Descobrindo a Cura

*Por Miriam Karp

Ele não é o próximo Jonas Salk, mas Dr. David Lazerson, conhecido como Dr. Laz, é um verdadeiro médico judeu do qual qualquer mãe se orgulharia. Sua singular receita de cura não está à venda nas farmácias, mas é bastante eficaz para levantar o espírito das pessoas, incluindo a juventude da periferia em perigo.

A CURA (CURE, em inglês) em quatro palavras simples significa “Comunicação, Compreensão, Respeito e Educação”.

Dr. Laz conquistou sua capacidade de curar durante anos ensinando em Buffalo, estado de Nova York, uma cidade desafiadora. Anos depois, David utilizou sua experiência com a comunidade negra durante as rebeliões de 1991 em Crown Heights, construindo pontes de comunicação a partir de cinzas fumegantes e cacos de vidro.

Seu espírito indômito, que o faz destacar-se onde quer que vá, fez com que fosse o homem certo na hora exata e no lugar correto, trabalhando com Richard Green na Juventude Coletiva de Crown Heights e Sr. Paul Chandler do Centro Jackie Robinson. Seu humor, engenhosidade e espírito aberto foram testados. Poderiam eles construir vínculos em meio ao ódio e suspeitas?

As ferramentas que se mostrariam inestimáveis na obra educacional inovadora de David foram adquiridas durante sua infância em Buffalo. Quando adolescente era um músico entusiasmado, amante da aventura e esportes radicais, e tornou-se professor de salva-vidas, mergulho submarino, tirolesa e sobrevivência na selva. Após algum tempo numa banda de rock e uma busca meio ao estilo hippie por religiões alternativas, ele sossegou para terminar seu bacharelato na Universidade de Buffalo. No último ano ele fez um curso sobre misticismo judaico com o rabino de Chabad Nosson Gurary.

“Discutimos durante todo o semestre, mas eu nunca pude realmente vencê-lo,” lembra David. “Rabino Gurary era esperto demais, sincero e engraçado demais. Ele abriu meus olhos para a percepção de que eu não tinha ideia da profundidade e espiritualidade do Judaísmo. Após a formatura fui à yeshivá fazer uma experiência de três semanas, e terminei ficando por três anos!”

A primeira visita de David a sala de estudos de uma yeshivá deu-lhe uma percepção revolucionária que ampliou sua carreira como educador inovativo.

“Eu não podia acreditar que aquela era uma sala de estudos! Silêncio? Não perturbe? Ora, aqueles rapazes estavam estudando em voz alta, gesticulando, andando de um lado para outro, sem nenhum professor de pé falando ou controlando.” Em vez de ouvirem passivamente, os chavrutas (parceiros de estudo) brigavam com o texto, debatiam e trocavam ideias. “Ninguém dorme nessas aulas,” notou ele.

Depois da yeshivá, o Rebe de Lubavitch o orientou a completar um Mestrado em Educação Especial. “Eu sempre tinha me sentido discriminado, Quando estava na escola, era deixado de lado, quase sempre com problemas, e era hiper-ativo. Entrei em Educação com uma promessa – “Não deixarei meus alunos entediados!”

CURA:
Crianças alienadas “impossíveis de ensinar”
David completou seu Mestrado e trabalhou em escolas públicas em Buffalo para CURAR a “ralé” da escola com sua sala de aula dinâmica, esportes e currículo repleto de ação. Seu estilo de estudo chavruta como na yeshivá, baseado em pares, animou os alunos, colocando-os na nova posição de ensinar e servir de modelo para os alunos mais novatos, a quem ajudavam. O sucesso retumbante de David atraiu a atenção nacional, sendo mencionado na seção de educação do New York Times, e nomeado “Professor do Ano”, em Buffalo. Ele relata a saga engraçada e comovente da interação do jovem chassid e seus alunos “da rua” em seu primeiro livro, “Kipot e Canivetes”.
Dr. Laz mais tarde tornou-se Diretor de Educação Especial na Escola Manhattan, e estava morando em Crown Heights – “ponto zero” – quando irromperam os tumultos.

Após uma semana de rebeliões David encontrou-se com Richard e Paul. “Não temos outros compromissos exceto aproximar nossos jovens. A imprensa nos pintou como inimigos de morte e ajudou a aumentar a confusão, mas sabíamos ter muito em comum. Nosso primeiro encontro reuniu 30 rapazes negros e judeus sentados em círculo. O clima era tenso e acalorado. Mas quando o encontro terminou, ninguém queria ir embora. Algo verdadeiro estava acontecendo. Eu senti que havia esperança.”

CURA:
Tensões Raciais
O grupo de discussão evoluía à medida que crescia a compreensão. Times de basquete em conjunto, projetos de arte mural, e um grupo teatral criaram o nome que já era o caminho de David na vida: o Projeto CURA. O amor de Laz, Green e Chandler pela música, esportes, diversão e a promessa da juventude era uma fórmula vencedora.

O time de basquete da CURA, formado por negros e judeus de Crown Heights, jogou dois anos seguidos durante um intervalo do NY Knicks, e tem jogado para o Congresso dos Estados Unidos, a Convenção Democrata e foi apresentado em Donahue, Montel Williams, CNN e ESPN. Aproveitando a mensagem do Prefeito Dinkins para “promover a paz!” eles continuam a jogar e a divulgar sua mensagem de harmonia racial.

David manteve um diário de suas experiências com as rebeliões e o crescimento da CURA, intitulado “Partilhando o Terreno”. Showtime comprou os direitos do diário e produziu um filme, “Crown Heights”, que capta a tensão e esperança. Três das canções originais de Laz são apresentadas no filme, que com estrelas de shows da TV e o comediante Howie Mandel desempenhando o Dr. Laz.

A dedicação de Dr. Laz ao usar a formula CURA para curar uma plateia ainda mais ampla o levou a Miami no final dos anos 90 para criar um programa de orientação vocacional pós Ensino Médio chamado Centro Devorah Leah, e para desenvolver um programa para crianças gravemente incapacitadas no Quest Center nas escolas públicas no Condado de Browad.

O “Coral Cante e Assine” de Laz inclui autistas, mudos, pessoas com Síndrome de Down e outras crianças deficientes que usam a Linguagem dos Sinais para “cantar” a música. Desenvolveu um sistema para seus alunos com profundos desafios físicos para usar chaves adaptadas, como joelho e cabeça, que ativam tambores e efeitos de luz. Estes músicos singulares tocam em lares de idosos e escolas públicas, onde a plateia é “encantada, e não resta um olho seco na sala”. Uma mulher idosa ficou tão comovida pela sincera expressão das crianças que inspirou-se a ponto de levantar da cadeira de rodas pela primeira vez em dois anos, para dançar!

“Estas crianças são os melhores professores e advogados para elas próprias. Sensibilizam os outros a verem que elas realmente são pessoas e tem algo para dar,” entusiasma-se David. “A música é a linguagem realmente universal da alma, e essas crianças estão trazendo essa mensagem para nós.”

Em 2007 Dr. Laz foi agraciado com o título de “Professor do Ano” paras as escolas públicas do Condado Broward, o quinto maior distrito escolar do pais. Seus alunos se apresentaram para mais de 1.000 pessoas neste evento especial. Em 2008, Dr. Laz foi um dos cinco professores selecionados de todo o país para ser homenageado no Hall da Fama dos Professores.

A abordagem animada de David rompe todos os tipos de barreiras – raciais, de deficiência e culturais. Recentemente ele tocou na Suíça, onde o rabino o advertiu: “Os suíços são muito, muito peculiares e reservados. Eles não apreciam música barulhenta.” Para total surpresa do rabino, Dr. Laz os fez dançar em suas cadeiras!

Uma de suas obras é um teatro experimental inovador, multi-sensorial, projetado para engajar e comunicar-se com as crianças mais tímidas. Desde a chegada de Dr. Laz ao Quest Center seis anos atrás, ele se tornou um dos professores mais prolíficos do país. Escreveu e recebeu mais de 16 concessões para sua escola e programa experimental de música, totalizando mais de $ 600.000.

CURA:
Menores Infratores podem doar
Dr. Laz recentemente aplicou o sistema de estudo chavruta do Talmud num programa experimental, no qual jovens em centros de detenção ensinavam a outros. Houve profundas mudanças para as crianças com fichas criminais, “que pela primeira vez foram colocadas numa situação de responsabilidade.” Após publicar um artigo sobre o estudo num jornal educativo de destaque, Laz recebeu perguntas sobre seu método “novo, sensacional”, e teve de rir. “Meu método é um tanto antigo, foi lançado quando Moshê aprendeu Torá com D’us no Monte Sinai – os primeiros parceiros de estudo!”

David preenche seu “tempo livre” dando cursos de graduação em Educação Especial na New University, e cursos desafiadores de tirolesa em acampamentos de verão. Ele continua a fazer palestras e promover jogos em Shabatons em todo o mundo, tanto individualmente quanto pelo Projeto CURA.

CURA:
Crianças Hiper-ativas
David aconselha pais para ajudar seus filhos hiper-ativos. Ele acha que a medicação tornou-se uma panaceia que é aplicada cedo demais, antes de explorar opções como educação eficaz, pessoal e relevante. “Descubra a paixão das crianças. Dê-lhes uma chance de desenvolverem seu talento especial, através de lições de música, artes marciais e outros cursos. Tive um aluno que era considerado um caso perdido. Ensinei-o a trabalhar como salva-vidas, e ele adorou. Quando sua paixão foi despertada e sua confiança restaurada, ele progrediu até trabalhar numa Equipe de Emergência Médica. Hoje ele ganha $100.000 por ano como assistente de um médico famoso.”

“O muito que pode fazer uma pessoa hiper-ativa,” diz ele, “alguém cheio de energia e amor à humanidade é aumentar a paz e ajudar ‘os oprimidos’ e deixar que sua luz brilhe.” Esta é uma das metas atingidas pelo Dr. Laz que o torna um médico bastante eficaz.
Está se sentindo por baixo, fora de sincronismo ou sem inspiração?
Tente a CURA!
Fonte: Site do Beit Chabad

Tenham um sábado de paz !
Fernando Rizzolo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: