Lula vai a Cuba com US$ 500 mi em linhas de crédito na bagagem

Quando o presidente Luiz Inácio Lula da Silva assumiu o poder em 2003, houve grande expectativa em Havana quanto ao aprofundamento das relações comerciais entre os dois países. Pouco ou quase nada se concretizou do que foi acertado na festiva viagem de 2003. Nesta segunda-feira (14) à noite, quase cinco anos depois, o presidente brasileiro volta a Cuba, desta vez com acordos concretos a serem firmados, cujas cifras ultrapassam os US$ 500 milhões.

Já está acertado um pacote, no valor de US$ 623 milhões, para o financiamento de infra-estrutura viária e rodoviária, no qual a empreiteira brasileira Norberto Odebrecht é a principal interessada. Para a indústria químico-farmacêutica estão previstos outros US$ 50 milhões, além de US$ 45,6 milhões de investimentos na área de infra-estrutura hoteleira. Outros US$ 100 milhões são previstos em acordos na área de alimentos. As negociações devem se estender até a chegada de Lula. Os acordos serão anunciados em Havana, nesta terça-feira.

No fim de semana, brasileiros e cubanos ainda discutiam pormenores da participação da Petrobras na exploração de petróleo em águas profundas no Golfo do México, um antigo sonho de Fidel que se transformou em novela, mas também deve chegar ao final com a visita de Lula. Politicamente, apenas uma das medidas a serem anunciadas pode caracterizar o sucesso da viagem: a decretação do fim do teto de financiamento imposto aos agentes de crédito em relação a Cuba, outra herança dos tempos da Guerra Fria.

A medida e os acordos a serem anunciados por Lula colocam efetivamente o Brasil na relação dos países que desafiam o embargo imposto pelos Estados Unidos a Cuba, como fazem Canadá, Holanda, Espanha e, é claro, a Venezuela de Hugo Chávez. Até chegar a esse ponto, o governo do PT e o Partido Comunista Cubano (PCC) percorreram um longo caminho, no qual se construíram relações políticas e afetivas que não tiveram uma correspondência na magnitude esperada pelos cubanos.

Economia cubana

A recuperação econômica de Cuba começou a partir de 1994. Em 2005 e 2006, o Produto Interno do país (PIB) cresceu, respectivamente, 8,6% e 10,15% (estimativa). Mas não se pode dizer que o Brasil teve nessa recuperação o papel “consistente” que era esperado pelos cubanos.

A mudança de guarda na embaixada brasileira em Havana, com a saída de Tilden Santiago e a entrada do experiente embaixador Bernardo Pericás, deu outro dinamismo às relações bilaterais. Os cubanos consideram Pericás mais ativo, alguém realmente do ramo da diplomacia, e avaliam que a burocracia já não emperra tanto quanto antes. O intercâmbio comercial ainda é muito pequeno quando comparado às expectativas que se criaram, mas vem aumentando: segundo dados compilados pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), em 2006 o fluxo comercial foi de US$ 375,4 milhões, um crescimento de 32% em relação ao ano anterior. A balança pende a favor do Brasil: as exportações brasileiras cresceram 40%, atingindo US$ 343,9 milhões, enquanto as importações diminuíram 19%, para US$ 31,6 milhões, no mesmo período.

A pauta comercial entre Brasil e Cuba, ainda de acordo com o perfil econômico traçado pela CNI, é bastante concentrado. “Os principais itens das exportações brasileiras são materiais elétricos e eletrônicos (20,8%) e açúcar (14%). Na pauta de importações brasileiras provenientes de Cuba, produtos químicos representam 81,4%.” A ilha de Fidel hoje governada pelo irmão Raul é o 52º destino das exportações brasileiras, e Cuba se coloca como o 79º fornecedor do Brasil. Nas exportações de Cuba, em 2006, a Holanda foi o principal mercado (28% do total), seguida de Canadá (18%), Venezuela (10,7%), China (8,9%) e Espanha (5,4%). Entre os importadores de produtos cubanos, destacaram-se Venezuela (23,5%), China (16,7%), Espanha (9%), Estados Unidos (5,1%) e Canadá (3,6%).

Equilíbrio

O interesse cubano é equilibrar a balança com o Brasil. O dos empresários brasileiros, a segurança jurídica. O grupo Votorantim, por exemplo, está atento às reservas de níquel cubano, mas ainda analisa a extensão da abertura cubana ao investimento estrangeiro. De acordo com o Palácio do Planalto, o Brasil deve incrementar a exportação de alimentos para Cuba e financiar projetos industriais, químico-farmacêuticos, agroindustriais e de infra-estrutura. A renovação da frota de veículos cubana, que remonta aos anos 80, é uma oportunidade. A montadora Marcopolo demonstra interesse no setor de veículos para transporte público.

Na viagem de Lula será discutida a remodelação da infra-estrutura hoteleira do país – o setor de serviços, notadamente os segmentos de turismo e saúde, responde por 71,2% da composição do PIB cubano (a indústria, com 24,8%, está num distante segundo lugar). Chegou a ser anunciada extra-oficialmente a concessão de uma linha de crédito de U$ 400 milhões do BNDES. A mesma quantia, aliás, prometida na viagem oficial de Lula em 2003 e que não saiu do papel.

Fonte: Valor Econômico

Rizzolo: É de suma importância a relação comercial entre o Brasil e Cuba. Com a vigem de Lula, o Brasil poderá incrementar a exportação de alimentos para Cuba e financiar projetos industriais, químico-farmacêuticos, agroindustriais e de infra-estrutura, alem disso, irá alavancar o desenvolvimento de empresas nacionais, como a empreiteira brasileira Norberto Odebrecht . A diversificação dos mercados internacionais, é relevante e torna nossa economia menos vulnerável a crises irresponsáveis como a dos EUA.

Não é possível, que por um “capricho” dos “EUA Republicano”, Cuba possa sofrer um embargo comercial durante tantos anos; punindo dessa forma o povo cubano por ter uma opção ideológica diferente dos imperialistas. Achou a palavra imperialista fora de moda ? Pense bem na atual política americana republicana, e se encontrar uma palavra melhor me avise.

Na realidade não se trata de desafiar o governo americano, mas apenas ser solidário ao povo da Ilha. Aliás esse embargo é de maldade descabida. Mas os democratas vem aí. Com a ajuda de Hashem ( Deus ).

Publicado em Política. Tags: , . Leave a Comment »

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: