Judeus e Palestinos temem que Brasil seja contaminado pelo conflito em Gaza

Judeus e palestinos temem que a ofensiva israelense na faixa de Gaza, que já dura 13 dias, seja refletida em ações violentas contra essas comunidades no Brasil. Historicamente, muçulmanos e israelitas convivem em paz e entendimento no país.

Entretanto, os judeus se sentem ameaçado por outros grupos. “Os grupos mais radicais de esquerda sempre nos ameaçam em momentos de conflito. Ligam, prometem por fogo na sede, nos ofendem”, conta Ricardo Berkiensztat, vice-presidente executivo da Federação Israelita de São Paulo. O que a comunidade judaica mais teme é o ataque às escolas.

Buenos Aires já sofreu dois graves atentados terroristas na década de 90. Em 1994, no mais grave deles, 85 pessoas morreram em um ataque a um centro cultural judaico. Dois anos antes, a Embaixada de Israel foi o alvo em uma ação que causou a morte de 29 pessoas.

Segundo Berkiensztat, nunca se sabe se algo semelhante poderia ocorrer no Brasil. “Foram ataques de interesses. Os mesmos interesses que motivaram o terrorismo em Buenos Aires poderia motivar aqui. Por isso, levamos à sério todas as ameaças” , conta. “Todos devem levar em consideração que somos judeus, mas somos brasileiros. Defendemos o Brasil”, completa.

Os palestinos também sofrem com preconceito, principalmente nos momentos que os conflitos se intensificam. Jamile Latif, representante da Federação das Entidades Palestinas no Brasil, conta que é comum ouvir piadas de mal gosto e comentários desfavoráveis por causa de seu sobrenome.

Apesar de o preconceito contra árabes ser maior em outros lugares do mundo, aos poucos, o Brasil começa a “importar” o ódio. “As produções de Hollywood nos mostram de forma depreciativa. Algumas pessoas se deixam influenciar por isso”, conta.

Folha online

Rizzolo: Realmente a preocupação é procedente, a esquerda radical na América Latina tem no bojo de sua ideologia atitudes de apoio a grupos extremistas. Os acontecimentos nos últimos dias dentre eles a declaração do PT, coloca a comunidade judaica numa condição ameaçadora o que tem sido alvo de condenação no exterior por órgãos judaicos de direitos humanos. Ricardo Berkiensztat, vice-presidente executivo da Federação Israelita de São Paulo como bem afirmou, teme pelo desenrolar dos acontecimentos e uma eventual transferência do conflito para cá, tudo porque o Partido dos Trabalhadores, como afirma o Centro Simon Wiesenthal, tem na sua liderança militantes que apoiam grupos estranhos e de pouco espírito democrático.

Publicado em últimas notícias, Brasil, comunidade judaica responde ao PT, conflito Israel, Conib reage ao PT, cotidiano, Direito Internacional, Direitos Humanos, Faixa de Gaza, Federação Israelita do Estado de São Paulo, Federação israelita reage contra o PT, geral, Judaismo, judeus indignados com o PT, mundo, News, notícias, Política, política internacional, Principal, PT dá apoio a Palestinos judeus reagem, vaticano e os judeus. Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . 2 Comments »

Problemas na economia global se aprofundam

LONDRES – Dados econômicos desanimadores na Europa e números frustrantes de vendas do varejo em dezembro nos Estados Unidos abatiam os mercados financeiros nesta quinta-feira e aumentavam o espaço para mais estímulo dos governos e cortes de juro.

O Banco da Inglaterra, que cortou a taxa básica de juro de 2,0 por cento para o patamar recorde de 1,5 por cento, avaliou que a economia mundial parece estar passando por um raro declínio sincronizado.

“Medidas para a confiança do empresário e do consumidor fracassaram notavelmente. O crescimento do comércio mundial neste ano tende a ser o mais fraco por um tempo considerável”, informou o Banco Central britânico em comunicado.

O Wal-Mart, maior varejista do mundo, divulgou vendas fracas em dezembro e cortou sua previsão de lucro trimestral, enquanto muitos outros varejistas também advertiram que seus lucros podem ser piores que o esperado no quarto trimestre, que inclui a temporada-chave de compras de fim de ano.

A Comissão Européia divulgou mais cedo que a confiança nos 15 países da zona do euro caiu para patamar recorde de baixa em dezembro, em meio ao aumento da taxa de desemprego.

A Alemanha mostrou que as encomendas no setor manufatureiro caíram mais que o esperado, em 6,0 por cento em novembro, golpeadas pelo colapso da demanda doméstica e externa. As exportações também tiveram baixa recorde em novembro, enquanto a demanda por veículos e outros produtos de grande peso recuou.

A maior economia européia e maior exportadora do mundo divulgou a maior queda mensal em suas exportações desde sua reunificação em 1990, levando o euro a cair frente o dólar.

Os dados econômicos pessimistas também devem reforçar as expectativas de uma redução profunda do juro pelo Banco Central Europeu (BCE) no dia 15.

Enquanto isso, o número de desempregados na Espanha superou 3 milhões pela primeira vez e as perspectivas são de uma piora desses dados em 2009, segundo o governo.

Por outro lado, o número de trabalhadores norte-americanos que deram entrada em novos pedidos de auxílio-desemprego caiu inesperadamente em 24 mil na semana passada, mostraram dados do governo.

O número de pessoas que continuam recebendo o benefício, no entanto, aumentou para um novo recorde em 26 anos.

Os dados de auxílio-desemprego não foram suficientes para amenizar os temores de que um relatório mais abrangente, que será divulgado pelo governo na sexta-feira, pode mostrar a maior queda nos números de emprego em 59 anos.

Agência Estado

Rizzolo: Os dados econômicos não mentem a Alemanha por exemplo, divulgou que em novembro houve uma redução de 10% nas exportações na comparação com outubro. As importações também caíram 5,7%. Isso fez com que o superávit comercial do país, que é o principal motor da Europa, despencasse de 16 bilhões para 9 bilhões de euros. Restultado muito pior que a estabilidade prevista pelos economistas.

Também em novembro, o desemprego na Zona do Euro subiu para 7,8%. Na Espanha, a taxa está acima de 13%, o que siginifica mais de 3 milhões de pessoas desempregadas. Para se ter uma idéia do tamanho do problema, quase 1 milhão de pessoas perderam o emprego ao longo de 2008. Já no Japão, a empresa de componentes eletrôncios TDK anunciou que vai demitir 8 mil pessoas de suas fábricas no exterior.

No que diz respeito ao Brasil, segundo o Financial Times, o Brasil está ” bem colocado” para enfrentar a crise, há um ano o Brasil parecia a muitos investidores “como um modelo de descolamento (decoupling)”, explicando que o sistema financeiro do país “tinha pouco contato com a crise do subprime dos Estados Unidos ou investimento bancário no mundo desenvolvido”. Isso pode ser verdade em parte, contudo hoje o Brasil passa por uma crise de confiança principalmente em alguns setores como o imobiliário, que sofre com a crise que atinge as construtoras, um problema sério e preocupante.