Chávez e Kirchner irão construir usina para processamento de gás

p7-chavez1.jpg

Argentina e Venezuela firmam Tratado de Segurança Energética

Através de acordos firmados, empresa energética argentina, Enarsa, atuará junto com a PDVSA na prospecção de hidrocarbonetos no Orinoco

O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, afirmou em sua visita a Argentina que a “América do Sul tem tudo para se transformar num pólo de força mundial e contribuir assim para fazer um mundo pluripolar, esse é o caminho que nos trouxe a Buenos Aires”.

Néstor Kirchner acrescentou que os acordos que os dois chefes de Estado assinaram na terça-feira, dia 7, são passos fundamentais para fortalecer a aliança regional “com plena consciência política da integração, que é decisiva para garantir a nossa soberania”. Chávez confirmou a retomada das relações de seu país com o México, e advertiu que os Estados Unidos trabalham ativamente “para obstaculizar os avanços na unidade latino-americana, e nós não podemos cair nessa armadilha”.

Durante a reunião que realizaram na Casa Rosada, Kirchner e Chávez ressaltaram os fortes laços que os unem, e o presidente argentino também se referiu ao México, entendendo que seu par venezuelano coincidia com os esforços de aproximação com esse país, na construção, consolidação e ampliação do Mercado Comum do Sul (Mercosul) “independentemente das eventuais diferenças políticas que possam existir entre as nossas nações”. No mesmo dia, o presidente brasileiro, Luiz Inácio Lula da Silva, se encontrava na Cidade do México, acertando uma série de acordos comerciais e tecnológicos. A Venezuela e o México se distanciaram no final do mandato do ex-funcionário da Coca-Cola Vicente Fox na presidência do México.

BÔNUS

No encontro, os chefes de Estado assinaram um acordo através do qual Caracas adquiriu bônus da dívida externa argentina por um bilhão de dólares, que se somarão aos 4 bilhões e 300 milhões comprados nos últimos três anos pelo seu país. Haverá uma emissão imediata por 500 milhões que se completará no que resta do ano com duas emissões por 250 milhões mais. “É mais uma prova de que não precisamos dos organismos internacionais às ordens do império, como o FMI. Os incomodados dizem que a Venezuela lucra com a nossa operação. Claro que lucra, da mesma forma como a Argentina lucra. Só que de forma civilizada, solidária, conjunta, amiga. E não selvagem e predatória, com o resultado de terra arrasada na economia dos nossos países”, assinalou Hugo.

“Os argentinos acreditamos firmemente na consolidação do Mercosul e a contribuição da Venezuela é muito importante. Nós agradecemos os gestos desinteressados que você teve em momentos tremendamente difíceis que passou o nosso país. Foi a atitude de um irmão. Nós queremos colaborar com a experiência, com a tecnologia, com a garra do nosso povo para o crescimento da Venezuela. No setor agrário, na tecnologia industrial, com o que temos de melhor”, respondeu Néstor Kirchner.

Depois, Chávez visitou a sede central do Instituto Nacional de Tecnologia Industrial da Argentina, INTI, para supervisionar o contrato da Corporação de Indústrias Intermediárias da Venezuela S.A, Corpi-vensa, para a construção e início do funcionamento de 56 empresas industriais em 21 setores que vão desde a fabricação de máquinas e equipamentos até produção de alimentos e vestuário.

Anunciou-se também o Tratado de Segurança Energética que tem como centro a construção de uma usina de reprocessamento de gás para a qual foram destinados 400 milhões de dólares. O gás natural pode ser transportado através de gasodutos ou pode ser liquidificado e transportado por navios. É o chamado gás liquefeito de petróleo, GLP. No lugar de destino, o combustível volta a ser gasificado para ser distribuído. A fábrica que se anunciou permitirá regasificar o fluido embarcado na Venezuela.

ORINOCO

“Sabemos que o mundo está entrando numa crise energética que tem provocado golpes por parte dos Estados Unidos, invasões e guerras, como a do Iraque, que revoltam todos os homens e mulheres de bem do mundo”, sublinhou Chávez, acrescentando que Washington considerava como própria a grande reserva da Faixa do rio Orinoco, que “agora será destinada a toda América, sem excluir aos Estados Unidos”.

“Temos a maior reserva de gás do continente. O gás que precisam o Brasil e a Argentina, está na Venezuela e na Bolívia. Nós não queremos dar energia barata, de graça aos Estados Unidos. Ela é chave para contribuir com a integração e o desenvolvimento. Rompemos acordos lesivos e, eu diria, produto do servilismo abjeto de governos anteriores, com as transnacionais do norte e isso nos custou um golpe de Estado e quase me custa a vida. Mas, só reforçou em nós a certeza de que estamos certos. Quando os cachorros latem , Sancho, é sinal de que estamos certos”, afirmou Chávez, ao lado de Kirchner e sua esposa, Cristina Fernández, candidata à presidente nas próximas eleições.

“Há dois anos chegou ao Rio da Prata o primeiro barco com petróleo de Venezuela”, indicou Chávez e enfatizou a importância do convenio para a exploração conjunta das empresas PDVSA da Venezuela, e Enarsa da Argentina na Faixa do Orinoco. “Há suficientes reservas para abastecer durante outros 200 anos a América Latina”, disse Chávez, que informou que seguirá enviando petróleo aos Estados Unidos, resgatando a relação com o povo desse país e ponderando que “é muito provável que o próximo governo americano se dê conta de que essa política de Bush é insustentável e mude a atitude para com a nossa região. Mas não somos ingênuos, nossa independência, nossa soberania depende de nós, da nossa união e integração”.

Cristina Fernández de Kirchner “já é presidenta. Até as pedras falam isso por aqui”, assegurou também Chávez, em referência à candidatura da esposa do presidente argentino, que é favorita para as eleições presidenciais de 28 de outubro próximo, e a quem agradeceu o apoio público que tem prestado a seu governo em diversas ocasiões, como em recentes visitas a Espanha e México. “A integração com a Venezuela é chave para a Argentina e para toda a nossa América”, devolveu Cristina.

SUSANA SANTOS
Hora do Povo

Rizzolo: Enquanto isso meia dúzia no Senado brasileiro , que fizeram um papel ridículo se entrometendo em questões que não lhe dizem respeito, como no caso da RCTV, fazem de tudo para que a Venezuela não tenha a mesma relação com o Brasil como tem com os demais países da América Latina e principalmente com a Argentina, Chavez explicou a transcendência do Tratado de Segurança Energética (TSE) assinado com o presidente Néstor Kirchner, que assegurará o fornecimento de combustível à Argentina, o Tratado prevê a formação da empresa estatal binacional Petrosuramérica, empresa que englobará as áreas de petróleo, gás, refino, petroquímica, desenvolvimento de infra-estrutura de transporte, entre outros, na Argentina. A empresa absorverá 10 milhões de m³ de gás por dia enviados pela Venezuela à Argentina a partir de 2009; Agora porque a resistência de alguns setores reacionários contra Chavez ? Por que isso ? Lógico que por trás disso existe o governo americano, que quer de toda forma boicotar a integração da América Latina , mas é claro que o Brasil não vai dar ouvidos aos golpistas, aos que querem que prevaleça a cartilha do ” Consesnso de Washington” onde em primeiro lugar está o lucro da transnacionais e depois se sobrar alguma coisa, uma migalha para o povo brasilerio. Não dou 40 dias pra isso tudo mudar em favor do Brasil e da Venezuela, vamos nos unir repensar a América Latina de dentro pra fora !

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: