Cristina, favorita na eleição argentina, almoçou com Lula

1003crist1.jpg

A senadora e candidata favorita na eleição presidencial deste mês na Argentina, Cristina Fernández de Kirchner, desembarcou em Brasília nesta quarta-feira (3), com uma hora de atraso, para um almoço no Palácio da Alvorada presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Em discurso na véspera, em Chivilcoy, na província de Buenos Aires,Cristina destacou que “o Brasil é o principal sócio da Argentina”.

A visita a Brasília, de menos de um dia de duração, é a última ao exterior de Cristina Kirchner, após viagens à Espanha, México, Áustria, Alemanha e EUA. Ela repete o gesto de seu marido, o presidente em fim de mandato Néstor Kirchner, durante a campanha presidencial argentina de quatro anos atrás.
Quatro anos de sensível mudança
As circunstâncias porém são bem distintas. Em 2003, a visita ao então recém-empossado presidente Lula representou um importante apoio para Kirchner, na época o pouco conhecido governador de uma remota província do sul, que enfrentava o então favorito Carlos Menem, que já exercera a presidência por dois mandatos. E a Argentina ainda estava no fundo do poço da crise de 2001.

Quatro anos mais tarde, Kirchner goza de índices de popularidade pouco usuais para presidentes argentinos em fim de mandato. A Argentina em 2006 teve 8,5% de crescimento do PIB (Produto Interno Bruto), no terceiro ano de uma recuperação em ritmo chinês.

A eleição presidencial também é outra. Cristina aparececom 47,2% das intenções de voto segundo a consultora Haime e 39,8% conforme a Poliarquía, tendendo a vencer já no primeiro turno, dia 28. A oposição está atomizada. E seu principal opositor, também uma mulher, é Elisa Carrió, da Coalizão Cívica, enquanto o ex-ministro da Economia, o candidato conservador que herda os votos de Menem, amarga um precário terceiro lugar.

Reunião com 40% do PIB brasileiro

Cristina chegou a Brasília com mais de uma hora de atraso, acompanhada do chanceler argentino, Jorge Taiana, do ministro da Economia, Miguel Peirano, e do porta-voz da Casa Rosada, Miguel Núñez. Candidata da situação, que aspira suceder seu marido, Néstor Kirchner, ela fez uso do avião presidencial.

Depois do encontro com Lula, a candidata deve dirigir-se à sede do Itamaraty, onde se reunirá com um grupo de empresários que mantêm negócios na Argentina. Entre as empresas que estarão representadas estão a Petrobras, o grupo Camargo Corrêa, o banco Itaú e a cervejaria AmBev. Da reunião empresarial com a comitiva argentina devem participar os ministros brasileiros das Relações Exteriores, Celso Amorim, e do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Miguel Jorge.

O Clarín, jornal de maior circulação de Buenos Aires, destacou na edição de hoje que os 10 maiores empresários brasileiros, que somam 40% do PIB do país, escutarão a dissertação de Cristina. “Semelhante movimentação indica que a acolhida não será uma mera formalidade, e por razões óbvias, no Brasil tratam de dizer que a chegada da candidata é só protocolar, mas o governo brasileiro parte de uma convicção: a menos que ocorra algo fora de série, Cristina deverá ser a partir de 10 de dezembro a presidente da Argentina”, diz o Clarín.

O La Nación ressalta que Cristina buscará “algum gesto de apoio para sua campanha”. “Embora vai estar apenas umas horas em Brasília, a visita aponta também a mostrar a intenção da candidata de aprofundar a relação com o sócio maior do Mercosul e transformá-la no eixo central da política exterior de seu eventual governo”, opina o mais tradicional periódico argentino.

Da redação, com agências
Site do PC do B

Rizzolo:A política externa da Argentina é bem ampla, ao mesmo tempo em que na Venezuela joga pesado apoiando subliminarmente a Alba, jogam como parceiros do Mercosul, a influência dos empresários Argentinos na Venezuela e as afinidades políticas, muito embora, não deixam transparecer é grande. Já disse que o atraso da Venezuela no Mercosul fortalece um conceito de solidariedade da Alba em integração da América do Sul que tem que ser avaliado. O Mercosul agrada muito mais os EUA do que a Alba, talvez no futuro possamos pensar em “Albasur”, vai dar mais Ibope! Vale uma reflexão ( risos..)

Obs. Cheguei hoje e estou me interando …

Publicado em Política. Tags: . Leave a Comment »

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: