Como candidato democrata, Obama ataca o Irã e defende Israel

WASHINGTON – Falando pela primeira vez após declarar vitória nas prévias democratas, o senador Barack Obama afirmou nesta quarta-feira, 4, que trabalhará para “eliminar” a ameaça que o Irã representa para o Oriente Médio e para a segurança internacional. O candidato declarou ainda considerar que Jerusalém deve permanecer como a capital “indivisível” de Israel. “Não há ameaça maior para Israel e para a paz e estabilidade da região do que o Irã”, afirmou o senador na conferência do Comitê Americano de Assuntos Públicos de Israel, um lobby pró-Israel.

Obama prometeu impedir que a República Islâmica obtenha uma arma nuclear. “O perigo que vem do Irã é grave, é real, e meu objetivo é eliminar essa ameaça”, disse Obama, ao discursar. “Farei tudo que puder para impedir que o Irã obtenha uma arma nuclear – tudo”, disse à platéia, que o aplaudiu de pé. A rival derrotada nas prévias, Hillary Clinton, afirmou que Obama será um “bom amigo” de Israel. “Sei que o senador Obama entende o que está em jogo”, indicou a senadora diante do grupo.

O senador ainda tentou se distanciar dos rumores de que seria islâmico e que não apóia o Estado judeu, chamando-se de “amigo verdadeiro de Israel”. “Qualquer acordo com o povo palestino deve preservar a identidade israelense como um Estado judeu, com segurança e fronteiras reconhecidas e armadas. Jerusalém continuará como a capital de Israel, e deve permanecer indivisível”, disse Obama na conferência pró-Israel. Os palestinos exigem que Jerusalém seja a capital de seu Estado. “Eu nunca farei concessões no que diz respeito à segurança israelense. Não quando ainda há vozes que negam o Holocausto, não enquanto terroristas seguem comprometidos com a destruição de Israel, não enquanto até livros didáticos no Oriente Médio negam que Israel sequer exista”, disse.

Segundo a BBC, retribuindo um elogio feito por Obama, que a chamou de ”amiga de Israel”, Hillary disse que sabe “que o senador Obama será um bom amigo de Israel”. “Sei que o senador compartilha da minha visão de que o próximo presidente tem de dizer ao mundo que a posição americana é imutável. Os Estados Unidos estão ao lado de Israel agora e para sempre”, disse Hillary.

O Irã não reconhece Israel, e o presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad várias vezes já pediu a destruição do Estado judeu. A troca de insultos se intensificou em 2005, quando Ahmadinejad disse que Israel deveria ser “varrido do mapa do Oriente Médio”. O iraniano já chegou a se referir ao Holocausto – o massacre de milhões de judeus durante a Segunda Guerra Mundial pelos nazistas – como um “mito”.

Israel considera o Irã uma ameaça por causa de seu programa nuclear e de seu arsenal de mísseis. Israel e os Estados Unidos acusam Teerã de desenvolver em segredo um programa nuclear bélico. O Irã nega e assegura que suas usinas atômicas têm fins estritamente pacíficos de geração de energia elétrica.

Obama também defendeu que o Hamas, organização palestina que controla a Faixa de Gaza, deve ser “isolado, a menos e até que reconheça o direito de Israel existir e honre acordos passados.” “Foi por isso que eu me opus às eleições palestinas de 2006 com o Hamas na cédula eleitoral. Israel e a Autoridade Palestina nos advertiram quanto a isso, mas este governo (do presidente americano George W. Bush) levou isso adiante.”

Vitória histórica

Obama deu um grande passo para tornar-se o primeiro presidente negro da história dos Estados Unidos ao derrotar a ex-primeira-dama Hillary Clinton na disputa pela indicação do Partido Democrata em meio a promessas de esperança e mudança para os americanos cansados da turbulência econômica e de anos de guerra.

Com a vitória, Obama enfrentará nas eleições presidenciais de novembro o candidato republicano John McCain. A disputa será mistura de choque de gerações com debate sobre o Iraque. Obama, de 46 anos, é contra a guerra; McCain, de 71, foi prisioneiro durante a Guerra do Vietnã e é um partidário das atuais missões militares americanas.

Ao assegurar o número de delegados e superdelagados necessário para garantir a indicação, Obama pôs fim a uma das campanhas mais acirradas de que se tem lembrança nos EUA. A vitória de Obama nas primárias democratas também representa um marco para um país onde, há apenas algumas décadas, a discriminação racial era generalizada e os negros precisavam ir à luta para conseguir o direito de votar.

Agência Estado

Rizzolo: O voto judeu nos EUA sempre foi maior aos liberais, a comunidade judaica americana é grande, está por volta de 6,5 milhões, maior que em Israel que está por volta de 4,95 milhões. Na verdade Obama quer inspirar ao judeus americanos, uma maior confiança na sua política externa em relação ao Oriente Médio, e rechaçar seu envolvimento com o extremismo árabe, como alguns tentaram insinuar.

Não há como conviver com extremistas e loucos de todo o genero, como o presidente iraniano Mahmoud Ahmadinejad que em suas declarações pretender ” varrer Israel ” do mapa. O mundo deve caminhar para um entendimento baseado em paz em relação às questões como as de Israel e Palestina, agora compartilhar e negociar com extremistas, isso jamais, e Obama já está sinalizando sua política de coerência e respeito ao povo judeu e Israel que é um exemplo de democracia na região bem como um fiel aliado do EUA. Baruch Hashem o mundo encontrá as portas da paz através do entendimento e não pela violência. Ser contra o Estado de Israel é uma forma moderna de antisemitismo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: