Quando o Liberalismo se torna pouco Liberal

Os mais dignos expoentes da teoria marxista, sempre se ativeram ao estudo das mais diversas formas de como a partir do capitalismo, atingirmos um ideal socialista. Para tanto, desde os escritos de ” O Capital” de Marx até os postulados de Lênin, a perspectiva de uma sucessão de ocorrências, e a observação pontual de cada uma delas levaria, segundo eles, a uma convergência ao socialismo; ou em última instância, à uma economia planificada onde o Estado seria a viga mestre da inspiração de uma sociedade mais justa.

Ainda me lembro jovem, como inocênte útil, quando das discussões sobre o papel do Estado se faziam presentes na Universidade ; se éramos surpreendidos com um questionamento liberal ao acaso, a respostas vinham de forma concreta. ” Você está com muitas contradições “, afirmavam os mais velhos socialistas, de olhar sombrio, sobre as velhas cadeiras em reuniões nos chamados ” coletivos”. O tempo passou. E quem diria ? Aquelas contradições, a que os mais ferrenhos comunistas se rebelavam, tornou-se hoje o menor caminho entre dois pontos. Entre o liberalismo e o estatismo.

Quando os estudiosos do socialismo poderiam prever que, ao invés das lavagens cerebrais, dos gritos de ordem, das lutas armadas no sentido de combater a exploração do “homem pelo homem”, aquelas idéias liberais reacionárias, poderiam se tornar o melhor instrumento para um repensar no papel do Estado na sociedade liberal ?

A regulação dos setores financeiros pelo Estado, sua participação, e seu papel agora apregoados pelos liberais em pânico, surpreenderam a esquerda no mundo. De certo as medidas acabaram ” esvaziando” um pouco a legitimidade ideológica esquerdista, pois que partiu-se dessa feita, a participação do Estado, de uma análise empírica, e até financista, sem nenhum componente propriamente social, mas o pior, de uma visão conservadora de se manter um sistema capitalista em ” frangalhos”.

Uma nova estirpe de economistas e pensadores surgem no esteio pensante de Paul Krugman, Nobel de Economia . A dos economistas que, embora não defendam uma economia planificada, entendem que o mercado não só precisa ser regulado, mas que de certa forma, é incapaz de promover o bem-estar social sozinho. Fico imaginando como seriam as discussões de outrora, se algum comunista sugerisse deixar o mercado à vontade, e tentasse com isso provar que tal medida levaria o liberalismo a o Estatismo. Provavelmente seria fuzilado, ou na pior das hipóteses morto como Trotsky, que por sinal, também jamais ousou pensar nessa teoria, assim ” tão reacionária “. (risos..)

Fernando Rizzolo

Publicado em Artigos de Fernando Rizzolo, últimas notícias, Brasil, construtoras em crise, cotidiano, Crise, Crise Financeira, crise imobiliária no Brasil, crise na China, crise nos bancos brasileiros, cultura, Direito Internacional, economia, estatização dos bancos no Brasil, mundo, News, notícias, Política, política internacional, Principal. Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Leave a Comment »

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: