Tucanos querem pôr na conta de Lula a ladroeira de Azeredo

images10.jpg

Pego no flagra, Azeredo tira sono da mídia e da cúpula do PSDB

“Mensalão” foi cortina de fumaça para encobrir o tucanoduto abarrotado com dinheiro público

Em defesa do até há pouco tempo presidente do PSDB, Eduardo Azeredo, o líder tucano no Senado, Arthur Virgílio, comparou a sua situação à do presidente Lula: “Os dois incorreram em caixa 2 de campanha. Lula diz que não sabia e Azeredo não sabia mesmo, mas o fato é que ambos se beneficiaram do caixa 2”. Outros próceres do PSDB argumentaram que “na hipótese de as acusações do mensalão de Minas e do mensalão do PT serem verdadeiras, não dá para indiciar o Azeredo sem indiciar o Lula”.

É muito bom que eles sejam forçados a admitir, ainda que por um oportunismo nauseante, que a hipótese do “mensalão do PT”, exaustivamente testada pela mídia golpista, e com a qual tucanos e ex-pefelistas comprometeram o último vestígio de sua raquítica credibilidade, possa não ser verdadeira.

De fato, não é. O caixa 2 – “recursos não contabilizados” – organizado pelo ex-tesoureiro do PT, que assumiu responsabilidade integral pelo fato, não se destinava a pagar deputados para que votassem com o governo.

A mídia procurou fazer crer que fosse, por duas razões singelas: para legitimar o uso da sugestiva expressão “mensalão” em sua cruzada anti-Lula, e por considerar que vincular o caixa 2 à campanha eleitoral do presidente não colaria, não daria Ibope e não configuraria um delito capaz de justificar o seu afastamento.

Não houve um caso sequer em que o uso desses recursos para o aliciamento de deputados – ou seja, o mensalão – ficasse demonstrado. Trata-se portanto de matéria vencida, ao menos para os cérebros capazes de conectar mais de dois neurônios.

Aquele caixa 2, criado depois da campanha de Lula, seguiu a norma tolerada e praticada por todos os aspirantes a cargos eleitorais no Brasil, guardadas as devidas e indevidas exceções: “despesas não declaradas” pagas com “recursos não contabilizados” obtidos através de doações privadas.

A eleição de Azeredo em 1998 é um caso típico de exceção indevida. Conforme demonstra o relatório da Polícia Federal, o seu caixa 2 estava abarrotado de dinheiro público, criminosamente desviado para esse fim. O relatório mostra também, de forma inequívoca e com minúcia de detalhes, a responsabilidade direta do então governador de Minas – ele próprio – no assalto perpetrado contra o erário.

Azeredo foi pego com a boca na botija, a partir de uma acusação, comprovada e ampliada pela investigação da Polícia Federal, que partiu do próprio operador do esquema, o sr. Cláudio Mourão. Queixoso por ter recebido um calote de Azeredo, Mourão abriu o jogo e apresentou parte dos documentos.

Não há como escapar dessas evidências. O que resta ver é se o senador mineiro vai para a forca sozinho ou se subirá os degraus do patíbulo acompanhado de elementos da alta cúpula tucana, que ele sem maiores sutilezas já ameaçou entregar, caso se sinta abandonado.

Os punhais estão desembainhados nos arraiais tucanos.

Para evitar o derramamento de sangue, a base governista até poderia examinar a proposta de trocar a impunidade de Azeredo por um refresco para o presidente Lula. Os tucanos parariam de acusar o presidente daquilo que ele não fez e a base relevaria os malfeitos de Azeredo. Afinal, um salafrário a mais ou a menos não é o que faz a diferença na situação do Brasil.

O problema é que os tucanos não estão dispostos a cumprir a sua parte nesse acordo humanitário.

E Azeredo, se não sabe, desconfia.

S.R
Hora do Povo

Rizzolo: Ah! Mas o camarada Azeredo foi pego com boca na botija através de um ótimo trabalho da Polícia Federal, era dinheiro grosso do erário público, criminosamente desviado para o caixa 2, ele mesmo foi o responsável direto. A situação do PSDB é crítica e a ” ética tucana” se desespera, não há dúvida que o fato do caixa dois de Azeredo, irrigado com recursos públicos, de empreiteiras e de bancos, que beneficiou 159 políticos ligados à sua candidatura levará muita gente a reboque; na lista de Claudio Mourão o caixa da campanha, Aparece quem? Nada mais nada menos o então deputado federal e atual governador do Estado Aéco Neves, receptando R$ 110 mil, ora, Esses são os “guardiões da ética tucana?”

Agora, cuidado com Azeredo, ele sabe muito, e todos irão como já a reboque. Esses são os que não gostam da democracia plena, gostam da “relativa”, da mídia golpista e também do dinheiro do caixa dois. A direita está muito bem representada não ?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: