povo brasileiro , como assim faz a Bolívia, prestigiando a indústria nacional tendo como coluna vertebral o Estado regulador e investidor, que pauta os investimentos privados. Chega de entreguismo.!

Pan americano ou Pão Americano ?

A direita está em festa com o coral, segundo o Dr. Rosinha do PT, ensaiado por Cesar Maia vaiando Lula. Existe até um vídeo no youtube onde pode-se ver o “ensaio”, agora, se foi o ensaio, se foi tudo armado pelo Cesar Maia , se foi o preço que é um absurdo, eu não sei , o que vejo é a direita ” excitada ” e “eufórica”; como se a vaia saísse do coração dos frequentadores do Jockey Club, uma besteira; o pobre nem sabe disso, expressou seu voto na urna de forma esmagadora, foram 58 milhões de pessoas, nada que vá abalar o prestígio de alguém com mais de 60% de aprovação. O que vale, como se sabe, é o aplauso ou vaia das urnas…que é pior , e outra viu, o pobre, aquele que vive na miséria ,que não tem como sustentar sua família nesse regime capitalista que apenas visa o lucro e a exploração, não está interessado em Pan americano e sim no Pão Americano que sustenta o seu dia, é isso, aí, pro pobre o Pão Americano fala mais alto do que as vaias forjadas. Pão Pullmann neles ! Lembra do Paõ Pullmann, coisa antiga , hein ! (risos…)

Publicado em Política. 1 Comment »

Charge de Erasmo para Jornal de Piracicaba

Para começar um segunda feira de bom humor !

cha_327.jpg

do Site do PC do B

Fidel compara Cuba e EUA, desafia Bush e acusa hipocrisia

fidel1.jpg

O presidente de Cuba, Fidel Castro, zombou dos esforços do governo Bush para diminuir os problemas sociais na América Latina, destacando que seu pequeno país pode superar os Estados Unidos na ajuda em saúde e educação. Em editorial publicado neste domingo (15) pelo jornal Juventud Rebelde, Fidel também declarou que o governo americano tem capacidade para evitar qualquer atentado em seu território — a menos que seja de seu interesse político deixá-lo acontecer.

“Bush vai descobrir que o sistema econômico e político do império não pode competir na área de serviços vitais como educação e saúde com Cuba, atacada e bloqueada por quase 50 anos”, escreveu o líder cubano. “Todo mundo sabe que a especialidade dos Estados Unidos na área de educação é roubar cérebros”, sustentou Fidel, citando um relatório da Organização Mundial do Trabalho.

Esse documento revelou que 47% dos estudantes estrangeiros que conquistam o título de Ph.D. nos Estados Unidos permanecem no país. A administração Bush recebeu 150 delegações da América Latina e 90 organizações dos Estados Unidos esta semana para discutir o trabalho social do país na região e promover esforços corporativos.

A Conferência da Casa Branca sobre as Américas, convocada por George W. Bush em março, contou com a presença de Bush, sua esposa, Laura, e cinco membros de seu gabinete como parte de um esforço para conter o uso dos programas de educação e saúde de Cuba e Venezuela para a América do Sul.

“Por episódios”

Fidel ridicularizou o giro de quatro meses pela região do navio-hospital Comfort dos Estados Unidos. A embarcação, com mais de 800 pessoas a bordo — entre pessoal médico e tripulação —, cumpre até setembro uma rota de assistência humanitária por países das Américas Central e do Sul e Caribe

“Você não pode efetuar programas médicos por episódios”, escreveu Fidel, comparando a próxima parada do navio no Haiti com o trabalho de centenas de médicos cubanos em quase uma década no local, além do treinamento de haitianos em Cuba.

“Em Cuba, onde a saúde não é mercadoria, é possível fazer coisas que Bush sequer imagina”, registra o editorial. “Os países do Terceiro Mundo não dispõem de recursos para criar centros de pesquisa científica, mas Cuba conseguiu criá-los, apesar de seus próprios profissionais muitas vezes serem exortados e incentivados a desertar.”.

Foi nesse sentido que Fidel lembrou os milhares de bolsistas da América Latina e do Caribe que se formam médicos em Cuba gratuitamente. Entre eles, há até jovens norte-americanos.

A “reflexão” de Fidel, sob o título “Bush, a saúde e a educação”, foi sua 27ª desde 29 de março. O líder de 80 anos tem escrito textos de opinião enquanto se recupera de uma série de cirurgias no intestino. O irmão de Fidel, Raul Castro, de 76 anos, governa temporariamente o país.

Ataques tolerados

Em resposta ao secretário de Segurança Interna americano, Michael Chertoff, Fidel ainda comentou: “Qualquer ataque contra sua população ele pode evitar, exceto se tiver necessidade do estardalhaço para prosseguir e justificar a brutal guerra que decretou contra a cultura, a religião, a economia e a independência de outros povos”.

Na terça-feira, em entrevista divulgada pelo Chicago Tribune, Chertoff declarou que tinha “a intuição” de que os Estados Unidos estão enfrentando neste verão um alto risco de atentados terroristas. Para Fidel, no entanto, Washington “vê e escuta tudo, com ou sem autorização legal, e pode obter a informação de segurança que precisa sem seqüestrar, torturar ou assassinar em prisões secretas”.

Da redação, com agências
Site do PC do B

Rizzolo:A política americana nunca foi humanitária , a não ser quando serve como medida de barganha. O povo americano já está percebendo , muito embora a mídia dominada impede, que nos EUA a democracia é falsa, a mídia é controlada, o sistema eleitoral só beneficia a elite americana, e jamais poderá exercer uma política humanitária sem estar atrelada a interesses financeiros ou belicistas. Mais uma vez recomendo ler Noam Chomsky.

Uma má notícia

A matéria “Milionários brasileiros têm meio PIB”, na Folha de hoje (só para assinantes), revela uma outra verdade que conhecemos, já que a outra fase dela é a pobreza e a miséria de milhões de brasileiras e brasileiras. Segundo a Boston Consulting Group, 130 mil milionários brasileiros têm US$ 573 bilhões. Ou seja, estamos no 14o lugar no mundo, na frente da Índia e da Rússia, só perdemos para a China. Estamos indo bem. Bem mal. Já sabíamos. É só ver a distribuição de renda no país – 1% da população tem 13% da renda e 50% da população também tem 13% da renda nacional. Logo, não é de se estranhar esses dados, que vêm acompanhados de uma outra má noticia: a de que os ricos crescem mais no Nordeste e no Centro Oeste. Quer dizer, a concentração se alastra por todo o Brasil, como mostra a matéria “Milionários mudam o “mapa da riqueza”” (só para assinantes).

Como vemos, as políticas tributárias e distributivas que até hoje adotamos, inclusive no governo Lula, não são nada. O Brasil precisa mesmo é de uma revolução social, uma verdadeira redistribuição de renda, via redução drástica e imediata dos juros, uma reforma tributária e um aumento sistemático e permanente dos salários, aumentando a participação do trabalho na renda nacional, pelo menos em até 50%. E precisa cada vez mais de uma rede nacional de segurança social e previdenciária que atenda de forma universal a todos os brasileiros e brasileiras, para além da assistência social e dos programas como o Bolsa-Família. Precisamos de investimentos massivos em educação, saúde, saneamento, habitação, transportes urbanos, lazer, cultura, esportes e inclusão digital.

O resto é conversa fiada.
Fonte: Site do Zé Dirceu

Rizzolo: Uma vergonha a distribuição de renda nesse país – 1% da população tem 13% da renda e 50% da população também tem 13% da renda nacional, 130 mil milionários brasileiros têm US$ 573 bilhões. Precisamos de uma política radical de distribuição de renda tributando ganhos de capital, aumentando salários, e havendo uma participação cada vez maior do Estado , sem o rompimento com as relações de produção vigentes não resolveremos o problema da miséria no nosso páis, alem do fato , é claro da participação cada vez maior do empresariado brasileiro, da diminuição das taxas de juros e da efetiva política de transição socialista unida com o empresariado nacional e uma forte participação do Estado como regulador. O resto é discurso , é fazer o jogo do capital internacional e do neoliberalismo. Observe que as esquerdas já estão começando a se cansar das timídas políticas sociais do PT. Pra nós ainda são muito tímidas.