Toda caneta tem tinta – Coluna Carlos Brickmann

Coluna de domingo, 19 de julho

O ditador Getúlio Vargas foi deposto em outubro de 1945. Como não tinha vice, o presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro José Linhares, assumiu o poder por 93 dias, até a posse do novo presidente a ser eleito (foi o marechal Eurico Gaspar Dutra, que tinha sido ministro da Guerra da ditadura).

Foram 93 dias; e Linhares deve ter ficado com tendinite, de tanto assinar nomeações de parentes. Em seu curto mandato resolveu definitivamente o problema de empregos da família toda. A piada que corria nas ruas do Rio, então capital da República, era uma rima: “Os Linhares? São milhares!”

Perguntaram ao presidente se, com a nomeação em massa de parentes, não temia sujar sua biografia. Linhares foi objetivo: “Fico na Presidência por alguns dias, mas com minha família vou conviver o resto da vida”.

E nem sujou a biografia. Em 31 de janeiro de 1946, há quase 64 anos, deixou a Presidência e reassumiu seu posto no Supremo. Foi presidente do STF por mais cinco anos, de 1951 a 1956, saindo apenas às vésperas de sua morte. Pesquise-se no Google, há referências a múltiplas homenagens: rua José Linhares, escola José Linhares, praça José Linhares, hospital José Linhares, num total de 73 mil citações. Há alguma coisa sobre a incansável caneta de Sua Excelência, mas a maioria absoluta das citações se refere à história oficial, a seu papel histórico e às homenagens que lhe foram, e são, prestadas em todo o Brasil.

Lembrando o passado deste país, fica bem mais fácil entender tudo.

O meu, o nosso

Certa vez, um grupo de funcionários públicos se reuniu no pátio do Palácio dos Bandeirantes com o governador paulista Adhemar de Barros. O líder do grupo puxou um discurso imenso. Adhemar tomou-lhe o maço de papéis, garantindo: “Deixa que eu leio em casa”. Em seguida, dirigindo-se ao grupo, praticamente encerrou a reunião: “Eu sei por que vocês vieram aqui. Vocês querem aumento, não é? Mas eu não tenho dinheiro agora. Mais tarde pode ser”.

O detalhe importante é o pronome: não é “o Governo não tem dinheiro”. É “eu não tenho dinheiro”. Ao comandar a receita e a despesa, é como se o dinheiro fosse dele, de sua pessoa física. No Congresso, quanta gente pensa assim?

Campanha, não

Junia Nogueira de Sá, assessora próxima do governador paulista José Serra, comenta a nota “Serra em campanha”, da última quarta, dizendo que ele não é candidato nem está em campanha. É um debate que Serra, segundo Júnia, “já qualificou de prematuro e infrutífero para as reais necessidades do país” – que são crescer, gerar empregos e enfrentar a crise. A carta de Júnia, ótima jornalista, está, na íntegra, aqui.

Boa notícia 1A crise existe, é muito mais que uma marolinha, mas o Brasil mantém alguma geração de empregos – ou seja, vai melhor que a maior parte do mundo. De acordo com dados oficiais, junho é o terceiro mês consecutivo em que há criação de empregos, com saldo positivo de 119.495 novas vagas.

Boa notícia 2

A Justiça aperta o cerco a empresas que desrespeitam os consumidores.

1 – Em Taquara, RS, os supermercados Rissul foram condenados a restituir o preço de um pão mofado (R$ 2,39), somado a danos morais de R$ 14 mil. A empresa sabia que o pão estava vencido, tanto que, sobre a etiqueta de validade original, colou outra, para fingir que o pão era fresco.

2 – A Vivo bloqueou indevidamente o celular de um consumidor. Condenada a restituir-lhe a linha, sob pena de multa diária de R$ 350, não tomou qualquer providência. Quando a Justiça exigiu o pagamento, a Vivo tentou um agravo (uma espécie de recurso) e foi derrotada: vai ter de pagar.

3 – Uma empresa financeira de Cuiabá foi condenada por obrigar as funcionárias a vestir-se com roupas sensuais e a insinuar-se junto aos clientes, para facilitar a realização de negócios. Uma das funcionárias denunciou o assédio e a empresa foi condenada a pagar-lhe R$ 37 mil de indenização. A funcionária recorreu e, no Tribunal de Justiça, a indenização passou a R$ 80 mil.

Os carolas

Projeto aprovado pela Assembléia Legislativa da Paraíba obriga os parlamentares a “refletir sobre a Bíblia” por cinco minutos, antes de cada sessão. O autor da proposta, Nivaldo Manoel, é do PPS, antigo Partido Comunista Brasileiro. Ele acredita que “a palavra de Deus ajudará a melhorar o ânimo dos colegas”.

A lei é inconstitucional, por privilegiar as religiões que seguem a Bíblia e esquecer que o Estado é laico. E é desnecessário: em muitas casas legislativas há gente tão religiosa que não vota nenhum projeto se não tiver um terço nas mãos.

A difícil coincidência

Adelino de Santi Jr., leitor atento desta coluna, lembra que no dia 7 de agosto de 2009 haverá não uma, mas duas sequências raras: além de, às quatro horas, cinco minutos e seis segundos, termos hora e data de 04:05:06 – 07/08/09, haverá ainda, às 12h34m56s, a série 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8 e 9. Vamos tentar a mega-sena?

Carlos Brickmann é Jornalista, consultor de comunicação. Foi colunista, editor-chefe e editor responsável da Folha da Tarde; diretor de telejornalismo da Rede Bandeirantes (prêmios da Associação Paulista de Críticos de Arte, APCA, em 78 e 79, pelo Jornal da Bandeirantes e pelo programa de entrevistas Encontro com a Imprensa); repórter especial, editor de Economia, editor de Internacional da Folha de S.Paulo; secretário de Redação e editor da Revista Visão; repórter especial, editor de Internacional, de Política e de Nacional do Jornal da Tarde.

Uma resposta to “Toda caneta tem tinta – Coluna Carlos Brickmann”

  1. Eliseu2009 Says:

    Sobre o Linhares, seus milhares, o Sarney e seus familiares.
    Se estes nomeados ao menos trabalhasse seria muito bom. Será que isso ocorre? Acho muito difícil.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: