Promotor Igor é preso em São Paulo após oito anos foragido

SÃO PAULO – O ex-promotor de Justiça Igor Ferreira da Silva, condenado em 2001 a 16 anos e quatro meses de prisão pela morte de sua mulher, foi preso em São Paulo na tarde desta segunda-feira, 19. O crime aconteceu em 1998. Desde que foi condenado, o promotor estava foragido.

Na madrugada de 4 de junho de 1998, em Atibaia, Igor matou a mulher Patrícia Aggio Longo, 27 anos, grávida de sete meses, com dois tiros na cabeça na estrada de um condomínio. Ele alegou na época que fora surpreendido por um ladrão, que havia levado Patrícia como refém.

Igor desapareceu em abril de 2001, quando passou a ser procurado pela Divisão de Capturas da Polícia Civil. Notícias mostraram, sem comprovação, que ele teria sido visto em Santa Catarina, no Paraná e até mesmo no Paraguai.

A Procuradoria-Geral de Justiça denunciou o promotor por homicídio qualificado e por aborto. Em 18 de abril de 2001, foi condenado a 16 anos e quatro meses de reclusão pelo Órgão Especial do Tribunal de Justiça de São Paulo, com imposição de perda do cargo. Foi a primeira vez na história que um promotor foi julgado por homicídio perante o TJ.

A defesa tentou, em um recurso especial, a revisão do caso pelo Tribunal de Justiça de São Paulo. Mas a Sexta Turma do Superior Tribunal de Justiça considerou válida a pena de mais de 16 anos de reclusão.

Em 2006, o Órgão Especial do TJ decretou a perda do cargo de promotor. O mandado de prisão do ex-promotor tinha validade até 17 de abril de 2021, quando então prescreveria a condenação.
agencia estado

Rizzolo: O promotor Igor Ferreira da Silva, foi condenado a 16 anos e 4 meses de prisão pelo assassinato da mulher, Patrícia Aggio Longo, grávida de sete meses, em 4 de junho de 1998, na cidade de Atibaia (60 km de SP). Sob o pretexto de cortar caminho, o promotor na época ingressou com sua caminhonete numa estrada de terra próxima à rodovia Fernão Dias. Lá disse ter sido rendido por um assaltante. Sua mulher teria sido seqüestrada e morta por razões ignoradas. A prisão do promotor traz à tona novamente o caso que repercutiu muito na época.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: