Renunciei, mas não fui eu – Coluna Carlos Brickmann

Como todos os Estados, São Paulo tem três senadores. Ao contrário da maioria dos Estados, São Paulo não tem nenhum senador.

Aloízio Mercadante mostrou que, comparadas com ele, Rita Cadillac e a Mulher-Melancia nada têm a exibir. Rugiu truculento para Lina Vieira, miou para o presidente Lula. E seu estridente protesto contra o voto pró-Sarney, a renúncia à liderança do PT, não resistiu a uma conversa com o presidente. Como na famosa camiseta de Lobão (o cantor, não o governista), ele fez, mas não foi ele.

E os outros? Eduardo Suplicy, fundador do PT, crítico feroz da falta de ética dos outros, desta vez não foi aos microfones do Senado nem para cantar Bob Dylan. Não atacou o Governo – e também não o defendeu (aliás, com certa razão: Suplicy não é Dilma, tem mestrado e doutorado de verdade, mas nunca foi chamado por Lula para ocupar qualquer cargo). Silenciou. Não se sabe se está ao lado de Renan Calheiros ou de Aloízio Mercadante, de Collor ou de Flávio Arns.

O terceiro senador, como uma pesquisa no Google pode revelar, é Romeu Tuma, o Xerife, ex-superintendente da Receita Federal – que, diante de um problema que envolveu a Receita Federal, silenciou. Mas Tuma, faça-se justiça, é fiel a seus princípios. Quando seu partido, o PFL, mudou de nome para Democratas, Tuma saiu e foi para o PTB. Um homem como ele, delegado que comandou o Dops na ditadura militar, não aceitaria jamais ser chamado de Democrata.

E qual dos três jamais apresentou um projeto de interesse do Estado?

Nova face

Na quinta, o senador Aloízio Mercadante dizia que a decisão de deixar a liderança do PT era “irrevogável”. Na sexta, revogou o irrevogável, porque o presidente Lula o considera “imprescindível”. Pode ser – mas Mercadante, por bom tempo o principal assessor econômico do candidato Lula, que desistiu de disputar um mandato para ser seu vice numa eleição perdida, jamais recebeu um convite irrevogável de Lula para dar sua imprescindível colaboração no Governo.

A escolha de Sofia

Parafraseando Winston Churchill, no caso do Conselho de Ética foi oferecida ao PT a opção entre perder a ética ou as eleições. Preferiram perder a ética, e podem ter desperdiçado boa parte das chances de não perder as eleições.

Alegria, alegria

Não leve a sério as notícias de que o governador paulista José Serra, do PSDB, estaria preocupado com a possibilidade de também perder votos para Marina Silva. Serra está feliz, feliz: Marina é um problema do PT. O PSDB não tem nada a perder. E, se houver algo a ganhar, é dele.

O novo nome

O presidente da Federação das Indústrias, Paulo Skaf, sonha com o Governo paulista. Acha que é a Terceira Via entre PT e PSDB, e que seu nome pode ser o fato novo nas eleições. Por enquanto, nome novo mesmo é o do publicitário contratado pela Fiesp para reformular a imagem da entidade (e, quem sabe, popularizar seu presidente): é José Eduardo Mendonça, segundo as informações oficiais. O novo nome é este; o nome antigo, mais conhecido, é Duda Mendonça.

Os velhos tempos

Dizia-se, há alguns anos, que o Milagre Alemão tinha sido obtido graças à escolaridade, à disciplina, a aptidão dos alemães para a indústria. O Milagre Japonês se devia à persistência, à capacidade de trabalho e de estudo árduo dos japoneses. Já o Milagre Brasileiro era milagre, mesmo.

Duda Mendonça já fez milagres com candidatos como Paulo Maluf, Fernando Collor, o presidente Lula. Desta vez, é convidado a fazer um milagre, mesmo.

Caros hermanos

A cada vez que o presidente Lula visita o compañero boliviano Evo Morales, é preciso sacar a carteira. Desta vez, el regalo começou com US$ 330 milhões, para que Evo Morales possa construir uma estrada. E, na mesma reunião, Morales pediu mais US$ 300 milhões pelo gás natural que vende ao Brasil, isso numa época em que os reservatórios estão cheios e o consumo de gás caiu. Na opinião do presidente boliviano, a Petrobras – cujas refinarias no país ele mandou ocupar militarmente, sem indenização – é também devedora da Bolívia.

Cuidado com a carteira

O Governo Federal está pensando em trazer de volta aquele velho aspirador do bolso dos cidadãos: o Imposto do Cheque, agora com o nome de CSS e a alíquota (no início) de 0,1%. E, como de hábito, para torná-la mais palatável, a arrecadação seria destinada “exclusivamente à saúde”. O filme é o de sempre; mas desta vez, no lugar do ministro Adib Jatene, o astro da campanha é o ministro José Gomes Temporão. Por sorte, as eleições vêm aí: os parlamentares, já com problemas de imagem, dificilmente aprovarão neste momento um novo imposto.

Boa notícia

Guarde este endereço: http://www.europeana.eu. Acaba de ser inaugurada a Biblioteca Multimídia Européia, com mais de dois milhões de obras e consulta gratuita, em todas as línguas da Europa – inclusive Português.

Carlos Brickmann é Jornalista, consultor de comunicação. Foi colunista, editor-chefe e editor responsável da Folha da Tarde; diretor de telejornalismo da Rede Bandeirantes (prêmios da Associação Paulista de Críticos de Arte, APCA, em 78 e 79, pelo Jornal da Bandeirantes e pelo programa de entrevistas Encontro com a Imprensa); repórter especial, editor de Economia, editor de Internacional da Folha de S.Paulo; secretário de Redação e editor da Revista Visão; repórter especial, editor de Internacional, de Política e de Nacional do Jornal da Tarde.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: