‘Dilma Rousseff não é líder, é reflexo de um líder’, diz FHC

SÃO PAULO – Um dia após ter provocado reação dos petistas com artigo publicado no jornal O Estado de S.Paulo em que criticava a estratégia que o governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva adota para as eleições deste ano, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso voltou ao ataque nesta segunda-feira, 8, colocando em xeque a capacidade de liderança da ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, pré-candidata do PT à sucessão presidencial. “Ela não é líder. É reflexo de um líder”, disse, antes de participar da inauguração da Biblioteca de São Paulo, espaço estadual que será inaugurado na tarde de hoje pelo governador de São Paulo, José Serra (PSDB). Indagado se considerava Lula um líder, FHC riu e respondeu: “Claro que sim, eu não sou bobo.”

Na entrevista que concedeu antes do início da cerimônia de inauguração da Biblioteca de São Paulo, situada no Parque da Juventude, Zona Norte da Cidade, Fernando Henrique fez também questão de comparar o currículo de Serra, pré-candidato tucano à sucessão presidencial deste ano, com o de Dilma Rousseff. “A Dilma ainda não teve possibilidade de mostrar liderança. Serra inspira confiança e tem liderança, já demonstrada no Ministério da Saúde, na Prefeitura de São Paulo e no governo do Estado.”

Apesar da clara defesa de Serra, o ex-presidente afirmou que o governador paulista deve manter a discrição sobre sua provável candidatura ao Palácio do Planalto. Questionado se Serra deveria mudar de atitude e falar sobre o pleito deste ano, FHC respondeu: “O PSDB tem de se posicionar. Tem candidato. (Mas) O governador tem de esperar um pouco mais.” O tucano esquivou-se, também, de definir uma data para o anúncio da eventual candidatura Serra.

O ex-presidente tucano foi evasivo também ao falar sobre o governador de Minas Gerais, Aécio Neves (PSDB). O mineiro postulava a vaga de candidato do PSDB nessas eleições presidenciais, mas desistiu da empreitada em dezembro. “Aécio está se dedicando a Minas Gerais. Seria deselegante dizer o que ele tem de fazer.”

Fernando Henrique voltou a reiterar pontos do artigo publicado no último domingo, 7, no Estado e disse que o governo Lula não promoveu mudanças com relação à sua administração. “Todos achavam que Lula mudaria tudo. Não mudou, seguiu adiante no que eu tinha feito. Eu achei bom”, ironizou. E continuou: “Eleição é futuro. Se (o PT) quiser, a gente compara, desde que seja dentro de um contexto, não há o que temer.”

O senador Aloizio Mercadante (PT-SP) nesta segunda-feira, 8, em Santos, na Baixada Santista, que a comparação dos resultados de programas e políticas públicas dos governos do tucano Fernando Henrique Cardoso e do petista Luiz Inácio Lula da Silva é positiva para o Brasil e para o PT. “Essa comparação vai fortalecer a campanha da Dilma (ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, pré-candidata à corrida presidencial)”.

O argumento de Mercadante é uma resposta ao debate entre os dois governos proposto por FHC em artigo publicado na edição do Estado do último domingo. “Eu acho que esse é um bom caminho que vai ajudar o Brasil a entender o discurso embutido em tudo que foi feito”, completou.

Agência Estado

Rizzolo: É impressionante a falta de argumentação da oposição. Ao tentar desqualificar Dilma, FHC mostra e sublinha as diferenças entre o governo tucano e o viés desenvolvimentista do governo Lula, ademais agindo dessa forma, o PSDB se distancia mais ainda do povo já cansado dos discursos vazios, descoloridos e pobres de uma oposição parca e perdida. Para surpresa de todos Dilma respondeu às acusações com moderação, e isso na realidade desconcertou a turma de FHC.

Após confusão com a PM, manifestantes se reúnem na Prefeitura

Depois do tumulto, contido por policiais militares com spray de pimenta, parte do grupo de manifestantes que protesta contra os alagamentos na cidade conseguiu entrar no prédio da Prefeitura de São Paulo, no Centro, na tarde desta segunda-feira (8). Antes disso, durante a confusão, um vereador e um deputado federal, os dois do PT, receberam o gás no rosto. O senador Eduardo Suplicy chegou para ajudar nas negociações.

O vereador José Ferreira, o Zelão, ainda foi agredido na cabeça duas vezes, como informou sua assessoria de imprensa. Já o deputado federal Carlos Zarattini foi atingido pelo spray, assim como outros manifestantes. A reunião na Prefeitura começou por volta de 15h.

Carregando uma garrafa cheia de água tirada do alagamento do Jardim Romano, bairro da Zona Leste bastante afetado com os temporais, o senador Suplicy afirmou: “Essa é a água que essas pessoas estão em contato, que causa uma série de doenças”. Ele prometeu empenho em marcar uma audiência entre Kassab e os manifestantes.

O protesto envolve cerca de 200 moradores de bairros alagados. Além do gás de pimenta, os policiais usaram cassetetes para conter o tumulto, que começou por volta de 14h. A PM formou um cordão de isolamento para afastar os manifestantes e a assessoria de imprensa da Prefeitura havia informado no início da confusão que as pessoas só seriam recebidas se o movimento fosse pacífico.

Revolta

Moradora do Jardim Pantanal, na mesma região do Jardim Romano, Clarice Ferreira, de 25 anos, estava revoltada com a ação da PM. “Estou com meu filho de 5 meses aqui e recebi gás de pimenta na cara. É um absurdo”. Ela levou ao protesto a filha de 9 anos. As duas vomitaram após o contato com a substância.

Outra moradora da região, Ana Paula Leite Rodrigues, de 36 anos, também foi atingia por spray no rosto. “Estamos aqui para reivindicar nossos direitos e acabamos agredidas”.
Globo

Rizzolo:A manifestação é legítima e reprimi-la com violência é uma tática autoritária contra o povo já sofrido pela falta de investimento e omissão do poder público. Só para se ter uma idéia, no Orçamento para 2010, o governador José Serra reduziu as verbas para o combate às enchentes de R$ 252 milhões (2009) para R$ 200 milhões. Além disso, através de dados do Sistema de Gerenciamento de Execução Orçamentária (Sigeo), a representação aponta que dos R$ 188 milhões previstos no Orçamento de 2009 para o desassoreamento do Rio Tietê – apontado por especialistas como uma das principais formas de combater as enchentes na capital paulista – o governo de São Paulo executou apenas R$ 82 milhões.

Traficantes matam trabalhadores de obras do PAC no Rio

RIO – Três operários foram executados por traficantes, esta manhã, quando chegavam para cumprir jornada de trabalho em obra do Plano de Aceleração Econômica (PAC) na favela Fazendinha, localizada no Complexo do Alemão, na zona norte do Rio. O local está sendo alvo de investimentos de cerca de R$ 600 milhões e já foi visitado pelo presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, e pela pré-candidata do governo ao posto, ministra Dilma Rousseff.

Segundo testemunhas, os assassinatos ocorreram quando quatro funcionários da construtora Lafarge chegavam às 7 horas, num carro modelo Saveiro, para render os colegas do turno da noite. Os traficantes teriam atirado no veículo porque confundiram os operários com bandidos de uma facção rival.

Três trabalhadores – um funcionário de manutenção, um cozinheiro e um motorista – morreram e outro foi baleado no joelho. William Siqueira Guimarães, de 33 anos, foi operado para a retirada da bala no Hospital Getúlio Vargas e seu estado de saúde é estável, sem risco de morte. Ele teria se fingido de morto para conseguir fugir. Policiais militares do 16º BPM de Olaria retiraram os corpos da favela Fazendinha no meio da tarde.

O Complexo do Alemão reúne 150 mil moradores, em 11 favelas e é um dos locais mais violentos da cidade do Rio. Os crimes ocorreram nas proximidades das obras de um teleférico de quase três quilômetros, com capacidade para transportar 30 mil pessoas por dia e que está sendo construído nos moldes das favelas de Medellín, na Colômbia.

O PAC prevê também a construção de 13 centros comunitários e sociais, seis creches, cinco escolas infantis, seis de ensino médio, uma profissionalizante e quatro centros de saúde, além do teleférico. A última visita de Lula às obras ocorreu no dia 22 de dezembro do ano passado, acompanhado da ministra, quando participaram das solenidades de inauguração de unidades habitacionais no Alemão.

Anteriormente, o presidente havia participado do lançamento das obras, em março de 2008, tendo retornado ao local em dezembro daquele mesmo ano.

Consideradas um sucesso pelo governo, as obras no local têm sido comemoradas pela ministra Dilma Rousseff, que já afirmou, em uma das visitas aos empreendimentos, em outubro do ano passado, que “o Alemão está sendo transformado em um verdadeiro bairro, de dar inveja a muitos bairros de classe média”.
agencia estado
Rizzolo:Não podemos aceitar que a marginalidade atrapalhe e intimide os trabalhadores do PAC no Rio. É claro que precisamos saber as circunstâncias desse crime bárbaro, já em outras circunstâncias isso ocorreu, o Poder Público não pode se deixar abater pela intimidação marginal.

Tucano acorda de madrugada para pagar mico em Washington

O líder do PSDB no Senado, Arthur Virgílio (PSDB-AM), acordou anteontem às 5h45 para um compromisso histórico: participar de um café com o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama. O encontro foi divulgado pela assessoria do tucano com ares de seleto evento: “Arthur Virgílio encontra-se esta semana com Obama e parlamentares americanos”. “Foi uma bobagem da minha assessoria”, admitiu o senador pelo telefone, direto de Washington.
Pompa ou não, o fato é que o tucano ficou a 50 metros de distância do governante americano em mais uma edição do tradicional National Prayer Breakfast(1).

No 58º encontro, mais de 3 mil autoridades e personalidades de 160 países estiveram presentes ao luxuoso Hotel Hilton para celebrar as bênçãos de Deus. Com forte apelo religioso, o evento tem por objetivo valorizar as instituições norte-americanas. Desde a terça-feira até hoje, os inscritos participam de uma série de palestras, encontros e orações — muitas orações.

Arthur Virgílio e o presidente da Comissão de Relações Exteriores (CRE), o tucano Eduardo Azeredo (MG), convidados por um comitê do Congresso norte-americano, sentaram-se bem na frente. Ouviram atentamente o discurso de 15 minutos de Obama. O presidente dos EUA lamentou a “erosão da civilidade” no debate político na nação, para quem está crescendo um sentimento que “alguma coisa está se quebrando” em Washington.

“Alguns de nós em Washington não estão servindo às pessoas como deveríamos”, afirmou Obama, num ovacionado discurso. “Às vezes, parece que somos incapazes de escutar um ao outro, em vez de ter um debate sério e civilizado.” Ele conclamou os cidadãos a ajudar as vítimas da tragédia no Haiti. O líder do PSDB gostou do que ouviu. “Obama é carismático”, disse, ao ressalvar que lá “a oposição que os republicanos fazem é muito pior que o PT fazia quando era oposição ao governo Fernando Henrique Cardoso (1995-2002)”.

Apesar da suntuosidade do hotel, local onde o evento ocorre desde a década de 1980, os tucanos contentaram-se com um café frugal. Serviram-lhes torta, pão com requeijão, café e leite. Arthur voltará ao Brasil neste domingo (7).

Fonte: Correio Braziliense
Rizzolo:Comentário rápido como a viagem: esse é o PSDB, ir até lá para ouvir bobagens de Obama, um presidente já desacreditado, perdido, desaprovado . Ops…..ao invés de qualificá-lo presidente por lapso mencionei “candidato” e os tucanos acharam que com isso poderiam desqualificar meu cometário, denotando dessa forma, uma postura desesperatora ao se apegarem a qualquer coisa , até em atos falhos.

Charge do Paixão para o Gazeta do Povo