Protestos elevam-se no Chile

Dezenas de milhares de chilenos rejeitaram, quarta-feira da semana passada, na capital, Santiago, a política neoliberal seguida pela presidente Michelle Bachelet, eleita para a chefia do Estado fruto de uma ampla maioria formada pelo centro-esquerda, mas cujas linhas de orientação têm vindo a defraudar as expectativas populares então depositadas.

A manifestação convocada pela Central Única dos Trabalhadores (CUT) contra o modelo económico e social do governo – que os sindicatos acusam de promover a precariedade laboral nas relações de trabalho e o ataque permanente à contratação coletiva; os baixos salários; o aumento das desigualdades; e de adensar os problemas no que às garantias de previdência diz respeito – acabou em confrontos quando a polícia carregou sobre a multidão usando granadas de gás lacrimogéneo e canhões de água.

Cerca de uma centena de manifestantes acabaram por ser detidos pelas autoridades e dezenas ficaram feridos em resultado da vaga repressiva, entre os quais três deputados que se afastaram da coligação parlamentar que sustenta Bachelet.

A presidente recusou entretanto as críticas dos trabalhadores estranhando que a sua dedicação à justiça social fosse colocada em causa. Diálogo em vez de pressão e acordos em vez de violência foram as propostas de Bachelet em face da crise económica e social que cresce no país.

Desde meados de 2006 que Michelle Bachelet tem vindo a perder o estado de graça junto do povo chileno. A popularidade da presidente caiu abruptamente neste período e inquéritos recentes afirmam que a maioria dos eleitores já não deposita confiança nas promessas feitas pela então candidata ao executivo de Santiago.

A manifestação da CUT foi a maior desde a queda da ditadura no Chile, há 17 anos. Os mineiros da Codelco, a maior empresa extractora de cobre do país, e os operários do sector da celulose e da pasta de papel levaram a cabo longas lutas nos últimos dois anos. Os estudantes do secundário e do superior invadiram as ruas às centenas de milhar contra o modelo educativo e a esmagadora maioria dos habitantes da capital critica severamente o novo sistema de transportes públicos.

Avante

Rizzolo:Bachelet foi um engodo, o caráter burguês e reacionário do governo “socialista” de Bachelet já levou os estudantes em junho de 2006 a fazer manifestações contra seu governo neoliberal; o cobre, principal exportação do país, hoje tem uma alta cotação internacional. As empresas privadas que o exploram (atividade privatizada por Pinochet) ganham fortunas. O governo Bachelet, no mínimo, deveria aplicar maiores impostos sobre o cobre para destinar mais verbas à educação pública. Finalmente, segundo o Banco Central do país, os pagamentos pelos serviços da dívida externa chilena somaram, em 2005, US$ 7,6 bilhões (duas vezes mais que o orçamento da educação). Desta feita com a manifestação da CUT a fileira dos descontentes com a falsa socialista engrossa, ganhar o poder com a esquerda e querer toca-la com a direita é no mínimo imoral e os trabalhadores chilenos devem sim rechaça-la.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: