Queda em Wall Street causa sexta-feira negra nas Bolsas da Ásia

Em meio a pior semana para o mercado financeiro desde o início da crise, as Bolsas da Ásia acabaram a semana com fortes perdas em uma verdadeira sexta-feira negra para os investidores. Em Tóquio, o maior mercado da região, a Bolsa caiu ao seu mais baixo nível em 21 anos seguindo a derrocada em Wall Street nesta quinta (9).

O índice Nikkei, que mede os negócios da Bolsa japonesa, desceu 11,3% nas primeiras horas da manhã, aos 8,115.41 pontos; no fim do dia, o indicador fechou em 9,62% negativo, aos 8.276,43. De acordo com a agência de notícias Reuters, os negócios foram os piores desde o crash de 1987. Tóquio fecha no vermelho há sete pregões consecutivos e vê uma queda acumulada de quase 20% só nesta semana.

Os mercados na Austrália, na Tailândia e nas Filipinas operavam todos com quedas superiores a 7%. A Coréia do Sul fechou o pregão com recuo de 4,13%. Xangai (China) encerrou o dia em baixa de 3,57%. Hong Kong terminou a sexta-feira em baixa de 7,19%, aos 14.796,87 pontos.

Na região, a crise provocou a primeira queda de uma seguradora. Em meio a uma dívida de 269,5 bilhões de ienes (US$ 2,7 bilhões), a japonesa Yamato Life Insurance pediu falência. Além disso, o BoJ (Banco do Japão, o Banco Central do país) foi obrigado a realizar sua 18ª injeção seguida de dinheiro para aliviar a situação econômica no Japão.

Hoje foram mais 4,5 trilhões de ienes (US$ 45,367 bilhões), o que soma mais de 334 trilhões de ienes (cerca de US$ 332 bilhões) colocados no mercado desde a derrocada do banco de investimento americano Lehman Brothers.

“Isto é pânico. Em Nova York não há nada mais em que confiarmos”, disse Takashi Ushio, do Marusan Securities. “Os investidores estão loucos atrás de recuperar algum dinheiro. Um fio de confiança se transformou em pânico.”

O investidor Kenji Akasaka afirmou que nunca viu nada igual na Bolsa de Tóquio em mais de 40 anos. “Eu rezei antes de ir dormir [na quinta-feira] para que o Dow Jones se recuperasse”, disse. “Perdi o sono, pensando nas perdas.”

Recessão

Fato é que o Dow Jones, principal indicador da Bolsa de Nova York, afundou 7,33%, aos 8.579,19 pontos, ontem. A retração arrastou os mercados (no Brasil, inclusive) e deve provocar efeitos ainda maiores nesta sexta, segundo analistas.

O acumulado de sete dias do Dow Jones, cujas quedas somam 20,9%, são os maiores desde 1987 –quando a queda foi de 23,8%, em 20 de outubro.

“Não há chão para os mercados atualmente”, disse Francis Lun, da Fulbright Securities em Hong Kong. “E não há qualquer indicação quando isso vai parar.”

A última notícia que pesou foi a revisão dos “ratings” (notas dadas por agências especializadas) das montadoras GM (General Motors) e Ford. A Standard & Poor’s rebaixou o da GM e colocou a nota da Ford em perspectiva negativa.

Além disso, os operadores citaram o pessimismo com o início da temporada de divulgação dos balanços de grandes bancos americanos. Temem-se os novos rombos com os créditos “subprimes” (dado a pessoas com histórico de inadimplência, a raiz da crise nos EUA).

Outra fonte de preocupação entre os analistas americanos veio dos números dos pedidos semanais de seguro-desemprego no país. O volume caiu em 20 mil na semana passada, mas o total está em níveis que, segundo analistas, indicam que a economia ou está perto da recessão ou já se encontra em uma.

As novas quedas ocorrem mesmo após a ação coordenada inédita, o Federal Reserve (banco central dos EUA), o BCE (Banco Central Europeu), entre outros bancos centrais, decidiram um corte extraordinário e conjunto de juros, para animar as respectivas economias. A decisão, embora tenha recebido elogios de analistas que pediam um ação global para deter a crise financeira, teve efeitos restritos sobre o dia dos mercados financeiros.

Folha online

Rizzolo: É uma satisfação estar ao lado de vocês novamente depois de um jejum por mais de 24 horas. Porém, ao que parece, a situação no mercado financeiro mundial não aponta ter cedido em nada, muito pelo contrário, a reação das Bolsas da Ásia denotam a profundidade da crise. As novas medidas de regulamentação baixada ontem em reunião extraordinária do Conselho Monetário Nacional (CMN), são boas, segundo elas, a autoridade monetária poderá impor, caso julgue necessário, medidas como: proibir novas linhas de negócios, obrigar o banco a vender ativos, suspender a distribuição de dividendos e proibir a concessão de aumentos salariais para os administradores. As normas também deixam claro que não serão aceitos créditos “podres”dos bancos. Na verdade, essas exigências estão em linha com as práticas já adotadas na Europa e nos Estados Unidos, que por sinal pouco efeito até agora surtiram.

Contudo, uma questão preocupante, é o efeito da desvalorização do real como componente inflacionário e sua inter – relação nas taxas de juros, bem como o custo financeiro repassado, e neste caso existem duas variantes: uma de aumento outra de corte das taxas; pode ser que a queda nas commodities, supra um efeito de alta dos juros. Não acredito que o governo terá sucesso a médio prazo em conter a alta do dólar, e questiono até que ponto é valido as maciças e sistemáticas intervenções no mercado de câmbio, disponibilizando as reservas cambiais, sem ter uma noção da profundidade da crise.

De qualquer forma, governo nestes últimos dias tem reagido bem, mas vale lembrar que os 208 bilhões de dólares, de reservas, podem não ser suficientes para o buraco que hoje desespera até a Ásia. Economia é antes de tudo sensibilidade, e nas crises saem melhor aqueles que exergam longe, e hoje no Brasil a questão cambial é o principal problema, e poderá se tornar, a porta de entrada para os maiores desafios a serem enfrentados.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: