Expulsão de embaixador foi ‘grave erro’, dizem EUA

WASHINGTON – O presidente da Bolívia, Evo Morales, cometeu um “grave erro”, que prejudicou “seriamente” a relação com os Estados Unidos ao expulsar o embaixador americano, afirmou nesta quinta-feira, 11, o Departamento de Estado dos EUA. “A ação do presidente Evo é um grave erro, que prejudica seriamente a relação bilateral”, disse o porta-voz do Departamento de Estado, Sean McCormack, lendo um comunicado.

Evo anunciou na quarta-feira a expulsão do embaixador Philip Goldberg. “Eu pedi a nosso chanceler que envie ao embaixador uma mensagem informando-o da decisão do governo nacional e do presidente de que ele precisa retornar ao seu país”, afirmou o presidente em um discurso no Palácio Quemado, em La Paz.

“Sem medo de ninguém, sem medo do império. Hoje, diante de vocês, diante do povo boliviano, declaro o senhor Goldberg, embaixador dos EUA, ‘persona non grata'”, continuou Evo, classificando Goldberg como “especialista em estimular conflitos separatistas.”

Segundo o presidente, o embaixador americano trabalhou entre 1994 e 1996 como “chefe de escritórios do Departamento de Estado para a Bósnia durante a guerra separatista dos Bálcãs” e entre 2004 e 2006 foi chefe de missão em Pristina, Kosovo. “Ali consolidou a separação ou independência dessa região, deixando milhares de mortos.”

“Esta decisão que tomamos é uma homenagem à luta histórica de nossos povos há 500 anos, 200 anos, como também há 20 anos. É uma luta permanente contra um modelo econômico imposto de cima e parafora”, destacou Evo.

O líder boliviano acusa o governo dos Estados Unidos de fomentar o separatismo no país, aprofundando a crise boliviana. Washington negou qualquer ação nesse sentido, considerando as declarações “sem fundamento”. Evo expulsou o embaixador no mesmo dia em que uma explosão em um gasoduto no sul do país prejudicou o envio de gás ao Brasil. O governo qualificou o ato como um “atentado terrorista” e culpou a oposição.
Agência Estado

Rizzolo: É interessante observar o ” modus operandi ” mental de Evo Morales, quando enfim finaliza as conclusões sempre procurando na história, um ” nexo causal” para dar legitimidade as suas teorias conspiratórias. Afirmar, que o embaixador americano trabalhou entre 1994 e 1996 como “chefe de escritórios do Departamento de Estado para a Bósnia durante a guerra separatista dos Bálcãs” e entre 2004 e 2006 foi chefe de missão em Pristina, Kosovo, e ali consolidou a separação ou independência dessa região, deixando milhares de mortos, é uma elucubração esquerdista que salta aos olhos de qualquer trotskista ou stalinista. Baseado em que afirma isso? Tudo a reboque dos chavões “anti imperialistas”, aquelas coisas antigas, ao som de fundo de uma canção de Mercedes Sosa. Enfim chega a ser hilário, o pior é a esquerda brasileira aplaudindo esse teatro.

Bem fez os EUA, em responder na mesma moeda ao expulsar o embaixador da Bolívia. Um leitor fez uma brincadeirinha a meu respeito, disse que meu final, por falar o que me dá na cabeça, um dia será como o do Goldberg. Se depender daqueles que flertam com a falta de democracia, e como não sou diplomata, realmente vou ter que ir para Israel.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: