Nova Orleans repudia descaso de Bush no 2° ano do Katrina

p7-nova.jpg

Passados dois anos, partes inteiras de Nova Orleans estão como ficaram após a tormenta. Desapareceram 100 mil empregos; só metade das escolas reabriu e apenas um dos sete hospitais gerais da cidade funciona no nível de antes da passagem do Katrina

Na data de dois anos da devastação de Nova Orleans, pelo furacão Katrina e pela incúria do governo Bush, uma multidão percorreu as ruas de Nova Orleans para denunciar o abandono a que a cidade está relegada e para exigir que a reconstrução seja completada, e seu povo socorrido. Às 9h38 da manhã – a hora exata do rompimento dos diques que selou a destruição da cidade pela inundação – o prefeito Ray Nagin fez soar os sinos em cerimônia no cemitério da cidade. Mais de 1.400 moradores de Nova Orleans morreram na inundação. De bicão, Bush apareceu na cidade para reincidir na demagogia e tentar esconder sua responsabilidade na tragédia, enquanto as verbas federais prometidas para a reconstrução não aparecem, chegam a conta-gotas ou são malbaratadas em projetos de duvidosa eficácia. Os manifestantes marcharam pela Lower Ninth Ward, uma área predominantemente habitada por famílias negras, que foi arrasada e assim permanece até hoje. Cartazes chamavam Bush de “mentiroso” e “esquecido”, enquanto centenas de pessoas o repudiavam na avenida St. Claude. O prefeito convocou o povo de Nova Orleans, e todos os norte-americanos, a não esquecerem o que ocorreu. “Foi o momento quando a realidade com que nos estamos lidando agora nesta cidade teve início, nos chocou, e chocou o mundo”. Como destacou um escritor em 2005, o ocorrido em Nova Orleans, com a parte mais pobre, e negra, de sua população, deixada à própria sorte durante dias, com a cidade arrasada e inundada, sem luz, alimentos, remédios ou serviços públicos, era equivalente “a abandonar os feridos no campo de batalha”.

SEM DEFESA

Se houvesse no próximo ano outro furacão com a intensidade inicial do Katrina – escala 3, Nova Orleans voltaria a ser inundada e destroçada, porque as obras de reparação e fortalecimento dos diques e canais estão inteiramente atrasadas e, segundo o Corpo de Engenharia encarregado da obra, só deverão ficar prontas em 2011, na melhor das hipóteses. Isso mesmo, e para um furacão de intensidade 3; bem menos letal que a intensidade 5 apresentada pelo Katrina no auge da passagem por Nova Orleans. Um dos principais motivos é o atraso na liberação dos recursos. Aliás, a falta de recursos havia sido um dos fatores decisivos para o colapso do sistema de diques, porque o governo Bush havia em 2005 cortado em 44% a verba de manutenção dos diques, parando pela primeira vez em 37 anos as obras de reforço; a verba para prevenção de inundação havia caído 80% e o sistema de planejamento para abrigar cidadãos e evacuar refugiados havia sido dizimado. A obra deverá custar US$ 14 bilhões.

Veja-se que as obras são para supostamente dar conta de um furacão que seria o mais grave em 100 (“1-em-100”) no período de um século, enquanto o próprio corpo de Engenharia reconhece que a intensidade do Katrina no momento na destruição de Nova Orleans o faz o mais violento entre 396 furacões (“1-em-396”) no decorrer de um século. Em suma, de acordo com o plano de Bush de reforço dos diques, os moradores devem rezar para que o próximo furacão não ultrapasse essa intensidade 3. (E também para que, como já foi dito, espere até o ano 2011).

Segundo o “New York Times”, os remendos já feitos, ao custo de US$ 1 bilhão, permitiriam mais 15 cm de altura de água, mas o próprio jornal informa que essa diferença não evitaria muitas casas de serem novamente inundadas, como no caso que cita, da moradora, Leah Pratcher. Assim como ela, por toda parte moradores registraram a marca da inundação em suas casas. “A mensagem simples proporcionada por esses dados”, assinala o jornal, “é que enquanto partes da cidade estão substancialmente mais seguras, outras mudaram pouco. Nova Orleans permanece um lugar muito arriscado de se viver”. As obras, acrescenta, fortaleceram quilômetros de diques, “mas nem sempre nos lugares onde o povo mora”. Foram erguidas “paredes contra ruptura no lado leste do canal principal, mas deixaram o lado oeste, que ficou no caminho do furacão Katrina, mais baixo e assim mais vulnerável. Não foram fechados os canais frequentemente descritos como funis para a inundação da cidade”.

DISCRIMINAÇÃO

A seguir o “NY” esclarece aos leitores quais são, entre os moradores de Nova Orleans, aqueles que o governo Bush considera que devam ser preferencialmente protegidos de nova tragédia: “as comportas agora protegem bairros prósperos como Lakeview”. Assim, reconhece, “o trabalho mais bem sucedido, a construção de enormes comportas para interromper os canais que como dedos trazem tanta inundação para a cidade, tiveram um efeito divisor”. O efeito, admite, é a instigação de “velhos ressentimentos” e o que o jornal chama de “teorias conspiratórias” – “embora as autoridades do Corpo de Engenharia digam que não há favoritismo”.

Passados dois anos, a situação de Nova Orleans permanece dramática. Como denunciou o ex-senador John Edwards, “se o governo Bush fosse um governo decente e honesto, partes inteiras da cidade não estariam exatamente como ficaram após atingidas pela tormenta”. Bairros estão em destroços e inúmeros postos de comércio continuam fechados. Desapareceram 100 mil empregos. Apenas um dos sete hospitais gerais da cidade está operando no seu nível pré-Katrina; mais dois estão parcialmente abertos e quatro continuam fechados – um deles, o hospital universitário. Só em um dos condados, 30% dos médicos foi embora. O número de leitos hospitalares encolheu de dois – terços. A taxa de mortalidade aumentou agudamente. Só metade das escolas reabriu. Outros serviços básicos, como creches e bibliotecas, sofreram redução de 50%. O sistema de transporte só conta com 69 dos 368 ônibus que operavam antes do furacão. Foram destruídas 77 mil residências que eram alugadas, e agora o valor dos aluguéis dobrou ou triplicou. O crime está desenfreado, enquanto a polícia opera a partir de trailers.

DEMOLIÇÃO

O governo Bush planeja demolir quatro dos maiores conjuntos habitacionais da cidade, derrubando 3 mil apartamentos onde viviam famílias de baixa renda, isto é, em geral negras, para pôr nas novas construções a classe média. Só haveria dinheiro para reconstruir 1 mil residências para os habitantes prévios desses quatro conjuntos. 40% da população de Nova Orleans não teve como retornar. A situação dos refugiados internos de Bush não é muito diferente dos que estão de volta. Só em Houston, no Texas, um-terço é de velhos ou inválidos; um-terço está sem emprego, e o restante se vira com empregos de baixos salários. Mais de 30 mil famílias norte-americanas – a maioria de Nova Orleans – estão espalhadas pelo país em improvisados apartamentos pagos pela defesa civil, e outras 13 mil famílias estão vivendo precariamente em trailers em parques “onde a fome é tão prevalecente que se formam filas sempre que o caminhão da distribuição de cupons de alimentos aparece”. Há dois anos Bush mantém seus campos de refugiados.

ANTONIO PIMENTA

Hora do Povo

Rizzolo:O descaso do governo racista Bush é impressionante, é claro, que se fosse a tragédia numa área onde a maioria fosse branca, os desejos da população já teriam sido atendidos. Na verdade, “salta aos olhos” a discriminação do governo Bush, a falta de respeito e a desconsideração após dois anos a da tragédia demonstram o quanto nada representa a população negra nos EUA, agora, para invadir países com pretextos idiotas, esse governo republicano racista tem dinheiro de sobra, também não faltam recursos para investidas internacionais através da CIA desestabilizando governos que não são do interesse do império. Tudo leva na direção da segregação e da pouca vontade na proteção das minorias, como a decisão da Suprema Corte prejudicando políticas que há 50 anos visam o desenvolvimento da população negra americana.

A Suprema Corte dos EUA trouxe de volta a segregação às escolas dos EUA declarando “inconstitucional”, nos termos da “Gangue dos Cinco”, o sistema de cotas e outros mecanismos para integração racial e superação, pelas crianças negras, da herança perversa da escravidão e depois da segregação legal no país. A assim chamada “Gangue” é integrada pelos juízes nomeados por Bush pai e Bush filho, mais um remanescente de Reagan, e é encabeçada pelo atual presidente da corte, John Roberts. Imaginem que bela democracia, hein ! De acordo com os racistas, os programas de dessegregação é que são “racistas” e “violam os direitos constitucionais”. Em sua longa defesa dos programas de dessegregação, o juiz Stephen Breyer denunciou a traição à histórica sentença da Suprema Corte, de 1954, o caso “Brown v Secretaria de Educação (do Kansas), que tornou ilegal a segregação racial nas escolas dos EUA. Esse e o governo republicano dos EUA, e ainda tem gente no Brasil que acha os EUA, o máximo !

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: