Força-tarefa da Abril pressiona deputados para abortar CPI

A Editora Abril está em plena atividade para abortar a CPI da Abril-Telefônica. Nesta quarta-feira (5) – dia de maior movimentação de parlamentares na Câmara Federal -, um grupo percorria as dependências da Casa, pedindo aos 182 deputados que assinaram o pedido da CPI que assinem outro documento, com um contra-pedido. O jornalista Gustavo José Batista do Amaral, assessor de imprensa do Grupo Abril, que participava da ação, admitiu a coleta, mas disse que não sabia dizer quantas assinaturas tinham conseguido poque havia várias pessoas abordando os parlamentares. Amaral também reconheceu que o Grupo Abril não podia realizar a operação.

É possível que nem todos os coletadores sejam funcionários da Abril. O Vermelho identificou um deles, de nome Murilo, como trabalhando em uma “empresa de relações institucionais”, que é como se designa às vezes em Brasília os lobbistas. Mas a presença de Gustavo do Amaral estabelece uma estranha tentativa de interferência nos procedimentos normais de criação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito, por parte da empresa que é um dos alvos principais da investigação.

Listas traziam fotos dos deputados

A força-tarefa trabalhava munida de exemplares da Agenda do Diap (publicação do Departamento Intersindical de Assessoria Parlamanetar, muito consultada pela riqueza de informações sobre os membros do Congresso). Trazia também papéis impressos com os nomes e fotografias de deputados, vários por página, aparentemente para facilitar a identificação.

No entanto, o grupo abordou inclusive deputados que não assinaram o requerimento de criação da CPI e que, portanto, não podem sustá-la. Foi o que aconteceu com o deputado Osório Adriano (DEM-DF). Ele disse, após ser abordado, que que não havia assinado o requerimento, mas se tivesse não voltaria atrás. “Eu não retiro assinatura”, explicou.

O mesmo ocorreu com a deputada Elcione Barbalho (PMDB-PA). A assessora de imprensa da parlamentar, Candice, confirmou que Elcione foi procurada “pelo Gustavo do Grupo Abril”, para que assinasse o requerimento que susta a tramitação da CPI. Elcione alegou que não poderia assinar porque havia retirado, em tempo hábil, a assinatura do pedido de criação.

Além de não-signatária, Elcione Barbalho é ex-mulher e correligionária de Jader Barbalho, também do PMDB do Pará, acusado pela Veja, principal revista do Grupo Abril, de ser o autor do “serviço sujo” da “vendeta”, que é como a revista descreve a CPI Abril-Telefônica (clique aqui para ver). É possível, portanto, que o grupo da lista anti-CPI tenha se equivocado.

Missão do grupo: 92 vira-casacas

Durante a manhã a abordagem aos deputados se concentrou nas comissões técnicas. Foi grande o entra-e-sai da força-tarefa nas salas das comissões, que habitualmente têm reuniões nesse horário. Periodicamente, o grupo fazia rápidas reuniões de trabalho; o Vermelho estima que eram não menos de cinco.

Segundo o secretário-geral da Mesa, Mozart Viana, somente uma nova lista, com a assinatura da maioria – metade mais um – dos signatários do requerimento de criação, será capaz de sustar a tramitação do requerimento e fazer abortar a CPI.

Anteriormente, fonte da Presidência da Câmara tinha apontado o deputado Fernando Gabeira (PV-RJ) como responsável pela elaboração da lista anti-CPI. Mas o parlamentar desmentiu, ao Vermelho, que estivesse se movimentando nesse sentido. “Esse pedido tem que ser feito por quem assinou também”, diz um assessor do PMDB. O deputado Gabeira não assinou o requerimento de criação da CPI.

Mas o assessor da Abril e seus colegas de força-tarefa parecem pensar diferente. O assédio em busca de assinaturas parte de quem não assinou o pedido de CPI e nem é deputado, mas parte incriminada pela denúncia que a comissão se propôs a apurar.

Missão difícil

O requerimento de pedido de criação da CPI, entregue pelo deputado Wladimir Costa (PMDB-PA) no último dia 23 de agosto, recebeu 182 assinaturas, 11 a mais do que o mínimo exigido de 171. Para sustar a CPI é preciso uma nova lista com 92 assinaturas.

O recurso ao grupo de caçadores de assinaturas revela uma Editora Abril bem menos segura de si do que aquela estampada nas páginas da Veja. Já no dia seguinte ao requerimento da CPI, o Vermelho apurou que vários deputados receberam telefonemas de diretores da empresa, com pressões para que retirassem suas assinaturas. Aparentemente os telefonemas não tiveram o resultado desejado.

Não que o império editorial da família Civita não seja poderoso, capaz de fazer e desfazer imagens. “Está todo mundo com medo”, confessa uma das deputadas signatárias, referindo-se à reação de seus colegas de pedido de CPI face à truculenta reação do grupo, que não admite sequer a investigação da denúncia.

Mas ao que parece há uma certa distância entre ter medo da Abril e desassinar o que se assinou duas semanas atrás. Nos próximos dias o Brasil saberá se a força-tarefa encontrou, entre os 182 apoiadores, 92 deputados que se prestem a esse papel. A expectativa na Casa é de que é difícil.

A CPI objetiva investigar as circunstâncias e as conseqüências decorrentes do processo de compra da TVA – empresas controladas pelo Grupo Abril – pela Telesp, controlada pela empresa espanhola Telefônica, “no que diz respeito aos princípios da defesa da livre concorrência, dos direitos do consumidor e da soberania nacional”, alega o requerimento. Há suspeita de que uma cláusula do acordo de venda, estabelecendo certa “reunião prévia” às assembléias de acionistas, na prática repassa para capitais estrangeiros o controle da operadora de televisão, o que viola o artigo 7º da Lei do Cabo de 1995.

De Brasília,
Alberto Marques
e Márcia Xavier;
colaborou
Bernardo Joffily
Site Vermelho.org

Rizzolo: Essa é a democracia representativa de ” araque ” que se curva ao poderio midiático, por isso precisamos regulamentar o artigo 14 da Constituição para que de posse de outros instrumentos de controle e de expressão do Poder Popular possamos se ver livre desses ” vira casacas ” eleitos pelo povo, mas que não estão interessados em defender o povo brasileiro, vez que provavelmente tem o ” rabo preso ” e verdadeiro medo da Familia Civita. Segundo o Jornal Hora do Povo, o líder do PT na Câmara, deputado Luiz Sérgio (RJ), defendeu na quarta-feira a instalação da CPI para investigar a negociata da venda da TVA para a multinacional Telefônica. “O sentimento que existe é que a mídia cobra transparência, o voto aberto e quer tudo bem esclarecido. Se alguém quer as coisas transparentes, não pode querer só para os outros”, argumentou o parlamentar.

Luiz Sérgio rebateu as acusações da Editora Abril, veiculadas por “Veja”, de que a abertura da CPI pela Câmara Federal significa um cerceamento à liberdade de imprensa. “Não podemos confundir interesses econômicos com liberdade de imprensa”, salientou o líder petista. O pedido da abertura da CPI foi assinado por 182 deputados federais, 10 a mais do que o número necessário para sua instalação.

Com a iminente investigação dos crimes da Abril/ Telefônica, a “Veja” resolveu disparar injúrias contra os deputados que assinaram o pedido de CPI. Eles teriam “surrado a ética”, reclamou. O deputado Wladimir Costa (PMDB-PA), autor do requerimento, respondeu que “quem não deve não teme”. “O Brasil precisa saber os detalhes dessa tenebrosa transação”, enfatizou Costa. Segundo dados divulgados pelo senador Renan Calheiros, se efetivada a operação da TVA, o Grupo Abril embolsaria ilegalmente quase R$ 1 bilhão.

A lei que foi burlada é a chamada “Lei do Cabo”, que proíbe o controle de empresas de comunicação por estrangeiros. Na tentativa de defender o negócio criminoso, “Veja” envolveu outros veículos de mídia dizendo que a operação já foi realizada anteriormente. Citou como exemplo a compra de parte do provedor de internet UOL, do grupo Folha, pela Portugal Telecom e a associação da Globopar, controladora da Net, com a mexicana Telmex, dona da Embratel e Claro. No entanto, ao contrário do que alega a revista, neste dois exemplos as empresas não desrespeitaram a lei.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: