Bombardeio na selva colombiana mata dirigente das Farc

BOGOTÁ – O líder de uma coluna da guerrilha colombiana Farc, acusado pelo Exército de semear o terror numa ampla região do sudeste do país, morreu junto com outros sete rebeldes num bombardeio no meio da selva, disseram fontes militares na quarta-feira.

A ação militar com aviões e helicópteros ocorreu na noite de terça-feira perto da localidade de Puerto Cachicamo, Departamento de Guaviare. “No desenvolvimento da operação ‘Alfil’, com participação da Força Aérea Colombiana, as tropas desferiram um certeiro golpe contra as estruturas do Bloco Oriental”, informou nota das Forças Armadas.

Neftaly Murcia Vargas, o “Camilo Tabaco”, comandava a coluna Manuela Beltrán das Farc, uma das mais ativas dentro do Bloco Oriental, o mais importante do grupo, ativamente vinculado à produção e tráfico de cocaína.

O presidente Álvaro Uribe destacou o êxito da operação e a periculosidade do rebelde morto.

“Tabaco é de uma grande importância nas Planícies Orientais, porque a cidadania o acusava de ser o mandante de muitos ataques, de muito derramamento de sangue”, disse Uribe a jornalistas.

Pelo menos cinco outros líderes importantes da guerrilha morreram em ações militares nos últimos meses, inclusive o importante Raúl Reyes, vítima de um bombardeio colombiano em território do Equador, em março.

Além disso, o dirigente máximo da guerrilha, Manuel Marulanda, o “Tirofijo”, morreu do coração neste ano, sendo substituído por Alfonso Cano.

Para piorar a situação da guerrilha, milhares de seus membros desertaram. As Farc chegaram a ter 17 mil integrantes, mas hoje não passam de 9.000, segundo as autoridades.
Agência Estado

Rizzolo: A atuação das Farc na Colômbia está sendo duramente combatida pelo governo de Uribe. É claro que a Colômbia conta com a ajuda estratégica dos EUA, contudo a disposição do governo colombiano em não negociar com a guerrilha, esta a cada dia gerando mais resultado. Ao contrário do que Chavez apregoava, a conciliação, o entendimento, Uribe bate forte ” falando a mesma língua” dos guerrilheiros que na verdade, não passam de terroristas. Nesse universo do combate a guerrilha, a esquerda da América Latina ainda tem as Farc como ” grupo libertador”, o que é uma besteira muito grande, do tamanho da concepção retrógrada e visão política defasada, aonde as posturas radicais tomam formas de redenção. Por esta razão é que os países da América Latina inclusive o Brasil são tímidos em relação a uma crítica mais enfática em relação as Farc. Já disse várias vezes neste Blog, que não podemos assemelhar nosso discurso com o chavismo. Mas o petismo e a esquerda de Ipanema aceitam isso?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

<span>%d</span> blogueiros gostam disto: