Cabral: “infelizmente não dá para fazer um seminário de discussão com os bandidos”

“Se eu pudesse chegar para esses marginais e pedir: olha aqui, me devolve o fuzil, a ponto 30, que derruba helicóptero, a granada, ou fazer um seminário para discutir como eles podem devolver, eu ficaria feliz da vida. Mas infelizmente não é assim”, disse o governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, ao responder as críticas da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e outras entidades à operação realizada pela polícia na Favela da Coréia, em Senador Camará, na Zona Oeste da capital. O governador acusou os traficantes de “tocar o terrorismo” dentro e fora da comunidade.

A operação resultou na morte de 12 bandidos. Quatro granadas, uma metralhadora, várias munições, cocaína e maconha foram apreendidos. Uma criança de 4 anos foi atingida por uma bala perdida.

“São criminosos selvagens e nós fomos com mais de 300 homens, como iremos em outras comunidades, porque quem sofre mais com isso são as pessoas que lá moram”, declarou Cabral. Ele disse que os moradores apoiaram a ação e que as declarações contrárias são compradas. “Na contabilidade apreendida na operação há registros de remunerações para as mulheres que vão denunciar a polícia”.

Para o governador, a “democracia depende da ordem pública”. “Essa falsa dictomia entre direitos humanos e ordem pública, que prevaleceu no Rio durante muitos anos, é que levou o estado a isso. Como se direitos humanos e ordem pública não pudessem conviver. Quem mais sofre com aqueles selvagens da Favela da Coréia, da Favela do Alemão, são os moradores do Alemão, são os moradores da Rocinha, Coréia. A cidade inteira sofre, mas os que moram lá sofrem muito mais. A barbaridade é diária”, declarou o governador. O secretário de Segurança Pública do Rio, José Mariano Beltrame, vai realizar esta semana uma audiência pública com moradores e representantes para discutir a ação. O secretário disse que a OAB “está no papel de discutir o assunto”. O Ministério Público do Rio solicitou as imagens feitas por cinegrafista que mostram a perseguição de helicóptero e que resultou na morte de dois homens.

O ministro da Defesa, Nelson Jobim, apoiou a operação da polícia do Rio.
Hora do Povo

Rizzolo: Para os simplistas, a morte de uma criança de quatro anos atingida por uma bala perdida, e a apreensão de quatro granadas e uma metralhadora, justifica o “grande êxito” da operação realizada pela polícia na Favela da Coréia, em Senador Câmara, na Zona Oeste da capital do Rio. Quando digo simplismo, é a forma da atuação apenas na causa e não do efeito; em nenhum momento, o governador inspirado nas técnicas da “Blitzkrieg” utilizada na Alemanha nazista menciona ou questiona o porque da miséria, do tráfico, da falta de oportunidade, da tristeza, do desalento. Não, ele apenas justifica a causa, bem nos termos do filme da moda “Tropa de Elite” um filme bobo, financiado pela elite golpista que quer sim que os pobres sejam torturados, massacrados; e o pior, o Ministro da Defesa ainda apóia, tudo isso. Bela democracia, a brasileira, onde a discussão passa pela porta dos fundos, pela porta da violência, onde a vítima, ora a vítima é sempre o pobre, aquele que desce o morro e que paga pelo perigo das invasões. O que falta no Brasil são invasões de cidadania, e não de policiais altamente armados. Vamos criar vergonha, não é ? Afinal Lula é um “progressista ” não é ?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: