A volta de um Estado forte ?

autor_imagem.jpg

Entre a constatação da notável capacidade da Estatal Petrobras em avançar na descoberta de novas reservas no país, somos surpreendidos a cada dia mais como a importância da presença do Estado está se cristalizando nas sociedades em geral. Não há paradigma melhor do que opinião daqueles que vivenciaram a experiência socialista, e que hoje vislumbram a falta de ” segurança social”, que impera nos países que outrora erma marcos socialistas. Em pesquisa, com intuito de marcar a data da queda do Muro de Berlim, o Der Spiegel, divulgou neste sábado (10), uma análise política investigativa com mil alemães que cresceram nos dois lados do país dividido até 9 de novembro de 1989. A conclusão, para desespero do semanário alemão, é que, mesmo depois de 18 anos da queda do muro, 92% dos germânicos orientais, de 35 a 50 anos, ainda preferem o regime comunista ao capitalista. Já 60% dos jovens, de 14 a 24 anos que moram no Leste, lamentam que nada tenha restado do comunismo na sua pátria. Outra referência nesse sentido, é a manifestação com 50 mil pessoas pessoas em Moscou (Rússia), no último dia 7 de novembro, por ocasião das comemorações dos 90 anos da Revolução Russa, o que denota o quanto por a ainda existe o sentimento da presença do estado como protetor e gerador de desenvolvimento.

Na América Latina explodem as correntes de pensamento social onde rechaçam o conceito do estado mínimo, apregoado pelos amantes de Adam Smith que hoje estão falando sozinhos. Levantamento ” Estado /Ipsos” indica que 62% do eleitorado brasileiro é contra as privatizações; a percepção dos brasileiros é que as políticas conservadoras privatistas, pioraram os serviços prestados à população. Fica patente que, muito embora, o desmantelamento do Estado se processou num ritmo acelerado, face às influências imperialistas e à apregoações das mídias comprometidas, a população mundial ainda aprova um Estado forte e presente. Hoje, podemos conviver com um desenvolvimentismo atrelado a um socialismo sem o menor problema, países europeus com um Estado forte como a França e a Inglaterra jamais abrem mão das políticas públicas como na Saúde e educação, e outras áreas nobres do desenvolvimento social.

No Brasil, por influência daqueles que visam apenas o lucro, o Estado foi induzido a um sucateamento, visando seu ” raquitismo”, para que grupos tomassem de assalto, certos segmentos importantíssimos como a Saúde, que se tornou no Brasil ” bem de comércio”, ficando a população brasileira reféns dos famosos Planos de Saúde. Na educação, nem se fale, a Escola Pública tornou-se local onde transitam marginais que corrompem aqueles bem-intencionados estudantes pobres, a falta de professores salta aos olhos, e a conservação dos prédios é em geral precária, o que forçosamente leva à população, que tem recursos, ao ensino privado, onde por uma quantia absurda pode -se ter um ensino medíocre na maioria dos casos, deixando os estudantes pobres abandonados, vítimas ainda de uma política, da chamada ” ignorância continuada “.

A inclusão dos 45 milhões de brasileiros nos programas sociais leva aos jovens que estão vivenciando essa experiência a ter sim uma idéia de que o antigo modelo se bem aplicado, e longe das mãos daqueles que querem destrui-lo visando interesses próprios, funciona sim e muito bem, haja vista, o orgulho que temos de ostentarmos empresas como a Petrobras, que geram desenvolvimento e que por felicidade não caíram nas mãos dos privateiros, mas que eles tentaram, tentaram.

Fernando Rizzolo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: