Veja “Baracky” versão de “Rocky”

“Rocky” com uma versão ” Baracky” um novo duelo entre Barack Obama e sua arqui-vilã Hillary Clinton, esta desafiando-o com suas alegações de que ele é incapaz de promover as devidas mudanças que tanto apregoa. Vale a pena assistir ! Shame on you Hillary !

Para empresário, um terceiro mandato para Lula “seria bom para o país e democrático”

“Na conjuntura atual, seria bom para o país”, afirmou o empresário Lawrence Pih, presidente do grupo Moinho Pacífico, defendendo um terceiro mandato para o presidente Lula. “Pelo menos para que o programa do presidente seja prolongado: distribuição de renda, resgate da população mais carente do país, universo importante que o governo conseguiu. O país está crescendo num ritmo maior”.

Ele rebateu os que chamam de “golpe” um terceiro mandato. “Algumas pessoas dizem que seria golpe. É um processo democrático. Até sugeriram um plebiscito. Ser houver consulta à sociedade e a sociedade aprovar, seria vontade da maioria. Se a sociedade aprova que o presidente Lula merece um terceiro mandato, porque o projeto dele não está completo, e a sociedade está satisfeita com a forma de governo que Lula vem conduzindo o país durante oito anos, é democracia, meu Deus”.

Pih, em entrevista ao jornal “Folha de S. Paulo”, destacou que “quando a economia vai bem, quando a popularidade do presidente está em alta, o assunto vem à tona”, e questionou: “Por que o ex-presidente FHC e seu governo articularam o segundo mandato? Porque a popularidade dele permitia, e não houve consulta à sociedade. O Legislativo tomou para si a responsabilidade e com gestões pouco elogiosas, como as acusações de compra de voto para mudar a Constituição. Essa conversa de golpe é uma questão de conveniência”.

Sobre o apoio dos empresários ao terceiro mandato, Lawrence Pih diz que “muitos estão tendo resultados expressivos, estão vendo a estabilidade econômica e que o governo conduz com seriedade a economia. Acham que não seria ruim continuar as coisas como estão. Não dizem que apoiariam um terceiro mandato, mas veriam com bons olhos que as coisas fiquem como estão. Não têm do que reclamar”.
Hora do Povo

Rizzolo: A alternância do poder é algo saudável para a democracia, para que as coisas continuem boas não é necessário que Lula permaneça no poder, contudo, tenho expressado meu ponto de vista em relação a um terceiro mandato com parcimônia e refletindo sob um ângulo estritamente democrático. A afirmação do empresário Lawrence Pih, presidente do grupo Moinho Pacífico, defendendo um terceiro mandato, segue uma lógica compreensível.

O assunto é controverso e inspira uma análise desprovida de interesses partidários, uma observação de cunho puramente político. Já escrevi uma breve reflexão sobre esse assunto em Terceiro mandato, Roosevelt, e o PT

Copom se reúne e lobby dos bancos tenta aumentar juros

Não há inflação, capacidade ociosa é estável e salário cresceu menos que a produtividade. Nem os costumeiros pretextos ficaram de pé

Sempre, às vésperas de toda reunião do Conselho de Política Monetária do Banco Central (Copom), escancara-se aquele lobby de banqueiros, especuladores, seus porta-vozes na mídia, e jurocratas em geral, com o objetivo de aumentar a taxa básica de juros. Porém, jamais outra reunião do Copom mobilizou tanto cinismo e falta de escrúpulos (inclusive aquilo que alguns chamam de “desonestidade intelectual” – como se ela fosse diferente das outras desonestidades) quanto a desta terça e quarta-feira.

Até o presidente da República, velho adversário das taxas escorchantes de juros, quiseram envolver no lobby. De uma declaração genérica do presidente Lula na sexta-feira – a de que “não será a redução de 0,25, a manutenção de 11,25% nem o aumento de 0,25 que trará qualquer transtorno à economia” – tentaram extrair uma aprovação para o aumento de juros. Interessante é que esses são os mesmos que pregam que o presidente não pode interferir nas decisões do BC. Mas, na hora de tentar aumentar os juros, recorrem a uma falsificação do significado de suas palavras. Qualquer praticante do conto do paco é mais honesto, além de correr mais riscos.
A resposta veio em menos de 24 horas. No sábado, depois que a “Folha de S. Paulo” estampou como manchete “Lula dá aval a aumento de juros”, um repórter disse ao presidente: “Tem gente achando que o senhor disse ontem que os juros podem subir”. Comentário de Lula: “Quem acha isso está louco”.

CICLO

Em suma, o que Lula afirmou, ao visitar um país estrangeiro, foi que uma ou outra ou nenhuma oscilação pontual nos juros não seria grande problema para a economia. Mas é evidente que ele não pregou que o Copom aumentasse os juros em sua reunião desta semana – mesmo porque os adeptos da medida não querem uma pequena oscilação pontual, mas “um ciclo” de aumentos de juros até dezembro de 2,5 pontos percentuais (cf. o artigo do ex-ministro Delfim Netto reproduzido parcialmente em nossa última edição; o BC, no Relatório Focus do último dia 11, dissemina a “expectativa” de um aumento de 1,5 até dezembro, atribuindo, como é sua rotina, tal expectativa ao “mercado”).

Mesmo um aumento pontual da taxa de juros, apesar de não ser um arraso para a economia, significaria um aumento nas transferências do Tesouro para os cofres dos bancos, sobretudo os estrangeiros – num país cuja dívida pública líquida monta a R$ 1.157.004,93 (Boletim do BC, 02/2008). Portanto, um aumento isolado, pontual dos juros, se não afeta o conjunto da economia, afetaria as finanças do Estado, como lembrou o “Monitor Mercantil” (v. o artigo “Partido do juro alto em nova ‘pajelança’: Lobby dos bancos por elevação da Selic cresce na véspera da reunião do Copom”, MM, 14/04).

Porém, um aumento continuado na taxa básica de juros (Selic) teria um efeito asfixiante sobre o crescimento, travando não apenas o consumo – como é intenção declarada do BC – mas também os investimentos. Em síntese, travando tanto a oferta quanto a demanda: garroteando a produção em prol da especulação desabrida e o consumo vital da maioria em prol da alucinada ganância de uma minúscula casta jurássica. O que, por sinal, já aconteceu uma vez, quando, após o crescimento de 5,4% em 2004, seguiram-se dois anos de estrangulamento, devido ao aumento dos juros.

A maior aberração é que não existe motivo, nem mesmo os costumeiros pretextos, para um aumento de juros agora – quanto mais para iniciar uma escalada nos juros, tal como a descrita pelas “expectativas” que mencionamos. Existe apenas vontade de empanturrar-se mais ainda com a especulação, avidez por roubar o Tesouro, para usar uma expressão corrente, popular – e exata.

Primeiro, nem o próprio BC conseguiu fabricar uma ameaça de surto inflacionário, justificativa habitual para o aumento de juros. Como observa o ex-ministro Delfim Netto, o último Relatório de Inflação do BC faz uma projeção central (ou seja, aquela que está no centro das probabilidades) de 4,6% para este ano e de 4,4% para o próximo ano. Em suma, o próprio BC faz uma projeção de queda da inflação até dezembro de 2009. Mesmo agora, quando, às vésperas da reunião do Copom, apareceram gralhas falando do aumento da inflação, ela está, pelo IPCA de 12 meses, em 4,6% – e metade dela é devida ao preço dos alimentos, uma alta de preços localizada, que não afeta o conjunto da economia, conseqüência da especulação com commodities no mercado internacional (como, aliás, com outros termos, apontou o ministro da Fazenda, Guido Mantega). É preciso ser idiota – ou vigarista – para atribuir essa alta no preço dos alimentos a um excesso de consumo pelo povo.

Ao mesmo tempo, há setores onde os preços estão em desaceleração – o setor de serviços, por exemplo – sem que um desses indivíduos proponha que os juros sejam reduzidos por causa disso.

Porém, antes de tudo, é preciso observar que o teto da meta de inflação é 6,5%. Logo, mesmo para os acólitos dessas metas, a inflação está longe de ultrapassá-las.
Segundo, a capacidade ociosa da indústria – isto é, a capacidade ainda não utilizada – permanece estável, sem sinais de esgotamento. Portanto, mesmo considerando uma perspectiva um pouco mais longa, as empresas estão em condições de suprir a procura por mercadorias, sem desabastecimento e alta de preços. A capacidade ociosa até aumentou: de 16,94% em janeiro para 17,10% em fevereiro (último dado divulgado pela Confederação Nacional da Indústria).

Ou seja, ainda que minimamente, aumentou a capacidade da indústria de satisfazer um aumento de consumo, o que se deveu ao aumento da sua capacidade instalada, que somente em 2007 elevou-se em 7% – conseqüência direta do crescimento em mais de 30% nos investimentos em máquinas e equipamentos, ocorridos nos últimos 3 anos (dados do IBGE e da FGV). Aliás, os investimentos têm crescido mais do que o dobro do crescimento do consumo (em 2007: 13,4% contra 6,5%).

Terceiro, como ressaltou Delfim, os salários (a capacidade de consumir da população) têm crescido menos que a produtividade (a capacidade de produzir mais no mesmo intervalo de tempo) da indústria.

É significativo que não exista ninguém, fora da camarilha mencionada no início desta matéria, defendendo o aumento de juros neste momento. Todos são contra, ainda que politicamente possam estar à direita, à esquerda ou ao centro, porque o único motivo para aumentar os juros agora seria beneficiar quem lucra com os juros. Só isso – e nada mais.

CARLOS LOPES
Hora do Povo

Rizzolo: Como bem colocou Carlos Lopes, com seu impecável texto, não há motivos para um aumento de juros, bem podemos observar destarte, que as expectativas nesse aumento irão com certeza ter um peso político maior do que os aumentos anteriores, até porque, existe toda uma pretensa argumentação baseada no nada, para justificar essa manobra especulativa, visando os interesses daqueles que vivem da financeirização da economia.

Agora, alegar que Lula foi vítima de uma ” falsificação no significado de suas palavras”, vítima digamos, de uma ” conspiração da mídia” é uma bobagem, com todo respeito à lucidez interpretativa do autor do texto, Lula tentou sim minimizar uma possível decisão, quis com suas palavras de impacto ” preparar terreno”, agora uma pergunta que não quer calar: Porque Lula não assume de vez, que não tem correlação de forças para derrubar esse bando do Copom e do Banco Central? Sabem o que vai ocorrer? Vão aumentar sim os juros, e acabou. E mais uma vez valerá um discurso de Lula no nordeste alegando a autonomia do Banco Central, para zerar o impacto, afinal os pobres do Brasil mal sabem ler, muito menos conhecer ou saber o que é taxa selic, juros, copom, ou Banco Central; conhecem o Bolsa Família, e desesperadamente temem perdê-la.

Pochamnn defende qualificação de mão-de-obra em todo o país

O presidente do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), Marcio Pochmann, afirma que o aquecimento do mercado de trabalho não irá pressionar a inflação porque está restrito ao segmento de mão-de-obra qualificada. “O Brasil é capaz de resolver esse problema”, diz Pochmann. Mas ele pondera que, no médio e longo prazos, a falta de trabalhadores especializados poderá se tornar um problema concreto, caso não sejam adotadas políticas de qualificação.

Pochmann não acredita que a queda contínua da taxa de desemprego possa acelerar a inflação. Ele questiona o conceito de taxa natural de desemprego, que recentemente foi adotado pelo Banco Central como um instrumento auxiliar para guiar as decisões de política monetária.

“O conceito se esvaziou na década 90, quando o desemprego nos Estados Unidos caiu abaixo da suposta taxa natural e a inflação não se acelerou”, diz. “A teoria é ainda mais problemática quando aplicada ao Brasil, porque não temos um mercado de trabalho organizado como os Estados Unidos.”

As estatísticas de desemprego, argumenta Pochmann, não refletem com exatidão o número desempregados. No Brasil, afirma, a cada dois empregos, um é assalariado e outro é não assalariado. “Uma pessoa que trabalhou duas horas em uma semana é considerada empregada no Brasil”, diz. “Ou seja, alguém que fez um bico lavando carros é considerado empregado.” Ajustando os dados para incorporar os subempregados, a taxa de desemprego salta para percentuais tão elevados que seria irreal tomá-lo como uma taxa natural. “A taxa de desemprego no Brasil não expressa o nível de atividade da economia”, afirma.

Pochmann diz que, se a economia cresce 5%, são criados cerca de 2,5 milhões de postos de trabalho anuais, cifra pouco superior aos cerca de 2,3 milhões de trabalhadores que se apresentam ao mercado todos os anos. A diferença, de 200 mil empregos, seria facilmente suprida por um número de cerca de 8 milhões de desempregados no país, segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad).

Situação paradoxal

Apesar da grande oferta de mão-de-obra, pondera Pochmann, faltam trabalhadores qualificados, como engenheiros. “É um paradoxo”, diz. Mas, no curto prazo, a economia tem sido capaz de reagir, qualificando os trabalhadores para atender à demanda das empresas.

Os reajustes salariais, na visão do economista, são explicados mais pelo fato de que a economia vive um período de fortes investimentos. Nos anos 90, lembra, também houve procura por trabalhadores qualificados. Mas naquele período a mão-de-obra qualificada foi usada em trabalhos que exigiam baixa qualificação. “É por isso que os salários não subiram”, afirma. “Agora, é diferente, porque os investimentos criam uma demanda genuína por trabalho qualificado e os salários sobem, acompanhando o aumento da produtividade.”

No médio e longo prazos, afirma, a demanda por trabalhadores qualificados poderá superar a capacidade de oferta – gerando pressões inflacionárias. “Será fundamental criar um sistema público de empregos, que, entre outras coisas, cuide da qualificação dos profissionais”, afirma.

Fonte: Valor Econômico

Rizzolo: A qualificação de mão-de-obra é essencial para o desenvolvimento do País. Na realidade, o aumento da procura por mão de obra especializada reflete o nível do desenvolvimento industrial. A questão crucial, é que pouco temos feito para implementar a criação dessa mão-de-obra, poucas são as empresas que investem na mão-de-obra local investindo na sua qualificação.

O que observamos, é que não existe uma política quer empresarial quer do Estado em criar mão-de-obra local; assim sendo o trabalhador qualificado tem uma caracterização difusa, ou seja, muitas vezes o trabalhador especializado é contratado em São Paulo, mas reside em Santos. Esse fato, é devido a falta de uma política regional de criação de mão-de-obra, que por sua vez, inflaciona os salários, pois como a procura é grande, paga-se o transporte e o ” passe ” do trabalhador.

O estímulo à criação de um maior número de escolas técnicas nos polos de desenvolvimento, poderia minimizar esse problema, basta incentivo tributário às empresas, e uma política pública de ensino técnico regionalizada

Charge do Henrique para a Tribuna da Imprensa