China anuncia pacote econômico de US$ 586 bilhões

A China aprovou um pacote de estímulo à economia de 4 trilhões de yuans, o equivalente a US$ 586 bilhões, para ser usado até 2010 para impulsionar a demanda doméstica, segundo informações da agência oficial de notícias Xinhua veiculadas neste domingo (9).

Como estava previsto, os investimentos serão concentrados em infra-estrutura e bem-estar social. A agência não informou como o gasto extra será financiado. O pacote também inclui aumento no financiamento a pequenas e médias empresas.

Segundo a Xinhua, a China investirá 100 bilhões de yuans em construção nacional neste trimestre e 20 bilhões de yuans no ano que vem para a reconstrução em áreas atingidas por desastres naturais.

Neste sábado, em São Paulo, onde participa da reunião do G20 financeiro, o presidente do banco central da China, Zhou Xiaochuan, disse que o país quer manter sua taxa de expansão econômica, que deve ficar entre 8% a 9% em 2009.

Preocupada com a desaceleração de sua economia e com a crise global, a China anunciou no fim de outubro o segundo corte da taxa de juros no mês, de 0,27 ponto percentual na taxa de juros –a taxa de empréstimos para um ano caiu, assim, de 6,93% para 6,66%.

O PIB chinês cresceu 9,9% entre janeiro e setembro deste ano em relação ao ano passado, 2,3 pontos percentuais a menos que no mesmo período de 2007.

Assim, o pacote de medidas destinadas a estimular a economia abrangerá até 2010 dez programas de impulso à vida da população, como casas para pessoas de baixa renda, infra-estruturas rurais, rede de transporte, ambiente, inovação tecnológica e reconstrução posterior aos desastres naturais.

O teto creditício dos bancos comerciais também será suprimido, a fim de canalizar mais empréstimos para projetos prioritários, no interior do país, em pequenas e médias empresas, fusões e aquisições.

Taiwan

Em Taiwan, o banco central do país, inesperadamente, reduziu a taxa básica de juro em 0,25 ponto percentual neste domingo, para 2,75% ao ano, quarto corte em pouco mais de um mês.

A decisão do BC de Taiwan ocorre depois que as exportações do país registraram, em outubro, a primeira queda na comparação anual em três anos e meio, e a inflação desacelerou para o menor nível em um ano.

Folha online

Rizzolo: O governo chinês com este pacote pretende se resguardar dos efeito da crise. A economia chinesa não tem a característica do consumo, portanto com a diminuição das exportações a canalização dos produtos ao mercado interno é de certo modo mais complicado, o conceito de poupança na China está enraizado. Com este pacote, o governo pretende estimular o mercado interno .

É uma boa notícia. Observa-se que os emergentes não aceitam uma diminuição do crescimento econômico, e de tudo fazem para estimula-lo, mas as perdas já são enormes, e o tamanho da crise ainda ninguem sabe, como afirmou o presidente do Banco Mundial, Zoellick, a crise financeira iniciada em setembro chegou definitivamente aos países em desenvolvimento, nos quais agora está tendo um efeito “dramático”. “Há um sentimento muito forte de que o mundo em desenvolvimento está sendo atingido significativamente pela desaceleração”.

Por aqui o frio continua intenso, principalmente à noite. Já nos jornais deste domingo, aqui na França, o que mais se fala é sobre a crise e o País em relação aos demais países da europa. O Le Journal des Finances dedicou um artigo enorme neste domingo, sobre Obama e seus desafios na economia americana. Todos preocupados, hein !

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: