Para analistas franceses, contágio pode gerar grande crise

0810crise1.jpg

A incerteza financeira da sema tem o seu centro nos Estados Unidos e sua bolha imobiliária, porém o principal sinal de alarme veio da França. Foi ali que, na quinta-feira (9), o banco francês BNP Paribas congelou o saque de três de seus fundos de investimentos, fazendo um arrrepio de medo percorrer as bolsas do planeta. O diário francês Libération entrevistou na sexta-feira dois economistas, Jean-Paul Fitoussi e Dominique Plihon, um da fundação Sciences-Po Paris, uma instituição nacional, e o outro presidente do conselho científico da ONG Attac.

Libération – A intervenção do Banco Central Europeu (BCE, que injetou no mercado mais de US$ 200 bilhões em dois dias) marca uma virada na crise dos créditos imobiliários?

Jean-Paul Fitoussi – Os bancos intervêm para apagar o incêndio que eles mesmos atearam. Impulsionados por sua missão primeira – a estabilização da inflação –, eles fragilizaram o mercado ao elevar as taxas de juros, o que favoreceu a crise imobiliária. Uma tragédia grega entra em cartaz: a inflação retorna, via alta dos preços do petróleo e das matérias-primas agrícolas, os bancos reagem e elevam os juros, e os operadores financeiros, que apostavam na estabilidade, se vêem fragilizados.

Dominique Plihon – Temos aqui uma injeção de liquidez de emergência, do emprestador em úntima instância. É um sinal muito claro: há um princípio de incêndio no sistema bancário. O BCE quer que os pagamentos sejam honrados para que os bancos não travem o sistema. Tenta evitar um efeito dominó: os bancos em dificuldade carregariam consigo outros bancos, dos quais são devedores..

L – Quais são os riscos de contágio?

DP – O risco é real e profundo, mas uma grande crise generalizada não é inevitável. Pode-se vê-lo cada dia um pouco melhor: os grandes bancos europeus se voltaram para o mercado americano, frequentemente através de LBO (Leverage Buy Out, a recompra de empresas de crédito). Essas operações têm uma propensão para gerar riscos. Em compensação, caso se descubra que, como parece ser o caso hoje, que esses bancos estão fortemente afetados, pode acontecer uma desconfiança generalizada, que pode conduzir a um efeito de pânico, uma queda do consumo e portanto do crescimento.

J-PF – A acumulação de dívidas de risco por devedores insolventes já contamina os bancos, como o prova o caso do BNP Paribas. Eis que ele se torna vítima do modelo presa-predador. Quando os predadores devoram em excesso as populações pobres, superendividadas para adquirir um imóvel, ficam por sua vez em perigo. Em princípio, estamos diante de um efeito dominó que pode gerar uma crise de amplitude muito grande.

L – 1987, 1997, 2007: existe uma inevitabilidade nos ciclos das crises financeiras?

J-PF – Desgraçadamente, é raro que se aprenda com as crises precedentes. Ontem foi a bolha internet, hoje a bolha imobiliária. E o que é mais inquietante, ainda que pouquíssimo falado por enquanto, é o carry trade (empréstimo em uma moeda cujas taxas de juros são baixos para aplicar a soma em países que oferecem juros maiores) sobre o yen japonês. Mas agora o yen se recupera, e o sistema, que abocanhou mais de US$ 200 bilhões, pode implodir.

DP – As crises econômicas não se repetem, assumem sempre novos contornos. É verdade que, apesar do déficit global de governança, grandes progressos ocorreram na prevenção e gestão de riscos. Porém o mais inquietador é a disparada dos preços das matérias-primas e alimentos e a especulação que a acompanha. Sem regulação, essa exuberância irracional corre o risco de provocar grandes estragos, porque a cegueira, para o desastre dos mercados, não mudou.

Fonte: http://www.liberation.fr
Site do PC do B

Rizzolo: Tudo começou com a crise imobiliária nos EUA ou os empréstimos para compra de moradias outorgados a famílias sem condições de cumpri-los. Os fundos e outras instituições financeiras poderiam perder até US$ 100 bilhões pelo não-cumprimento dos pagamentos. Ao que parece a crise pouco terá repercussão no Brasil até porque nossa economia está segundo Mantega estruturada, Mantega afirmou ontem que os investidores não têm motivos para se preocupar porque o Brasil faz parte do time de nações “muito sólidas e habilitadas” a enfrentar situações de crise internacional. Tomará que esteja certo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: