FHC não sabia de nada, afirmam líderes do PSDB

0927azeredo1.jpg

As declarações do senador Eduardo Azeredo (PSDB/MG), envolvendo o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso no esquema de caixa-dois de sua campanha para o governo de Minas Gerais em 1998, causaram um terremoto dentro do partido, desencadeando uma operação para isolar e silenciar Azeredo o mais rápido possível. Lideranças tucanas fizeram fila, quarta-feira, para rebater as declarações do senador mineiro.

Por Marco Aurélio Weissheimer, na Carta Maior*

“O senador não poderia ter dito isso. Está me obrigando a responder algo surrealista. Envolver o presidente (FHC) nesse episódio é o mesmo que envolver o presidente Bush”, disse Arthur Virgílio (AM), líder do PSDB no Senado. Virgílio não explicou porque seu colega de partido “não poderia” ter dito o que disse. O presidente nacional do PSDB, Tasso Jereissati (CE), recorreu à psicologia para explicar as declarações de Azeredo.

Segundo ele, as declarações de Azeredo ao jornal Folha de São Paulo são uma demonstração de indignação e transtorno mental. Azeredo, garantiu Jereissati, é um homem honesto, correto, que ficou transtornado e saiu falando o que veio à cabeça. Já o senador tucano de Goiás, Marconi Perillo, foi mais direto: “FHC e o PSDB nacional não têm nada a ver com isso”, assegurou.

FHC mantém silêncio

O site nacional do PSDB silencia sobre o assunto. Os recados a Azeredo estão sendo dados pela imprensa e diretamente através de alguns interlocutores. O governador de São Paulo, José Serra, negou que esteja em curso no PSDB uma operação para silenciar e isolar Azeredo. Segundo Serra, o senador mineiro é um homem íntegro e honesto e jamais existiu algo como um “mensalão mineiro”. Azeredo não está abandonado pelo partido. É só uma sensação, não a realidade, filosofou Serra.
Já o governador mineiro, Aécio Neves (PSDB), tirou o corpo fora e jogou a batata quente no colo de seu companheiro de partido, dizendo que Azeredo deve prestar contas à sociedade pelas acusações de caixa-dois na campanha de 1998.

Até a manhã de quinta-feira, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso ainda não havia se manifestado sobre o caso. Segundo lideranças do PSDB, FHC está no exterior. Incomunicável, aparentemente. Os tucanos não quiseram comentar a validade do argumento utilizado por eles e pelo próprio FHC, segundo o qual o presidente Lula não poderia dizer que “não sabia”, no caso do envolvimento de petistas com o mensalão.

“Fica uma coisa nebulosa”…

No dia 29 de agosto, o ex-presidente FHC afirmou que o presidente Lula não poderia “fazer de conta que não é com ele”, referindo-se à decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) em aceitar a denúncia contra os denunciados no caso do mensalão. “É com ele sim. Não estou dizendo que ele seja responsável, mas enquanto ele não repudiar, dá a sensação que está conivente, ou leniente, para usar uma expressão mais branda”, disse FHC, durante um evento promovido pela Confederação das Associações Comerciais e Empresariais do Brasil (CACB), em São Paulo.

O presidente Lula, acrescentou FHC, “tem a obrigação de dar uma palavra à nação sobre o assunto”. “Caso contrário fica uma coisa nebulosa e dá a sensação que ele está passando a mão na cabeça dos envolvidos”, emendou.

Site do PC do B

Rizzolo: As explicações para o “Mensalão Mineiro” que pra mim é ” Mensalão do PSDB “, lançando mão da psicologia, ou até da psicanálise para justificar as declarações de Azeredo, por parte de Tasso Jereissati (CE), como sendo uma demonstração de “indignação e transtorno mental” me lembra o caso do Rabino Henry Sobel. Agora o silêncio é total, inclusive da mídia. Aécio Neves foi mais esperto, jogou e decarrgou tudo no Azeredo, pelo menos é um postura mais aceitável; o mais interessante é que ao mesmo tempo que um joga tudo em cima do Azeredo ( Aécio), o outro, senador tucano de Goiás, Marconi Perillo, afirma que: “FHC e o PSDB nacional não têm nada a ver com isso”. Contradições Tucanas em face à ” transtornos mentais “. O corregedor do Senado, Romeu Tuma (DEM-SP), vai marcar um encontro com o procurador-geral da República, Antonio Fernando Souza, para conversar sobre as denúncias contra o senador e ex-presidente do PSDB Eduardo Azeredo (MG) de participar do ” Mensalão do PSDB “, “Tenho que ver como deve agir a Corregedoria nesse caso”, alegou o senador do DEM nesta quarta-feira (26). O procurador-geral está analisando as informações sobre o caso para decidir se oferece ou não denúncia contra Azeredo. Vamos acompanhar, hein !

2 Respostas to “FHC não sabia de nada, afirmam líderes do PSDB”

  1. César Augusto de Oliveira Says:

    FHC e o PSDB tem à ver sim.
    Tráfico de influência na absorção de crédito tributário em MG , 1997.

    MG é um Feudo governado por bandidos faz tempo.

  2. César Augusto de Oliveira Says:

    A bancada do PSDB em MG fez tráfico de influência na absorção de crédito tributário por empresas que compraram ex-estatais.

    Essas “empresas” pagaram X e receberam 4X , 5X crédito tributário , mas em troca a comprada e a compradora começaram à aderir ao Caixinha do PSDB , em 1997.

    Mas não comemorem , pois o PT é igual.

    “A origem do Valerioduto é o AÇO. AÇO tem em MG.”


Deixe uma resposta para César Augusto de Oliveira Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: