Teórico da tortura, ministro pede para deixar Bush antes que governo acabe

femablogger-128.jpg

Bush perde o ministro da tortura, do grampo e da fraude eleitoral

Gonzales foi o porta-voz de Bush para a propaganda de que a tortura era imprescindível ao Estado fascista pós 11/9, e de que o “presidente” podia torturar quem quisesse enquanto “comandante-em-chefe”

Em mais um lance do desmanche do governo Bush, seu ministro da Tortura, do Grampo e da fraude de eleições, Alberto Gonzales, anunciou sua renúncia. Há duas semanas, outro “baluarte” da “era Bush”, seu guru Karl Rove, havia fugido da Casa Branca, antes que saísse de camburão. Mais do que a típica fuga dos ratos quando o navio afunda, a renúncia do fiel Gonzales, além de tentar proteger a ele próprio, visa tentar afastar do chefe W. Bush o foco das investigações sobre quem mandou demitir nove promotores que não aceitaram fazer parte do esquema da fraude na reeleição de 2004. De acordo com o “Washington Post”, Bush costumava chamar a Gonzales de “mi abogado”.

Gonzales integrava o círculo mais íntimo de malfeitores reunidos por W. Bush, para quem exerceu o cargo de conselheiro jurídico quando este era governador do Texas. No cargo redigiu memorandos e mais memorandos pró pena de morte de negros e latinos e nunca recomendou clemência para um condenado que fosse. Iniciou-se como advogado num grande escritório de Houston, que atendia a Halliburton e a Enron; progrediu e até virou sócio. Ainda segundo o WP, “em 1996 ele ajudou o então governador do Texas Bush a evitar um julgamento em que este poderia ser forçado a revelar uma incriminação 20 anos antes por dirigir embriagado”. Foi depois nomeado secretário de Estado do Texas e, mais tarde, para a Suprema Corte do estado.

Levado para Washington após o golpe de estado sancionado pela Suprema Corte em 2000, em que o povo dos EUA e Albert Gore foram esbulhados, rapidamente ele se adaptou ao novo papel. Tornou-se, pelo menos oficialmente, o “teórico” da tortura, assinando como conselheiro jurídico da Casa Branca pareceres em que Bush se tornaria acima das Convenções de Guerra de Genebra e das leis internacionais, “reinterpretando-as”, e abrindo o caminho para o que depois se tornou escândalo em Abu Graib, Guantánamo, Bagram e em cada uma das prisões secretas mantidas pela CIA mundo afora.

DEMISSÕES

No segundo mandato de Bush, ele foi escalado para ministro da Justiça, em substituição a John Ashcroft, um dos mentores do “Ato (In) Patriótico”, que acabara se torrando com seu fervor pelo estado policial. Na nova função, Gonzales fez entusiásticas defesas do grampo, amplo e geral, movido por Bush contra a população norte-americana com a ajuda das grandes operadoras de telecomunicações e dos vôos secretos da CIA. Gonzales estava, ainda, metido em tudo o que fedia em Washington, como o Plamegate. Mas a operação que puxou o tapete sob seus pés foi a demissão de nove promotores – sete em um só dia. Uma pequena parte do enorme mecanismo de fraude eleitoral que manteve em 2004 W. Bush na Casa Branca.

Aguardando-o no esgoto dos desembarcados do governo de Bush, já estavam o ex-chefão do Pentágono, Donald “Vamos-Ser-Recebidos-com-Flores” Rumsfeld; o ex-operador-chefe de conspiratas do vice Cheney, Libby “Omertá” Lambreta; o sabotador da ONU John Bolton; o general Colin Powell; e o já citado Rove.

Um latino, Gonzales foi ministro de um governo caracterizado pela perseguição dos imigrantes – a maioria deles, latinos como Gonzales. Mas, acima de tudo, foi o porta-voz oficial do governo de W. Bush para a propaganda de que a tortura era imprescindível ao Estado policial criado a partir de 11 de Setembro, e de que o “presidente” podia torturar quem, como e quando quisesse enquanto “comandante-em-chefe”. Segundo os memorandos de Gonzales, o chefe Bush estaria acima do código penal, da constituição dos EUA e das leis internacionais, na sua condição de “comandante-em-chefe” durante a “guerra ao terror” que lançara.

Nos últimos cinqüenta anos, seguidos governos dos EUA haviam promovido, mandado ensinar e torturado em massa, sem jamais admitir isso oficialmente. Mas, brandindo o 11 de Setembro, o governo de W. Bush simplesmente tornou a tortura uma doutrina oficial dos EUA. Bastava uma declaração considerando alguém como “inimigo combatente” e pronto: podia ser seqüestrado, mantido sem acusação por anos, sem acesso à família e advogado, e torturado. Principalmente torturado, que é para isso que servem os campos de concentração e as prisões secretas montadas pela CIA e pelo Pentágono.

CONVENÇÕES

Gonzales foi uma das peças-chave na “redefinição” da tortura. Em um memorando de janeiro de 2002, Gonzales “concluiu” que a proteção do artigo III das Convenções de Genebra estava “obsoleta” e era “inadequada” para lidar com os “inimigos combatentes” capturados – como eles chamavam os resistentes afegãos. Cinicamente, o texto levantava argumentos pró e contra, como se tratasse efetivamente de um debate jurídico, até definir que W. Bush e a CIA podiam fazer o quisessem contra os seqüestrados. O “parecer” também concluía que o próprio Bush é que decidiria como é que os princípios das convenções de Genebra deveriam ser aplicados, além de considerar imprecisas as definições de Genebra condenando os “ultrajes à dignidade pessoal” e “tratamento desumano”.

Em agosto de 2002, atendendo à orientação recebida da Casa Branca, por intermédio de Gonzales, Jay Baybee, então como chefe do “Office of Legal Counsel” (correspondente à Advocacia Geral da União), emitiu um documento para autorizar que a gestapo de Bush cometesse o que antes era tido como “atos cruéis, desumanos e degradantes”, e isentando os torturadores de qualquer responsabilidade criminal. Segundo o documento, para “ser tortura” os atos praticados “têm de ser de uma natureza extrema” e o interrogador teria de ter “intenção de causar dano”.

O que estava em “consulta” era, como explicitava o memorando, “os padrões de conduta sob a Convenção contra a Tortura e Outros Tratamentos e Punições Cruéis, Desumanas e degradantes, tal como implementado nas seções 2340-2340-A do título 18 do Código Penal dos EUA”. “Certos atos podem ser cruéis, desumanos e degradantes, mas ainda assim não produzir dor e sofrimento para ser enquadrada na proibição contra a tortura da Seção 2340-A”, considerava a excrescência. Tortura, só com dor física “equivalente em intensidade à dor que acompanha sérios ferimentos físicos, falência de órgãos, parada de função corporal, ou mesmo morte” e, para que “a dor ou sofrimento mental chegue à tortura, deve causar dano psicológico significante, e de significativa duração, por exemplo, meses ou mesmo anos”.

“INCONSTITUCIONAL”

Talvez a mais esclarecedora passagem do citado memorando seja o parágrafo que diz que “a seção 2340-A [do Código Penal dos EUA] pode ser inconstitucional se aplicada a interrogatórios feitos de conformidade com os poderes do comandante-em-chefe” [isto é, Bush]. E, “nas atuais circunstâncias a proibição da seção 2340-A [isto é, a proibição da tortura] pode ser barrada porque representaria um infração da autoridade do presidente para conduzir a guerra. A necessidade de autodefesa pode justificar métodos de interrogatórios que podem violar a seção 2340-A”.

Antes da queda de Gonzales, boa parte de seus memorandos já havia ido para o lixo, graças à Resistência iraquiana, aos escândalos de Abu Graib e de Guantánamo e às mobilizações do povo norte-americano.

ANTONIO PIMENTA

Hora do Povo

Rizzolo: O camarada Gonzales, já vai tarde, como ministro participou ativamente de tudo que era mais espúrio na política racista e belicista de Bush, é claro, que ao perceber que a popularidade de Bush esta indo cada vez pior, e por estar envolvido também nas fraudes eleitorais, resolveu sair antes que o governo acabe. Um fervoroso defensor da tortura como medida de legitima contra a “guerra ao terrorismo”, desenvolveu aspectos “jurídicos” de interpretações nazistas para e legitimar atos de horror e desrespeito aos direito humanos. É impressionante a que ponto chegou os EUA, na realidade, é o desespero de uma política capitalista falida que vê na força o único meio de se manter e tentar prosperar a custa do desrespeito aos demais países que pretendem subjugar. Depois se dizem democratas. Uma verdadeira piada. É um verdadeiro Estado terrorista, como diz Noam Chomsky !

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: