Um cabo eleitoral chamado PAC

Com cenário internacional se deteriorando, e a brisa de uma crise anunciada se concretizando na economia brasileira, o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), peça-chave do segundo mandato do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, poderá ser a alavanca eleitoral nas eleições municipais em 2008.

Ao completar um ano, o Pac, sob a ameaça de cortes de verbas, ficou mais na retórica do que no concreto, pouco se viu aos olhos do povo o tão revolucionário Programa de Aceleração, muito embora, o balanço do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) mostra que em dezembro do ano passado 86% dos projetos monitorados estavam com ritmo adequado. Em agosto do ano passado, o porcentual de projetos que tinham essa avaliação era de 80%.

Motivos não faltam, a possibilidade de uma crise energética ou uma crise econômica se misturam na indefinição política percebida nas declarações ora de que não haverá apagão elétrico, ora sobre a questão dos aumentos de impostos. Além disso, há dúvidas se o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB, a soma de todas as riquezas de uma nação), previsto em 5% para este ano, será concretizado com a deterioração da economia internacional, e as dificuldades que a mesma poderá acarretar, inclusive com um aumento real nas taxas de juros.

Especificamente ao PAC, o que poderia amenizar é a notícia de que caiu de R$ 20 bilhões para cerca de R$ 17 bilhões –ou até um pouco menos—a previsão de cortes que a Comissão de Orçamento do Congresso planeja fazer nas despesas do governo para 2008. Pessoalmente, projetaria uma expansão de 4,5% na melhor das hipóteses, face ao cenário atual.

Contudo, do ponto de vista político, o PAC poderá se transformar numa poderosa arma eleitoral fortalecendo as bases do PT e de seus aliados, se os governos e as prefeituras forem suficientemente ágeis; a própria ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Roussef já havia prometido que o País seria um enorme ” canteiro de obras”. Há muito que se fazer em termos de PAC no que diz respeito a projetos sociais que visam a urbanização de favelas, saneamento básico e construção de casas populares.

Temos que tornar o PAC visível aos eleitores; os motores desse setor já foram acionados, a construção civil espera um crescimento de 6% este ano, e é disso que Brasil precisa, casas populares gerando dignidade para a imensa população pobre desassistida, e a enorme capacidade de geração de emprego que o setor da construção civil, pela sua natureza, é capaz de agregar. Ano eleitoral também pode ser o sinônimo de ano de desenvolvimento.

Fernando Rizzolo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: