Número de mortos em tiroteio em base militar no Texas sobe a 12

Pelo menos 12 pessoas morreram e 31 ficaram feridas nesta quinta-feira (5) em um tiroteio na base militar de Fort Hood, em Kileen, no estado americano do Texas, segundo Bob Cone, porta-voz da base. Boletim anterior falava de 9 mortos.

O atirador, um militar, está entre os mortos. Ele teria sido identificado como o major Hassan Malik, de cerca de 40 anos, mas ainda não há confirmação oficial.

Dois outros soldados foram presos como suspeitos, segundo o Pentágono.

O incidente ocorreu às 13h30 locais (17h30 de Brasília), cerca de meia hora antes de uma cerimônia de graduação de militares que iria ocorrer em um auditório da base, usado geralmente para dar “briefings” aos soldados.

Os ataques ocorreram em dois pontos próximo ao Centro de Processamento de Prontidão dos Soldados e ao Teatro Howze. O centro é o local onde os militares que são mandados para missões fora do pais fazem um último checkup médico.

“O atirador foi morto. Ele era um soldado. Desde então, nós detivemos dois outros soldados como suspeitos. Há testemunhas oculares de que pode ter havido mais de um atirador”, disse Cone.

Fort Hood fica entre as cidades de Austin e Waco, a cerca de 97 km de distância de cada uma delas.A base é uma das maiores dos EUA, abrigando cerca de 65 mil militares, e é usada para treinar militares que são mandados para os fronts antiterrorismo no Afeganistão e no Iraque. Cerca de 35 mil militares estavam na base na hora do ataque.

A base está fechada, segundo o seu site oficial -que saiu do ar pouco depois dos ataques. O espaço aéreo na região também está bloqueado, de acordo com a agência federal de aviação dos EUA.

O congressista republicano pelo Texas John Carter disse que a base acolhe alguns soldados que voltaram do Iraque e do Afeganistão com transtorno do estresse pós-traumático.

FBI

Pelo menos três agentes do FBI (a polícia federal dos EUA) foram mandados de Austin para a base. Eles devem determinar que recursos serão necessários para a investigação. O FBI descartou inicialmente a hipótese de terrorismo.

O FBI só tem jurisdição no caso se os envolvidos forem civis.
Globo

Rizzolo: O importante é entender que para se manter como uma potência internacional, um país precisa ter um potencial militar de relevo para atuar em locais onde existe insustentabilidade política. As grandes potências, e não apenas os EUA, procuram ter sua influência militar em locais ou regiões onde ainda estão em desvantagens, isso explica a tentativa da China e da Rússia em ter uma maior presença na América Latina. Obama com seu populismo barato, não sabe mais como lidar com o binômio paz e influência militar. É claro que isso influencia na moral da tropa americana, na forma de se sentirem militares, e acaba muitas vezes em tragédia dado às condições em que os EUA se encontram. Há que se averiguar com cuidado as causas desse ataque, mas uma coisa é certa, o péssimo governo Obama contribuiu para tudo isso.

Marina evita comentar críticas de Caetano a Lula

BRASÍLIA – A pré-candidata à Presidência senadora Marina Silva (PV-AC) evitou comentar as declarações do cantor Caetano Veloso contra o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, publicadas hoje no jornal O Estado de S. Paulo. Na entrevista, Caetano chamou Lula de “analfabeto” e afirmou que Dilma não tem “experiência” para ser presidente. Procurada pelo jornal, Marina apenas agradeceu o apoio de Caetano à sua candidatura. “Isso mais do que agrega, congrega. Quero registrar meu agradecimento pela avaliação positiva que Caetano faz do que ele considera minhas qualidades”, afirmou. “Quanto às opiniões dele que envolvem outras pessoas, não gostaria de discutí-las”, ressaltou.

Na entrevista, Caetano anunciou o voto em Marina Silva em 2010 com o seguinte argumento: “Marina é Lula e Obama ao mesmo tempo. Ela é meio preta, é uma cabocla, é inteligente como o Obama, não é analfabeta como o Lula, que não sabe falar”. O cantor ainda defendeu o “desbravamento” e a “vanguarda tecnológica” da Amazônia. A reportagem questionou Marina sobre essa posição de Caetano, mas ela preferiu não comentar o assunto.

O PT reagiu às declarações de Caetano Veloso. Incomodou aos petistas não só os ataques desferidos a Lula por um ex-eleitor do presidente, mas o apoio do músico à candidatura de Marina, uma recém-dissidente do partido e adversária da ministra Dilma Rousseff na corrida eleitoral de 2010. Antigo aliado de Marina no Acre, o senador Tião Viana (PT-AC) chamou o cantor de “preconceituoso” por declarar que votará na senadora porque ela “não é analfabeta como o Lula”. “Não é a primeira vez que o Caetano é ofensivo, preconceituoso. Ele passa uma visão elitizada de valores, sobretudo, os culturais”, afirmou Viana. “O presidente Lula é um dos homens mais inteligentes do País”, ressaltou.

O líder do PT na Câmara, Cândido Vaccarezza (SP), desprezou a influência de Caetano como formador de opinião política no País. “A posição dele não interfere na política. Ele é um compositor, marcou a minha geração, mas é apenas uma opinião política. É a opinião de um brasileiro. A maioria dos brasileiros admira o presidente Lula”, afirmou o petista. Ex-ministro da Educação de Lula e hoje um sutil opositor, o senador Cristovam Buarque (PDT-DF) condenou os termos usados pelo músico. “Ele foi grosseiro com o presidente. Não é esse o critério que me leva, por exemplo, a simpatizar com a Marina. O Caetano foi muito infeliz. O erro do Lula não foi ter pouca instrução formal, mas não ter feito as mudanças necessárias ao País”, frisou.

A oposição adotou um discurso de apoio, com ressalvas a Caetano. Elogiou o discurso eleitoral dele, mas evita alimentar a polêmica em torno da expressão “analfabeto”. O líder do PSDB no Senado, Arthur Virgílio (AM), sinalizou que Caetano optou pelo apoio a Marina no primeiro turno, mas conta com ele ao lado dos tucanos no segundo. “Achei a entrevista deliciosa. Eu louvo o bom gosto dele. Ele entendeu o espírito da votação em dois turnos. No primeiro turno vai com o coração. Depois, com o que acha melhor entre dois candidatos”, afirmou. “Só não concordo quando ele diz que Lula é analfabeto. Faz muito tempo que o presidente não é. Ele tem vivência, conheceu vários países, entende de jargões de economia”, disse o senador.
agencia estado

Rizzolo: Como já comentei e exauri essa questão, apenas ratifico minha posição em relação a essa descompostura de Caetano Veloso ao chamar o presidente de analfabeto. Precisamos construir um Brasil que começa desde o respeito à democracia e seus eleitos pelo povo, quanto as palavras mal utilizadas que podem servir de mau exemplo aos jovens nas críticas às personalidades que dirigem a nação. Respeito é a base para uma democracia saudável.

Caetano diz preferir Marina e chama Lula de ‘analfabeto’

SÃO PAULO – O cantor Caetano Veloso anunciou, em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, sua decisão de votar na senadora Marina Silva para a Presidência da República, que, segundo ele, é uma mistura de Barack Obama (presidente dos Estados Unidos) e Luiz Inácio Lula da Silva, a quem chamou de “analfabeto”. “Não posso deixar de votar nela. É por demais forte, simbolicamente, para eu não me abalar. Marina é Lula e é Obama ao mesmo tempo. Ela é meio preta, é cabocla, é inteligente como o Obama, não é analfabeta como o Lula, que não sabe falar, é cafona falando, grosseiro. Ela fala bem.”

Apesar de já ter divulgado sua preferência na eleição do ano que vem, Caetano afirmou que todos os nomes que têm se apresentado como possíveis sucessores do presidente Lula tem “nível bom”. “Vou falar em Aécio (Aécio Neves, governador de Minas Gerais pelo PSDB), de quem eu gosto muito. Talvez seja meu favorito entre os gestores. Porque acho que o Serra (José Serra, governador paulista, também do PSDB) talvez ficasse mais isolado que o Aécio. E a (ministra da Casa Civil e pré-candidata do PT) Dilma Rousseff talvez ficasse muito presa ao esquema estabelecido de ocupação dos espaços estatais pelo governo do PT.”

Ao falar sobre a capacidade da pré-candidata do PV de gerir o País, caso vença as eleições do ano que vem, o cantor afirmou que a senadora “é muito responsável e muito sensata”. “Se empenhar as energias para ganhar e se tornar capaz disso, ela levará a sensatez ao ponto de poder gerir. Suponho que agora ela não parece ter essa capacidade (de gerir), com as coisas como estão”, disse.
agencia estado

Rizzolo: O grande problema no Brasil de hoje, é a postura fútil e desrespeitosa que parte da sociedade brasileira aborda as questões políticas – sociais. Nesse esteio de pensamento, podemos observar a descompostura dos estudantes da Uniban, com a jovem de saia rosa numa afronta à privacidade do papel da mulher na sociedade, reagindo com violência e desrespeito e contrangimento. A mídia, as novelas, os filmes apregoam a insubordinação aos valores nacionais, morais, aos mais idosos, e claro, para gerar notícia, ser notado, alguns vão além, execrando figuras como a de um Presidente da República, chamando-o de analfabeto, desqualificando-o numa postura ao meu ver nada patriótica.

Não devemos confundir liberdade com desrespeito. Quando o cantor Caetano Veloso afirma que o Presidente da República, é “um analfabeto, grosso, que não sabe falar, cafona e grosseiro” agride a todos nós, não só ao presidente, afinal de contas, a figura de um Presidente da República, em qualquer país, deve ser preservada como medida de respeito cívico à nação. A falta de princípios, de religiosidade, de edução cívica, leva o mau exemplo aos jovens, que na sua licenciosidade chancelada por figuras públicas, entendem que tudo é válido, desde da agressão verbal ao presidente da nação até constrangerem mulheres de saia mais curta. Primeiro o respeito, depois a democracia.

Charge do Sponholz para o Jornal da Manhã

AUTO_sponholz