Belluzzo: “O Brasil não pode pagar com recessão a farra dos ricos”

Até agora, o Brasil e seu povo usufruíram as benesses do câmbio valorizado. O dólar barato tem sido compensado por preços generosos formados num mercado mundial de commodities superaquecido e especulado. Não há dúvida de que a taxa de câmbio real valorizada e a inflação baixa daí decorrente melhoram o “bem-estar” da população, tanto dos pobres empregados ou beneficiados por políticas sociais eficientes quanto dos ricos de todo o gênero, para não falar dos remediados, que passam a gozar dos benefícios materiais e, espero culturais, de viagens e cursos baratos no estrangeiro.

Por Luiz Gonzaga Belluzzo*

A valorização foi acompanhada por resultados positivos em conta corrente e por um crescimento mais rápido da demanda doméstica e do emprego, graças à expansão do crédito movida pela ampliação dos prazos. Os otimistas argumentam que, a despeito da valorização do real, o país preservou uma fração importante do aparato industrial e, sobretudo, valeu-se do dinamismo do agronegócio, que respondeu muito rapidamente às transformações ocorridas na divisão internacional do trabalho.

A ascensão econômica da China e dos asiáticos em geral, com dotações de recursos naturais diferentes da nossa, mudou a configuração do comércio internacional. Os termos de troca entre produtos primários e bens manufaturados moveram-se a favor dos países com disponibilidade e diversidade de recursos naturais. Em ambiente de confiança e otimismo, investidores, daqui e de lá, trataram de vender a moeda americana e “comprar” reais. A moeda brasileira e seu juro básico formaram um par atraente para os promotores da sarabanda global.

Vamos aos riscos. A economia global, neste momento, se debate entre as ameaças de “inflação de commodities” e os temores de um “ajustamento japonês” – longo e doloroso – dos preços de ativos, fenômeno típico de um abrangente e exuberante ciclo de crédito em seus estertores.

Muitos apostam no chamado “descolamento” da China. Entendem que o crescimento do Império do Meio e de seus sócios asiáticos sofreria pouco com os redemoinhos da recessão americana. Se assim for, os preços de alimentos e matérias-primas subiriam menos, só o suficiente para manter saudável a balança comercial. Esse é o cenário almejado por otimistas de todos os matizes. Não pode ser descartado. Mas não arrisque todas as fichas nele. Se a inflação de ativos recrudescer, não há como sustentar os preços das commodities.

“Há um mito, sobretudo em torno das economias da Ásia, quanto à possibilidade de se descolarem do resto do mundo”, diz Harry Krensky, do Atlas Capital Management, “hedge fund” especializado em mercados emergentes. “Não acho que essa história vá funcionar.”

Já na esfera financeira, o “ajustamento” dos preços dos ativos, ora em curso nos Estados Unidos, não vai poupar o Brasil. O nível de reservas, o saldo comercial e o superávit em conta corrente (mesmo em queda) podem atenuar os efeitos da crise. Mas não é prudente ignorar o crescimento da participação de ativos líquidos de propriedade estrangeira – Bolsa e renda fixa – no total de ativos financeiros. Nos últimos dias, as trepidações nos mercados globais aconselham os incautos a não subestimar os efeitos domésticos da celebrada “globalização financeira”.

Nada de decisões precipitadas. Se a contração do crédito e a aversão ao risco cumprirem o que estão a augurar os pessimistas, de nada valerá manter a taxa de juros elevada para defender o real. Os diretores do Banco Central do Brasil, suponho, dominam a matéria. O “amortecedor” representado pelas reservas deve ser usado com parcimônia. O Brasil não pode pagar, com a recessão doméstica, a farra dos ricos submergentes.

* Economista e professor titular de Economia da Unicamp.

Texto originalmente publicado na Folha de S.Paulo

Rizzolo: A valorização do real se dá por conta dos preços das commodities, e alta taxa de juros praticada pelo país onde os especuladores de toda ordem investem. Fica patente que face à crise americana, os investimentos externos diminuem, contudo pelo fato do aquecimento do mercado interno provavelmente os efeitos da crise dos “subprime” não nos atingirá. O nível de reservas, o saldo comercial e o superávit em conta corrente (mesmo em queda) podem atenuar os efeitos da crise. Temos que desenvolver a exportação de manufaturados, por que ficar na dependência da desenvoltura do agro negócio na atual conjuntura não é nada bom. Otimismo é bom até certo ponto. Lembre-se que, todo otimista é um mal-informado (risos.)

Publicado em Política. Tags: , , . 1 Comment »

Uma resposta to “Belluzzo: “O Brasil não pode pagar com recessão a farra dos ricos””

  1. Tamires Says:

    Então,
    Hje tive aula de Portugues, e meu professor sempre nos mostra algumas charges interessantes.
    Fiquei “boiando” quando ele nos mostrou uma ligada ao assunto: “Os efeitos da Crise das bolsas no Brasil”.
    Ele explicou, mas como eu não estava por dentro do assunto, nem entendi direito.
    Li algumas matérias de sites variados, para entao chegar na minha própria posição. Mas ainda restaram duvidas.
    Gostaria de saber como posso explicar Os efeitos desta crise, O porque pode nos prejudicar.
    Se for possivel, aguardo resposta.
    Desde já, obrigada.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: