A bandeira da carga tributária, um tigre de papel

Na ânsia de ter em mãos, uma bandeira para dar sentido à visão neoliberal e impressionar o povo brasileiro, a oposição “descobriu”, um tema já surrado: carga tributária. Entusiastas do DEM e do PSDB, enxergam que, com esta bandeira, terão enfim argumentos convincentes a desqualificar tudo que é gasto público, e enfim, apregoar a velha e desgastada iconografia; até porque, para a oposição, gastar em inclusão é gastar mal. Como não podem fazer uso desse discurso, o fazem de forma velada, atacando a carga tributária que é alta, sim, proporcionalmente para o pequeno e médio empresário, mas não para as grandes transnacionais que justamente são as financiadoras das campanhas anti arrecadatórias.

O que vemos hoje na oposição, é uma letargia intelectual e a falta de propostas capazes de sensibilizar a sociedade. A carga tributária, é a meu ver, o argumento mais fácil de ser derrubado, vez que a carga tributária no Brasil é de aproximadamente 37% do PIB, pouco para um país pobre. Na Inglaterra, por exemplo, um país onde não há necessidade de tanta intervenção estatal, está por volta de 38% do PIB. Ademais gastos de um governo devem ser analisados pelos benefícios que podem gerar. Como afirma o economista José Sicsu, gastos de custeio, capital pessoal e previdenciários geram benefícios para a sociedade, geram empregos e bem-estar social. Há gastos que não geram empregos nem bem-estar.

Um exemplo é o gasto do governo com o pagamento de juros referentes à divida pública. Quem recebe essa transferência, em geral não transforma essa renda em de consumo ou investimento. Normalmente compram mais títulos da divida. Por outro lado, quem recebe Bolsa Família transforma a sua renda adicional em gasto de consumo, o que reduz a insatisfação e gera empregos.

Deveria haver uma regra que limitaria o quanto o governo poderia gastar na rubrica despesas de juros: o governo gastou cerca de R$ 660 bilhões. Essa despesa não gera empregos nem bem-estar. A carga tributária no Brasil cresceu na última década porque as despesas públicas com juros cresceram demasiadamente apesar das privatizações dos anos 90 terem sido justificadas, face ao ” pseudo fato ” de que iriam reduzir a divida pública. O ponto é que temos a carga tributária elevada, porque praticamos juros elevados, e isso tem a ver com o Banco Central e sua autonomia, nada salutar ao país.

Mesmo assim, os arautos do neoliberalismo vasculham argumentos vazios, e que com certeza não terão o apoio popular. A reforma tributária deve visar a unificação dos impostos, mas não a diminuição da arrecadação, não há como fazer transferência de renda, sem que aqueles que lucram de uma forma ou de outra paguem impostos. Bisonhamente a oposição tenta induzir o povo a relacionar reforma tributária com diminuição da carga tributária, repete qual mantra os mesmos sofismas com o intuito de criar uma bandeira, ou melhor um tigre de papel que não irá sensibilizar ninguém num país pobre como o Brasil.

Fernando Rizzolo

2 Respostas to “A bandeira da carga tributária, um tigre de papel”

  1. Hebert J. O. Lemos Says:

    OK AMIGO FERNANDO COM TODO O CONSIGNADO, MAS NÃO PACTUO QUE O PROBLEMA ESTEJA NA “CARGA TRIBUTÁRIA”. NENHUM ESTADO SOBREVIVE SEM TRIBUTOS, COMO A SOCIEDADE SUCUMBE SEM EMPREGO E SALÁRIO. A CARGA TRIBUTÁRIA É E DEVE SER TÃO ELEVADA QUANTO SEJAM AS NECESSIDADES DO ESTADO (sociedade) E NÃO ESTADO PESSOA JURÍDICA (ente social ficto) QUE JAMAIS DEVE GERAR RIQUEZAS PARA SÍ, MAS SIM PARA SEUS PROPRIETÁRIOS (sócios). DAÍ TRANSMUDE-SE A QUESTÃO PARA OS “GASTOS PÚBLICOS”, PAQRA A APLICAÇÃO DO TRIBUTO EXATAMENTE NAQUILO PARA O QUE FOI CRIADO. A QUESTÃO CARO AMIGO NÃO ESTÁ NA TRIBUTAÇÃO OU ARRECADAÇÃO, MAS SIM NA APLICAÇÃO. QUALQUER UM PODE RECEBER UM SALÁRIO DE UM MILHÃO DE REAIS MES, SE GASTAR DOIS, SERÁ POBRE E NECESSITADO; SE GASTAR ONDE NÃO LHE PRODUZA RETORNO, SERÁ POBRE E NECESSITADO. SE ENCONTRAR ALGUÉM QUE “ATENDA SUAS NECESSIDADES” (bolsa família)SEM LHE OFERECER EMPREGO E RENDA, SE ACOMODARÁ E CONTINUARÁ TENDO AS MESMAS NECESSIDADES. ESTES SÃO OS PONTOS SOBRE OS QUAIS, PENSO, DEVA SER ANALIZADO E SOLUCIONADO. A CARGA TRIBUTÁRIA ELEVADA NO BRASIL SINONIMIZA COM GASTOS PÚBLICOS DESQUALIFICADOS COMO NEGOCIATAS PLÍTICAS, ROUBO, CORRUPÇÃO E OS DEMAIS QUALIFICATIVOS QUE POSSAM CABER NESTE CENÁRIO.
    UM ABRAÇO. 2008 POODERÁ SER UM ANO PRÓSPERO E PRODUTIVO JÁ QUE OS FERIADOS INCIDIRÃO EM MOMENTOS DA SEMANA QUE NÃO CONTAMINAM ESTA. OBSERVE.

  2. Pedro Paulo Says:

    Prezado Fernando Rizzolo,

    é muito bom ouvir que inteligências do meio psicanalítico estão lúcidos e atentos às manobras sórdidas de uma oposição (que nem de neo-liberais poderiam ser chamados pois ferem de morte a ética de Adam Smith), salvo raras exceções, que estão a serviço do prejuízo do país para servir grupos já manjados na cena nacional. Quem se beneficiou da suspensão da tão falada CPMF foram os grandes dos capitais e sobretudo os maiores sonegadores. Vide as sábias palavras do criador do imposto, nosso colega Adib Jatene. Mas o povo está atento e vem apoiando seu eleito governo. Parabéns! Continue a produzir suas reflexões


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: