Charge do Sponholz para o Jornal da Manhã (PR)

auto_sponholz

Dólar descola de cenário externo e fecha em alta

SÃO PAULO (Reuters) – O dólar fechou em alta de quase 1 por cento frente ao real nesta segunda-feira, mesmo com um leilão do Banco Central e o cenário mais otimista nos mercados globais.

A moeda norte-americana fechou na cotação máxima do dia, de 2,50 reais, com avanço de 0,81 por cento.

Nos primeiros negócios, o dólar chegou a cair quase 2 por cento seguindo o otimismo disseminado pelos mercados a partir da expectativa de um pacote de investimento do governo dos Estados Unidos em infra-estrutura e de ajuda a montadoras.

Na segunda parte da sessão, entretanto, o mercado de câmbio reverteu a tendência, dando margem para a realização de um leilão de venda de dólares pelo Banco Central.

“Acho que o mercado estava chamando o BC”, afirmou o diretor de câmbio de uma corretora em São Paulo que preferiu não ser identificado.

Analistas têm apontado como principal causa da forte volatilidade apresentada pelo mercado de câmbio nos últimos dias uma espécie de “disputa” entre investidores e BC, num contexto de saída de recursos.

“Tem um componente bastante forte: os investidores estrangeiros, que apresentam uma posição muito elevada apostando no dólar pressionado”, observou Hélio Ozaki, gerente de câmbio do banco Rendimento.

Segundo os dados mais recentes atualizados pela BM&F, os investidores estrangeiros sustentavam mais de 13 bilhões de dólares em posições compradas no mercado futuro de dólar. Na prática, essa exposição significa uma aposta na alta da moeda norte-americana.

Ainda nesta segunda-feira, o Banco Central realiza uma pesquisa de demanda para a realização de um eventual leilão de contratos de swap cambial na terça-feira, com o objetivo de rolar um lote de contratos que expira no início de janeiro.

Folha online

Rizzolo: O governo não está conseguindo controlar o alta do dólar. Em relação à flutuação cambial, não é verdadeira a idéia de que, em qualquer circunstância, um país pode ter vantagens com o câmbio flutuante. A China, por exemplo, que teoricamente sofreria mais com a crise internacional que o Brasil, pois sua economia depende mais das exportações, tem a vantagem de sua moeda não ter sido desvalorizada frente ao dólar nesta crise. Foi a única moeda dos países emergentes. A crise atual está colocando em xeque o próprio sistema de câmbio flutuante adotado pelo Brasil. O problema não é a flutuação, mas a forte volatilidade que está ocorrendo.

Cachorros demonstram ‘inveja’ e ‘ciúme’, diz estudo

LONDRES – Cachorros podem farejar situações injustas e apresentar uma emoção simples similar à inveja ou ciúmes, relataram pesquisadores austríacos na segunda-feira.

Cães zangaram-se e recusaram-se a “cumprimentar” outros cachorros que ganharam prêmios, caso eles não ganhassem também, disse o psicólogo de comportamento animal Friederike Range, da Universidade de Viena, que liderou o estudo sobre emoções caninas.

“É um sentimento ou emoção mais complexa do que normalmente atribuiríamos a animais”, disse Range.

O estudo, publicado na revista Proceedings of the National Academy of Sciences, também mostrou que os cachorros se lambem ou se coçam e agem de modo estressado quando se vêem sem os prêmios dados a outros cachorros.

Outras pesquisas já haviam mostrado que os macacos geralmente expressam ressentimento quando um parceiro recebe uma recompensa maior por executar uma tarefa idêntica, desferindo golpes ou ignorando o que percebem como uma recompensa inferior.

Em uma série de experiências com diferentes raças de cachorro, os pesquisadores observaram como dois animais sentados lado a lado reagiam a recompensas desiguais após dar a pata ao pesquisador.

Os cachorros não premiados lamberam a boca, bocejaram, coçaram-se, mostraram outros sinais de estresse e pararam de executar a tarefa, afirmou Range.

Para demonstrar que isso não era apenas por que os animais não ganhavam comida, os pesquisadores então testaram os cachorros sozinhos e descobriram que, nessa situação, os cães invejosos cooperavam por mais tempo antes de parar.

“Realmente diz respeito à distribuição desigual da recompensa”, disse Range. “Se fosse apenas frustração, eles parariam ao mesmo tempo.”
Agência Estado

Rizzolo: Os cães estão a cada dia estão se humanizando mais. Isso nos faz refletir o quanto devemos aos animais, que possuem tammbém verdadeiros sentimentos como os seres humanos. Em especial aos cães, a humanidade a eles deve muito. Muito alegam que sou um pessoa religiosa e ingênua, mas quando observamos o comportamento dos seres vivos, vemos refletida a imagem de Deus. Leia artigo meu : Um cão chamado Kalev, bem perto do coração

Construção civil continua em crise e aumenta o número de demissões

Por causa da crise financeira, aumentou o número de desempregados na construção civil. As incertezas agora fizeram as construtoras adiarem os lançamentos que estavam previstos para o início de 2009. E os reflexos já começaram.

Desde setembro até a última sexta-feira, o Sindicato dos Trabalhadores da Construção Civil de São Paulo já registrou quase 4 mil demissões sem justa causa. O número é 30% maior do que a média do primeiro semestre. Na Região Metropolitana de Porto Alegre, só em outubro, mil trabalhadores foram dispensados.

Para evitar mais demissões, o conselho que administra o FGTS liberou R$ 3 bilhões em crédito para construtoras e empreiteiras. Por meio de fundos de investimento, o dinheiro poderá ser usado a partir de primeiro de janeiro. Os juros menores são para as empresas que construírem imóveis de até R$ 130 mil. Quem ganha até R$ 2 mil por mês poderá comprar a casa própria com juros menores. Tudo para aquecer o setor.
Band News

Rizzolo: O setor imobiliário continua a sentir o impacto da crise. A falta de crédito, e a falta de confiança do investidor na solidez das construtoras, derrubaram o segmento. Hoje poucos são os dispostos a investir em imóveis temendo o ” efeito Incol” nas construtoras. O que observamos é que as maiores do segmento, já sofrem problemas financeiros, e as menores não sabemos, mas podemos imaginar. O melhor por hora é ficar longe desse mercado que tende a piorar. Guarde seu dinheiro, e durma tranquilo.

Publicado em últimas notícias, Bancos não emprestam dinheiro, construtoras dão notebook, construtoras dão notebook e som, construtoras e o " efeito Incol", construtoras em crise, cotidiano, Crise Financeira, crise imobiliária no Brasil, crise no Brasil, crise nos bancos brasileiros, economia, empreedimento Parque Cidade Jardim, FHC: crise vai crescer de forma exponencial, imóveis, mercado imobiliário em crise, News, Parque Cidade Jardim, Política, Principal, residencial Parque Cidade Jardim. Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Leave a Comment »

Serra comemora pesquisa e diz que resultado é “fotografia do momento”

O governador de São Paulo, José Serra (PSDB), comemorou nesta segunda-feira o resultado da pesquisa Datafolha divulgada hoje que indica o tucano na liderança para a eleição presidencial de 2010.

“É bom estar na frente numa pesquisa, mas tenho presente que faltam dois anos para a eleição e que pesquisa é uma fotografia do momento. Estar bem na foto não é ruim, evidentemente que me agrada”, disse o tucano.

Serra lidera a pesquisa com taxas que variam de 36% a 47%, conforme o cenário. O segundo colocado, deputado Ciro Gomes (PSB), caiu de cinco a seis pontos, enquanto a ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff (PT), subiu cinco pontos e varia hoje de 7% a 12%. A ex-senadora Heloísa Helena (PSOL) manteve-se estável.

No cenário em que Serra é o nome do PSDB, o tucano subiu de 38% para 41%, enquanto Ciro caiu de 20% para 15%. Heloísa Helena manteve seus 14%, e Dilma subiu de 3% para 8%.

“Eu não fiz nada para chegar nesse patamar, nem estou preocupado em como me manter. Minha preocupação é trabalhar aqui em São Paulo, é me desempenhar o melhor possível como governador para corresponder às expectativas da eleição. Eu tive quase 60% dos votos no primeiro turno, é uma responsabilidade enorme”, afirmou Serra.

O tucano disse ainda que não estar preocupado com articulações nacionais. “A todo momento ficam me pondo nessas coisas. Tem eleição no Senado, aí vem o pessoal e diz que estou por trás, mas isso é uma tendência natural. Tem fatos até que eu ignoro e fico sabendo pela imprensa que eu que estou articulando.”

O governador lançou hoje, no Palácio dos Bandeirantes, a Investe São Paulo, a Agência Paulista de Promoção de Investimentos e Competitividade, para atrair novos investimentos e expandir empresas já instaladas no Estado.

Folha online

Rizzolo: O governador paulista José Serra (PSDB) reforçou sua condição de candidato favorito à sucessão presidencial em 2010 após as eleições municipais nas quais reelegeu Gilberto Kassab prefeito de São Paulo, consolidando sua aliança com o DEM, a menos de dois anos da eleição, Serra lidera com taxas que variam de 36% a 47%, conforme o cenário, e isso é muito bom para o PSDB.

Contudo o PT já fala em ” despejar” a culpa pela atual crise no ” neoliberalismo”, ou seja, no PSDB e no DEM, dizem que vão bater forte com este argumento para neutralizar o discurso conservador. O que é uma bobagem, porque a crise se deu em âmbito internacional, e relacionar a questão dos derivativos tóxicos com PSDB e DEM quem acabará se intoxicando é o próprio PT.

Crise global pode elevar Brasil a 8ª economia do mundo

– A crise econômica global pode elevar a economia brasileira da décima para a oitava posição no ranking das maiores economias do mundo, segundo um estudo divulgado nesta semana pela consultoria britânica CEBR (Centro para Pesquisas Econômicas e de Negócios).

De acordo com o estudo, que faz previsões sobre o comportamento das principais economias do mundo neste e no próximo ano, o PIB (Produto Interno Bruto) do Brasil ultrapassaria os PIBs de Espanha e Canadá, dois países fortemente atingidos pela crise.

O CEBR prevê uma queda ligeira do PIB brasileiro entre 2008 e 2009 em dólares (de US$ 1,7 trilhão para US$ 1,6 trilhão), mas ainda assim bem menor do que a maioria das principais economias globais.

O estudo prevê ainda uma queda acentuada da Grã-Bretanha no ranking das maiores economias globais, da quinta para a sétima posição, e do Canadá, que passaria da nona para a 13ª posição.

Além do Brasil, a Índia também ganharia duas posições no ranking entre 2007 e 2009, tornando-se a décima maior economia mundial em termos absolutos.

Ajuste

O estudo do CEBR não leva em consideração a chamada “paridade do poder de compra”, que ajusta os valores absolutos do PIB de acordo com o custo de vida em cada país.

No ranking das maiores economias do mundo feito pelo Banco Mundial, levando em consideração a “paridade do poder de compra”, o Brasil já seria hoje a nona economia do mundo, pouco atrás da Grã-Bretanha.

Se esse ajuste for levado em consideração, a economia brasileira poderá ultrapassar a da Grã-Bretanha até 2009, segundo a análise do CEBR.

Mais prejudicadas

O CEBR prevê que as economias da Grã-Bretanha e da Itália devem ser as mais prejudicadas pela atual crise econômica. Segundo o estudo, os PIBs de ambos países devem levar 18 trimestres para retornar ao nível registrado no pico.

A Espanha teria 16 trimestres com o nível econômico abaixo do pico, a Alemanha passaria 14 trimestres nessa situação e o Canadá, 12. No caso dos Estados Unidos, a retomada econômica seria mais rápida, com nove trimestres nos quais o PIB ficaria abaixo do seu maior nível já registrado.

O Brasil, por sua vez, seria um dos menos atingidos, passando dois trimestres com seu PIB em dólares abaixo do nível registrado no pico, segundo o estudo.

Das dez maiores economias atualmente, apenas a China escaparia de uma queda no PIB. BBC Brasil / Agência Estado

Rizzolo: É uma ótima notícia só que em face à crise mundial. Ainda temos muito que se fazer no Brasil, muito embora melhores que outros, o maior problema atualmente, são as despesas públicas de custeio e de pessoal que subiram muito nos últimos anos, criando uma restrição fiscal ao aumento do investimento público como forma de ajudar a reativar a economia. A promessa do presidente, de não gastar um centavo de custeio, chega tarde e há aumentos salariais já garantidos aos funcionários públicos, que vão elevar em R$ 40 bilhões a folha salarial nos próximos anos.

Lula: governo vai dar crédito a empresas que geram mais empregos

BRASÍLIA (Reuters) – O presidente Luiz Inácio Lula da Silva prometeu nesta segunda-feira que o governo vai agir para assegurar a oferta de crédito para as empresas que geram mais empregos.

“Vamos fazer com que as indústrias que produzam e gerem empregos tenham o crédito necessário, para que a gente possa vencer esta batalha”, disse Lula em discurso antes de um almoço com oficiais de alta patente das Forças Armadas.

O presidente disse estar convencido de que em 2010 a atual crise financeira global será “coisa do passado”. “Até porque nenhum presidente vai aguentar mais de um ano com a crise nas costas.”

Reuters

Rizzolo: Um maior nível de crédito as empresas que geram mais empregos é importante, contudo não podemos deixar de investir naquelas empresas que potencialmente poderiam gerar mais se crédito tivessem. A difícil questão é fazer chegar o crédito à pequena e média empresa coisa que por hora apenas existe no discurso. O que o governo deve fazer agora é aumentar gastos de investimento, não de custeio. O presidente Lula disse que não aumentaria o gasto de custeio, mas já houve aumento antes. Nessa crise, se deve ter gasto com investimento.