Entusiasmo em dose dupla

mishkan_300.gif

Como de costume, todo Sábado procuro não escrever textos que não estejam relacionados com o Shabbat e com o estudo da Tora. Sem ter a intenção de dar uma conotação pessoal religiosa ao que escrevo, permito dirigir me a você, que acompanha minhas reflexões diariamente, e compartilhar com o amigo(a), de uma forma humilde, esses momentos de introspecção dos meus estudos no Shabbat, que se iniciam todas às sextas-feiras, quando me recolho duas horas antes da primeira estrela surgir no céu, numa Sinagoga ortodoxa que freqüento em São Paulo.

Como já disse anteriormente, tenho profundo respeito por todas as crenças, religiões, e acima de tudo sou um brasileiro patriota, amo meu país e o povo brasileiro, e tenho sim, uma grande satisfação espiritual em ao estudar a Parashá (Porção da Tora semanal) relacioná-la ao que vivemos nos dias atuais. Shabbat é um dia de paz, descanso e harmonia. Devemos nos abster das tensões e às exigências da vida cotidiana.

Como é uma reflexão de estudo pessoal, baseada na introspecção bíblica, recomendo a todos que acompanhem no Antigo testamento (Torah ) os comentários aqui expostos, para que possamos ter uma semana de paz; e que através dos estudos judaicos, possamos compreender nossas vidas e encontrar formas de superar as adversidades na visão de Hashem (Deus). Isso nos dará energia e um “Idiche Kop” ( perspicácia particular), para que enfim tenhamos condições de construir um Brasil cada vez mais digno e com mais justiça social, que é a base do Judaísmo, do Cristianismo, do Islamismo, e de todas as religiões que levam a um mesmo Deus.

E lembre-se, Deus não quer apenas que você ore, mas que você aja com um parceiro dele aqui neste mundo, promovendo mudanças, estudando, se aperfeiçoando cada vez mais em sua área de atuação, e lendo, lendo muito. Quem não lê não pensa, e quem não pensa será para sempre um servo . Nesses aspectos, Ele Hashem ( Deus), precisa mais de você do que você dele. Somos aqui nesse mundo, parceiros de alguém maior. Quando se dirigires a Deus, ” Um homem deve saber que, durante sua prece, ele se acha no palácio do rei e que não vê senão o rei. Ele se esquecerá então até da sua existência ” Rabi Nahman de Bratslav

A parashat desta semana chama-se Vayak´hel e inicia-se com Moshê reunindo toda a nação de Israel para transmitir-lhes tudo aquilo que D’us lhe ordenara sobre a construção e a montagem do Mishcan nas três porções prévias da Torá.

Entretanto, Moshê primeiro os adverte novamente sobre a mitsvá fundamental de guardar o Shabat, lembrando-os que embora a construção do Mishcan seja de importância transcendental, não tem precedência sobre a observância semanal do Shabat. Apenas um dia antes, em Yom Kipur, Moshê desceu do Monte Sinai com o segundo conjunto de Tábuas nas mãos, informando ao povo que eles tinham sido perdoados por D’us do horrível pecado de adorar o bezerro de ouro. Em resposta ao chamado de Moshê, os Filhos de Israel vieram com contribuições generosas para a construção do Mishcan, produzindo uma abundância de suprimentos.

Os artesãos são escolhidos e inicia-se a construção, e a Torá descreve em detalhes a fabricação de cada aspecto do Mishcan.

O anúncio do Tabernáculo, despertou a imaginação e o entusiasmo do povo. Os trechos bíblicos que abordaremos agora dedicam algumas palavras a este fato.

Logo no início do trecho, é relatado o pedido de Moises para que todos doassem do melhor que possuíssem para que o Tabernáculo do Testamento fosse erigido. Na verdade a reunião do povo entorno de Moisés serve para compensar a reunião do povo em torno de Aarão no episódio do bezerro de ouro. Até mesmo suas palavras, ” estas são as coisas”, forma estudadas e escolhidas de forma a utilizar o mesmo termo com que o povo se referia ao bezerro (” estes”), opondo-se assim a esta atitude.

Tudo isto para ensinar-nos que um ato iníquo só pode se redimido através de uma boa ação que a ela se oponha. Apenas o arrependimento não basta. As palavras de arrependimento são insuficientes. Elas são importantes mas não apagam a impressão do pecado do coração do pecador. Aquele que pecou com crueldade, por exemplo, além do mal que causou ao seu próximo, gravou uma mancha de maldade e crueldade nas paredes de seu coração.

Por isso o entusiasmo maior com o Tabernáculo em relação ao entusiasmo que houve com o Bezerro fez com que houve um reparo na personalidade do povo. Quando uma pessoa demonstra um verdadeiro entusiasmo sobre algo revela sua própria personalidade, eu até diria, Diga-me com que entusiasmas e te direi quem és. O entusiasmo revela nossos anseios íntimos de forma mais clara que qualquer ação concreta.

A pessoa pode doar grandes quantias, quiçá leveda por pressões sociais, ou interesses tributários, sem no entanto ser generosa em seus sentimentos. Por outro lado quando a doação vem acompanhada de entusiasmo, nota-se imediatamente a identificação do doador com a causa, identificação esta que vai alem dos interesses e intenções alheios à própria causa.

Por esta razão quando se faz uma doação tem que fazer com ” fogo”! Com entusiasmo, aí sim esse fogo se transformará em algo bom para sua alma.

Textos judaicos para reflexão: Fonte Beit Chabad

A ética da responsabilidade judaica

Rabino Chefe Da Inglaterra, Professor Jonathan Sacks

Vivemos hoje um estranho paradoxo. Somos confrontados diariamente por imagens de catástrofes globais: terror, terroristas suicidas, danos ao meio ambiente, países e continentes afetados pela pobreza e doenças, além dos desastres naturais como o tsunami que custou tantas vidas há meses. Existe algo natural – um instinto básico de empatia e simpatia – que nos faz querer ajudar quando vemos pessoas sofrendo.

Ao mesmo tempo, com freqüência nos sentimos pequenos e insignificantes. O que podemos fazer para ajudar? O impacto que podemos causar parece inadequado perante a escala dessas tragédias. Há seis bilhões de pessoas atualmente. Que diferença um indivíduo pode fazer? Somos apenas uma onda num oceano de humanidade, poeira na superfície do infinito.

Vivemos hoje um estranho paradoxo. Somos confrontados diariamente por imagens de catástrofes globais: terror, terroristas suicidas, danos ao meio ambiente, países e continentes afetados pela pobreza e doenças…. Existe algo natural – um instinto básico de empatia e simpatia – que nos faz querer ajudar quando vemos pessoas sofrendo.

No livro To Heal a Fractured World tentei contar a história da “ética da responsabilidade” judaica. É uma história para o nosso tempo. O Judaísmo começou com Avraham, um único indivíduo. E continua a ser a fé de um dos menores povos do mundo. Porém os judeus sempre causaram impacto desproporcional aos números. Por quê?

O motivo está na crença radical imbuída no âmago da nossa fé, de que podemos fazer a diferença – e que devemos fazê-la. D’us nos conclama a nos tornarmos Seus “parceiros na obra da Criação”. O Judaísmo não é uma fé que nos leva a aceitarmos o mundo como ele é. É uma fé que nos desafia a fazer o mundo como ele deveria ser. É um grito de protesto contra as injustiças e crueldades aleatórias do mundo.

Em meu livro, “To Heal a Fractured World, explico algumas das idéias principais da ética judaica: tsedacá (justiça social), chessed (atos de bondade), darchei shalom (os caminhos da paz), Kidush Hashem (santificar o Nome de D’us), e o princípio de que “todos os judeus são responsáveis uns pelos outros”. O livro tira seu nome da famosa idéia do místico do século dezesseis, Rabi Yitschac Luria, conhecido como ticun olam – ou seja, que somos chamados para remendar as fraturas do mundo, uma ação por vez, um dia por vez.

Nossa tendência é considerar estas idéias como algo estabelecido como se fossem auto-evidentes, mas não são. Estão enraizadas numa visão singular de D’us, do universo e de nosso lugar nele. O Judaísmo mantém uma visão extremamente alta da dignidade e importância do indivíduo – em oposição às massas, à multidão, à nação, ao império. Não acreditamos que somos manchados pelo pecado original, ou que o destino está totalmente nas mãos da Providência. D’us nos habilita, como um pai sábio capacita seu filho, a crescer, desenvolver-se e exercer responsabilidade. Estamos aqui para fazermos uma diferença.

Originalmente, quando escrevi o primeiro rascunho, presumi que seria de interesse somente dos leitores judeus. Fiquei surpreso quando um não-judeu após outro disseram-me – quando lhes contei em qual livro eu estava trabalhando – que desejavam lê-lo. Foi então que percebi como a ética judaica é relevante para os problemas do século 21. Muitas e muitas vezes, nestes anos que passaram, fiquei surpreso por ver como o público em geral é receptivo à ética judaica, nascida há tanto tempo. A Torá realmente é, como está escrito em Devarim, “sua sabedoria e entendimento aos olhos das nações”.

A ética da responsabilidade é a chave que dá acesso a uma vida satisfatória. No fim, o que nos faz sentir realizados não é o quanto ganhamos, ou o que possuímos, mas a sensação de termos contribuído com algo de valor para o mundo. O livro é minha maneira de dizer obrigado aos milhares de judeus que conheço, que se engajaram em atos de compaixão e generosidade, cuidando dos doentes, confortando os enlutados, oferecendo hospitalidade aos solitários e ajudando aqueles que precisam. To Heal a Fractured World conta sua história, e a fé sobre a qual ela é construída – que todo ato de bondade acende uma vela de esperança num mundo muitas vezes escuro e perigoso.

Tenha uma semana e um sábado de muita paz !

Fernando Rizzolo

As portas céu ? São fechadas pela tristeza, abertas pela prece, e quebradas pela alegria
Rabi Shem Tov

Fontes: Beit Chabad, Reflexões sobre a Torá de Moyse Grylak, Professor Jonathan Sacks

Gallup: 61% dos brasileiros estão ‘insatisfeitos’

Citado na autobiografia de Mark Twain, Disraeli (1804-1881) ensinou que há três tipos de mentiras: mentiras, mentiras deslavadas e estatísticas.” As pesquisas de opinião, por científicas, produzem estatísticas nas quais se pode confiar até certo ponto. O ponto de interrogação.

Há duas semanas, o instituto Sensus foi às ruas e informou que a aprovação de Lula roça o céu: 69,9%. Há na rede, porém, uma outra pesquisa, realizada pelo norte-americano Gallup com resultado contrastante. Foi realizada em 2007.

Em vez de perguntar ao entrevistado se aprova o presidente ou sua administração, o Gallup quis saber se o brasileiro está satisfeito com os esforços do governo para atenuar os problemas da população mais pobre.

Nada menos que 61% das pessoas ouvidas disseram que não estão satisfeitas com a maneira que o país trata os seus pobres. Mais: 69% acham que o fosso entre pobres e ricos está aumentando no Brasil. A sensação captada pelo Gallup não coincide com os fatos. Órgãos nacionais, como o Ipea, e internacionais, como a ONU e o Banco Mundial, atestam que as desigualdades sociais e de renda vêm se estreitando no país.

O repórter não conseguiu encontrar no sítio do Gallup informações detalhadas acerca da pesquisa feita pelo instituto. Sabe-se que foi feita em 2007, mas não se sabe em que período do ano. Lá no alto, há um vídeo com a apresentação dos dados. Foi pescado pelo repórter no blog TV Política. Infelizmente, a locutora fala em língua inglesa.

Fica, porém, uma sólida impressão: o resultado das pesquisas

Fonte:Blog do Josias/ Folha online/ youtube/ Gallup Poll

Rizzolo: Existem duas formas de se analisar essa questão, o que a comentarista diz, é que muito embora o governo Lula afirma que existem avanços, e que houve uma diminuição entre ricos e pobres, quando a pergunta é feita de forma direta, sem rodeios, concentrando-se na questão como “se o entrevistado está satisfeito com os esforços do governo para atenuar os problemas da população mais pobre”, aí a coisa muda. Até acredito que aconteça isso mesmo, uma coisa seria perguntar se o entrevistado aprova ou não o governo Lula, uma pegunta subjetiva, outra, é perguntar se o entrevistado tem a percepção que diminuiu a diferença entre ricos e pobres, e para essa pesquisa Lula não é aplaudido, e aí se instala a questão controversa. Agora se perguntássemos aos banqueiros se Lula diminuiu a diferença entre os lucros dos Bancos Internacionais e os brasileiros, os banqueiros nacionais diriam que sim com um amplo sorriso, e que nesse aspecto a rentabilidade dos Bancos internacionais estão muito aquém dos nossos. Graças ao socialismo do PT. Interessante, não é?

Para Lula, oposição derrubou CPMF para tentar voltar ao poder

Em novo ataque à oposição, o presidente Luiz Inácio da Silva insinuou nesta quinta-feira, em Fortaleza (CE), que PSDB e Democratas, principais partidos de oposição, votaram contra a prorrogação da CPMF, no final do ano passado, para tentar retornar ao poder.

Eles no final do ano passado derrotaram a CPMF, que era o imposto que a classe média e que os ricos pagavam, pois pobre não trabalha com cheque. Eles tiraram do governo federal quase R$ 40 bilhões. E tiraram por quê? Porque eles diziam: se a gente deixar R$ 40 bilhões na mão desse governo, nós não vamos voltar mais”, disse.

Antes, em Quixadá, no sertão do Ceará, Lula já havia acusado a oposição de tentar impedi-lo de governar, pois os partidos oposicionistas questionam na Justiça a constitucionalidade do projeto Territórios da Cidadania, programa de combate à pobreza rural, que prevê gastos de R$ 11,3 bilhões em 958 cidades e pretende atingir 7,8 milhões de pessoas.

Lula esteve em Fortaleza para anunciar projetos do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento), na capital cearense. Ao seu lado no palanque, o governador do Estado, Cid Gomes (PSB), endossou o coro contra a oposição e acusou oposicionista de sabotagem. Cid é irmão do deputado federal Ciro Gomes (PSB-CE), principal presidenciável da base governista para 2010.

“Oposição séria tem que tratar com seriedade os problemas do país e tem que, fundamentalmente, apontar os erros do governo, que devem existir, e, naturalmente, procurar criticar para o governo melhore sua ação. Agora, oposição que se cuida 24 horas por dia de tentar sabotar, travar e impedir uma pessoa como o presidente Lula, que nasceu no meio do povo pobre, sabe das dificuldades que o povo enfrenta”, disse o governador cearense.

Folha online

Rizzolo: Se existem duas questões que considero de suma importância, e vejo sim que houve por parte da oposição uma manobra política com a finalidade de prejudicar o governo, ou melhor, o povo brasileiro, foi na manobra contra a prorrogação da CPMF, e agora o questionamento na Justiça quanto a constitucionalidade do projeto Territórios da Cidadania, programa de combate à pobreza rural. Não é dessa forma que se faz oposição, se existem dúvidas em relação ao controle dos recursos aplicados tanto no caso da CPMF (se aprovado fosse), quanto ao uso político do projeto Territórios da Cidadania, que se faça uso dos instrumentos legais disponíveis. Agora, negar e impedir desenvolvimento por motivos obviamente políticos acaba desgastando essa oposição, resultado: eleva a popularidade de Lula. Pode conferir depois.

PSDB e DEM entram no STF contra programa que beneficia os pobres

PSDB e DEM decidiram entrar com uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (Adin) no Supremo Tribunal Federal (STF) contra o programa Territórios da Cidadania, lançado pelo presidente Lula para resolver os graves problemas sociais nas regiões mais pobres do país. O programa é considerado pelo governo como o segundo grande passo no combate à pobreza no Brasil, depois do Bolsa Família.

O projeto envolve ações de 19 ministérios, que levarão obras e serviços a regiões carentes, em um total de R$ 11,3 bilhões em recursos. São 958 municípios selecionados por terem baixo IDH (Índice de Desenvolvimento Humano), ou ainda por critérios como a predominância de assentamentos da reforma agrária, agricultores familiares, além de comunidades indígenas e quilombolas. O programa prevê obras de infra-estrutura e saneamento básico.

A oposição, sem rumo e desesperada com a popularidade crescente do governo Lula, resolveu tentar impedir a implantação do programa. Segundo eles, não pode haver combate à pobreza em ano de eleições municipais. Ou seja, a oposição mostra que não está nem um pouco preocupada com a situação em que vive a população mais carente. Estão preocupados mesmo é com seus interesses mesquinhos e com sua provável derrota eleitoral em outubro. Para o ministro Guilherme Cassel (Desenvolvimento Agrário), a atitude da oposição é injustificável. “Seria uma mesquinharia, uma pequenez injustificável”, disse. “Não podemos deixar de combater a pobreza porque é ano eleitoral”.

Hora do Povo

Rizzolo: Os leitores me escrevem dizendo que ultimamente ” tenho batido no governo Lula” e que antes eu o defendia de forma incondicional. Dizem até que oscilo entre ” o judeu Trotsky e o judeu Sharon ” Isso não é verdade, o defendia sim, contudo, tenho cérebro e discernimento para saber até onde vou baseado nos meus valores e nos compromissos pessoais ideológicos com o povo brasileiro. Assim também o fiz no tocante a Chavez, fui até certo ponto, aí parei, depois que ele se demonstrou um incompetente, um aventureiro em termos de estratégias políticas, um perdido vestido de vermelho. Já em relação a Lula, parafraseando as palavras de D. Cappio,” Lula mudou, agora quem está em cena é Luiz Inácio Lula da Silva”; as afirmativas do religioso procedem, o poder, os interesses políticos, as negociatas partidárias, fizeram de Lula um ” joguete” dos poderosos.

Mas não sou dos que apenas falam para adular a oposição e ” ganhar uns pontinhos”, e nem estou aqui para agradar o PT que há muito deixou de ser um partido idôneo. Mas uma coisa é certa, a oposição se desmoraliza quando passa a ser ” pirracenta”, quando como no caso da CPMF, vê seus interesses em primeiro lugar do que os do povo brasileiro.

O fato do PSDB e DEM decidirem entrar com uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (Adin) no Supremo Tribunal Federal (STF) contra o programa Territórios da Cidadania, é o puro exemplo da idiotice política, entender que só porque o ano é eleitoral a população deve ser penalizada, é uma falta de patriotismo que salta aos olhos, é uma ciumeira infantil, onde o pobre fica entre receber do governo e a oposição proibir. Isso chama-se mesquinhez política. O que falta na política brasileira é ética e moralidade para o governo do PT, e patriotismo com senso de justiça social ao PSDB e DEM. Ano eleitoral? E dai? Não vamos avançar no desenvolvimento dos municípios, apenas porque a direita não quer perder as eleições? Ah! Faça me o favor!

Charge de Novaes para a Gazeta Mercantil

cha_477.jpg

STF mantém liminar que suspendeu Lei de Imprensa

Concedida na semana passada pelo ministro Carlos Ayres Britto, a liminar que suspendeu a vigência de duas dezenas de artigos da Lei de Imprensa foi mantida nesta quarta-feira, por maioria de votos, pelo plenário do STF. A decisão decorre de ação ajuizada pelo líder do PDT na Câmara, Miro Teixeira (RJ).

Dos 11 ministros que compõem o pleno do Supremo, dez compareceram à sessão. Seis deles acompanharam o voto de Ayres Britto: Cármen Lúcia, Ellen Gracie, Ricardo Lewandowski, Cezar Peluso e Gilmar Mendes.

Outros três ministros –Menezes Direito, Celso de Mello e Eros Grau—, embora vencidos pela maioria, foram além do voto do relator. Advogaram a tese de que toda a Lei de Imprensa, com seus 77 artigos, deveria ser suspensa. Só o ministro Marco Aurélio Mello postou-se contra a decisão de Ayres Britto.

A suspensão de parte da lei não significa que os jornalistas estão fora do alcance da lei. Quando for possível –processos por calúnia, injúria e difamação, por exemplo—deve-se aplicar os códigos Penal e Civil.

Só nos casos em que não for possível aproveitar, por analogia, o que está previsto na legislação ordinária em vigor é que os processos serão paralisados. Ainda assim, o prazo prescricional também será suspenso, até que o STF julgue o mérito da ação do PDT.

Blog do Josias

Rizzolo: É claro que o julgamento do mérito da ADPF (Argüição de Descumprimento de Preceito Fundamental) ajuizada pelo PDT deve ocorrer dentro de seis meses pelo STF, mas não deixa de ser por hora uma vitória. O importante é salientar que os instrumentos legais continuam existindo já capitulados no Código Civil e no Código Penal, o jornalista que se portar de forma inconseqüente responde nos termos legais. A Lei de Imprensa amordaça a democracia e a livre liberdade de expressão impondo uma penalização desproporcional típica dos regimes autoritários. Leia: A esquerda aprecia a Lei de Imprensa. Talvez para se redimir dos palpites indesejáveis de algumas correntes da esquerda, o ministro José Gomes Temporão (Saúde) mandou uma carta para João Roberto Marinho dando parabéns à TV Globo pela abordagem do problema da dengue na programação. A emissora veiculou campanha publicitária e ainda colocou os participantes do “BBB” vestidos de Aedes aegypti, quando foram então proibidos de entrar na piscina da casa. Em outras palavras, enquanto a esquerda fala mal da mídia reacionária, Lula e seu ministros adulam os os donos da mídia golpista. Ora, eles também querem aparecer na Globo ! Não é ? ( risos..)

Quando a ética está descompensada

Talvez o primeiro filósofo a elucidar a questão da ética, tenha sido Brauch Spinoza, um judeu nascido em Amsterdam em 1632, filho de judeus portugueses, de modesta condição social, emigrados para a Holanda. Spinoza depois de manifestar o seu racionalismo e tendo ele recusado qualquer retratação, foi excomungado pela Sinagoga em 1656, sua principal obra que aborda a questão, chama-se a Ethica (publicada postumamente em Amsterdam em 1677), seu texto é ao mesmo libertário, e se dispõe a relacionar a Ética com as relações de culpa. Já no judaísmo o conceito de ética surge no Pentateuco, onde não há distinção entre regras de natureza legal e de natureza moral; ambas são apresentadas via revelação e se equiparam no que tange à sua autoridade.

O intrigante conceito de ética, avassala o pensamento de intelectuais e filósofos contemporâneos, ao estabelecer os parâmetros do moral aceitável e o mínimo conceituado nos Códigos como no Código Cilvil; na verdade, a expressão dos artigos legais são em última instância o mínimo de ética requerido a uma sociedade. A grande pergunta que se pode fazer é porque existe hoje no Brasil uma ” descompensação ética” na política? Quando me refiro ao termo ” descompensação “, entendo ele extremamente apropriado, até porque, ética se adquire e se perde. Não há que se questionar sobre aqueles que por berço ou falta de convívio, jamais a exercitaram e tampouco sabem distingui-la.

Nesse esteio de preocupação com a questão, surgiu no âmbito do governo federal, a Comissão de Ética Pública, instrumento esse de apoio e acompanhamento da implantação da gestão da ética nas entidades e órgãos que integram o Poder Executivo Federal. Em que pese o fato de a comissão ser balizador das posturas e condutas públicas, a interpretação dos conceitos éticos esbarram nas conveniências políticas e acabam desvalidando tudo que deveria servir de paradigma e orientação no campo da ética.

Quando presidente Lula não se apercebe que a demora no acatamento da orientação da comissão traz prejuízos de ordem moral, os questionamentos se voltam e produzimos dessa forma, uma descompensação da ética; ter ciência que um Ministro do Trabalho, no caso o Sr.Carlos Lupi, acumule o cargo com a presidência de um partido, beneficiando de forma inconteste organizações não governamentais cujos dirigente são filiados ou parentes de filiados do PDT, e permanecer o presidente numa atitude contemplativa, denota omissão e nos leva a concluir que infelizmente os interesses políticos se sobrepõem aos conceitos da moral e da ética.

Com o costumeiro acerto, o presidente da Comissão de Ética Pública da Presidência da República, Marcílio Marques Moreira, pediu ontem afastamento do cargo. O mandato terminaria em maio deste ano e poderia ser renovado por mais um ano. Ele nega que a decisão de antecipar sua saída esteja relacionada com a demora do presidente Luiz Inácio Lula da Silva em se posicionar sobre a recomendação da comissão que sugeria a demissão do ministro Carlos Lupi, mas fica patente que diante dos fatos não há o que se questionar. São muitas as ocorrências no governo Lula envolvendo a esfera da ética e da probidade. Seria uma ótima oportunidade para que o governo federal demonstrasse sua saúde moral acatando a orientação da comissão numa cabal demonstração de que a “saúde moral” no nosso País não está totalmente descompensada.

Fernando Rizzolo