Corte na GM pode ser início de onda de demissões em montadoras, diz professor

Anunciadas hoje pelo sindicato de metalúrgicos da região, as 744 demissões na fábrica da General Motors em São José dos Campos (interior de São Paulo) podem ser o início de uma onda de cortes de pessoal nas montadoras que operam no Brasil. A avaliação é de Arthur Barrionuevo, professor de microeconomia da FGV-SP (Fundação Getúlio Vargas).

“Não faria sentido nenhum demitir por causa da crise na matriz porque a GM do Brasil produz fundamentalmente para a demanda doméstica”, afirmou.

Desta forma, os principais motivos para o corte estariam ligados a uma queda das vendas no país e à redução da oferta de crédito, que também ganhou taxas de juros maiores.

O professor lembra que os números referentes ao último trimestre do ano passado já revelavam desempenho reduzido na venda de veículos nos meses de novembro e dezembro. As demissões seriam, portanto, um ajuste à demanda atual ante a menor confiança do consumidor e o crédito mais restrito.

Segundo informação divulgada pela Fenabrave (Federação Nacional de Distribuição de Veículos Automotores) na semana passada, as vendas do mês de dezembro no setor automotivo caíram 16,39% em relação a 2007.

“Se o cenário não mudar, tudo indica que as outras montadoras farão a mesma coisa. O quadro de funcionários estava no nível necessário para atender à demanda anterior”, completa Barrionuevo.

Folha online

Rizzolo: Nesta semana saem os indicadores do quarto trimestre de 2008 e as perspectivas para 2009 não são boas. E como a bolsa brasileira é carregada em commodities, ela acaba caindo mais do que as outras . Em relação as bolsas europeias. as mesmas fecharam em queda, as dos Estados Unidos operam no vermelho perto do fechamento. Na semana passada, a Bovespa teve um comportamento diferente, conseguiu se descolar do resto do mundo, mas voltou a ter queda, notícias como esta da GM pode realmente ser o início de uma onda de demissões principalmente nas montadoras, o cenário não é nada bom.

O governo demorou muito para agir achando que a crise no Brasil não passava de uma ” marolinha” ademais ao invés de nas últimas semanas agir com mais firmeza, o presidente apenas apregoava um otimismo infantil . Esse efeito demissionário poderá se alastrar entre o empresariado em virtude da fragilidade do cenário econômico mundial e interno, bem como a inércia perceptível na tomada de decisões.

Há de se promover uma suspensão do pagamento de tributos e também segurança jurídica para os acordos trabalhistas setoriais que estão sendo firmados entre empresas e trabalhadores para evitar demissões. O difícil é conter a inércia na tomada de decisões por aprte do governo.

Publicado em últimas notícias, Banco Central, Bancos não emprestam dinheiro, Brasil, construtoras dão notebook, construtoras dão notebook e som, construtoras e o " efeito Incol", construtoras em crise, cotidiano, Crise, Crise Financeira, crise imobiliária no Brasil, crise na China, crise no Brasil, crise nos bancos brasileiros, economia, Fiesp, geral, imóveis, LUla e a popularidade, Política. Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Leave a Comment »

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: