Enfrentar a adversidade, o início da libertação

275px-jacopo_tintoretto_024.jpg
Moises bate na rocha gerando água ( pintura óleo sobre tela de Tintoretto)

Como de costume, todo Sábado procuro não escrever textos que não estejam relacionados com o Shabbat e com o estudo da Tora. Sem ter a intenção de dar uma conotação pessoal religiosa ao que escrevo, permito dirigir me a você, que acompanha minhas reflexões diariamente, e compartilhar com o amigo(a), de uma forma humilde, esses momentos de introspecção dos meus estudos no Shabbat, que se iniciam todas às sextas-feiras, quando me recolho duas horas antes da primeira estrela surgir no céu, numa Sinagoga ortodoxa que freqüento em São Paulo.

Como já disse anteriormente, tenho profundo respeito por todas as crenças, religiões, e acima de tudo sou um brasileiro patriota, amo meu país e o povo brasileiro, e tenho sim, uma grande satisfação espiritual em ao estudar a Parashá (Porção da Tora semanal) relacioná-la ao que vivemos nos dias atuais. Shabbat é um dia de paz, descanso e harmonia. Devemos nos abster das tensões e às exigências da vida cotidiana.

Como é uma reflexão de estudo pessoal, baseada na introspecção bíblica, recomendo a todos que acompanhem no Antigo testamento (Torah ) os comentários aqui expostos, para que possamos ter uma semana de paz; e que através dos estudos judaicos, possamos compreender nossas vidas e encontrar formas de superar as adversidades na visão de Hashem (Deus). Isso nos dará energia e um “Idiche Kop” ( perspicácia particular), para que enfim tenhamos condições de construir um Brasil cada vez mais digno e com mais justiça social, que é a base do Judaísmo, do Cristianismo, do Islamismo, e de todas as religiões que levam a um mesmo Deus.

E lembre-se, Deus não quer apenas que você ore, mas que você aja com um parceiro dele aqui neste mundo, promovendo mudanças, estudando, se aperfeiçoando cada vez mais em sua área de atuação, e lendo, lendo muito. Quem não lê não pensa, e quem não pensa será para sempre um servo . Nesses aspectos, Ele Hashem ( Deus), precisa mais de você do que você dele. Somos aqui nesse mundo, parceiros de alguém maior.

A parashat desta semana chama-se Beshalach o povo judeu é libertado do Egito e D’us os conduz pelo deserto, não pelo caminho mais curto que cruza a terra dos filisteus, mas pelo mais longo para que não tivessem que lutar contra inimigos imediatamente, e desta forma desejarem retornar ao Egito, arrependidos e amedrontados de terem que enfrentar a imprevisível jornada. D’us os protegia través de nuvens durante o dia andavam à sua frente e uma coluna de fogo para iluminar o caminho à noite. O faraó arrepende-se de ter enviado o povo judeu em liberdade e segue à frente de seu exército a fim de persegui-los e aniquilá-los. O povo reclama a Moshê porque ele os tirou do Egito? Para perecerem agora no deserto?

Moshê fala que nada devem temer. D’us comanda a Moshê que levante a vara e fenda o mar. Ocorre um grande milagre e as águas do Yam Suf abrem caminho seco no meio do mar, formando paredes imensas em ambos lados, totalizando doze caminhos por onde passam as doze tribos. E as águas se fecharam castigando e trazendo a morte sobre os egípcios. O povo judeu faz a travessia do Mar Vermelho cantando canções para D’us, enaltecendo Sua grandeza. O Shabat da porção da Torá de Beshalach é conhecido também como Shabat Shirá. E Miriam apanha um pandeiro e as mulheres saem atrás dela dançando.

Após a travessia o povo judeu não encontra água por três dias, apenas águas amargas em Mará. D’us realiza novamente um milagre transformando as águas amargas em potável.

O povo continua reclamando, desta vez é por fome, D’us então envia alimento dos céus, o maná, na exata porção para cada um, sem sobras e sem poder ser guardado ou armazenado, pois apodrecia. Apenas Erev Shabat o maná caia em porções duplas e estes deveriam ser guardados para o dia seguinte, pois era Shabat. Moshê reserva um man em um frasco a mando de D’us para ser descoberto por gerações futuras como testemunho da grandeza do Criador. E após recomeçarem nova jornada, há falta de água, mas Moshê bate na rocha e todos podem beber da fonte que jorra dela. A parsha termina com a luta entre Amalêc e Yehoshua com a vitória de Yehoshua e a promessa de D’us de que a memória de Amalêc será extinta.

O que podemos extrair dessa passagem é a necessidade do homem ser examinado constantemente. Por que motivo, o povo encarava o futuro de modo pessimista? Por que ele não se lembrou, baseado no que acabara de ocorrer, que Deus ao menos nesta fase, encontrava-se ao seu lado e lhe estenderia a salvação no devido momento? Qual seria a razão das reclamações e lamentos? A Tora nos ensina que as provas e necessidades passadas no deserto, assim como em toda a Bíblia e na vida de modo geral, inclusive de uma Nação, têm um único objetivo de libertar o homem e capacitá-lo a agir com total liberdade espiritual em seu mundo.

Esta situação foi bem descrita pelo filósofo judeu alemão Franz Rosenzweig:

“Deus deseja homens livres. Seu Reino é oculto aos olhos. Mas isso não basta para diferenciar o homem livre do escravo… Deus, em sua vontade de distinguir entre as almas, não só evita causar prazer como provoca dor. Aparentemente Ele não tem alternativas: precisa provar o homem. Não apenas tem de ocultar o seu Reino, como deve criar locais que possam confundir o homem em sua busca pelo Reino Divino, até que se suponha invisível. Isto para que possa ter fé verdadeira em Deus, ou seja, crer e confiar Nele por livre iniciativa ”

A Estrela da Redenção

Isto posto, a própria descoberta de uma situação de miséria, doença, infortúnio já é um ato de libertação, que desperta a esperança de que possamos suportar a prova de forma mais digna na próxima oportunidade e de que nossos espíritos desatem, ao menos parcialmente, os laços que os mantem atados aos instintos. Assim cada prova passa a ser um exercício espiritual, elevando a consciência e agindo para transforma-la com ações, com consciência inclusive política, até por que, Moisés era um líder político e encontrou problemas face ao desconhecimento do povo em lidar com as adversidades.

Ainda me lembro uma passagem que li sobre o Rebe, quando recebeu uma pessoa que se dizia estar com uma doença incurável, dizia ele: “Rebe, tenho câncer estou sofrendo muitas dores, e gostaria que o senhor me explicasse esse sofrimento, e quando isso vai terminar.” O Rebe olhou docemente a ele e disse; “deve terminar em alguma hora, mas o importante é o quanto alto você irá subir… Imagino o salto …”

fontes, Beit Chabad, e Reflexões sobre a Tora de Moshe Grylak

Tenha um sábado de muita paz… (VIDEO)

Obs. Neste Sábado, existe um costume judaico muito antigo, que consiste em dar alimentos aos pássarinhos, por que ao abrir o mar em 12 partes ( que significavam 12 tribos ) entre as parades de agua existiam muitos pássaro cantando.

Fernando Rizzolo

Publicado em Política. Tags: . 1 Comment »

Uma resposta to “Enfrentar a adversidade, o início da libertação”

  1. Iara Suze Says:

    Prezado Fernando,

    Gostaria de lhe agradecer por incluír reflexões da Torah neste espaço. Não sou judia mas tenho uma grande admiração pela cultura e religião judáica. Fico Feliz ao abrir o e-mail às segundas-feiras e ler uma palavra de reflexão, de alento, de que nada acontece por acaso e que de fato Deus está no centro dos acontecimentos, sejam eles bons ou ruins.

    Obrigada,
    Iara


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: