Garis da Paraíba processam Boris Casoy por dano moral

Boris Casoy, âncora da TV Bandeirantes, vai ser processado por mais uma ação na Justiça por causa do seu comentário acintoso contra os garis feito no final do ano. O autor da ação é o gari paraibano Demilson Emídio dos Santos.

“Na contramão da época de confraternização, o Sr. Boris Casoy trouxe ao promovente a sensação de impotência, desvalorização humana e humilhação”, diz a ação contra Boris. “Boris Casoy trouxe ao promovente, bem como a toda sua família, danos profundos. Os seus familiares perceberam o quanto o renomado jornalista, formador de opinião pública, pensa a respeito de tão nobre e indispensável profissão”, diz a ação, ajuizada no dia 28/01 na 8ª Vara Cível da Comarca de Campina Grande/PB.

O advogado José Dinart Freire de Lima, que junto à advogada Miriam de Souza Lima é responsável pelo processo de Demilson Emídio dos Santos, declarou em entrevista ao Portal Imprensa que, sob sua tutela, somente na cidade de Campina Grande, existem outras 12 ações de garis indignados com Casoy.

Na edição do Jornal da Band em 31 de dezembro de 2009, Casoy, sem saber que o microfone estava aberto, fez um comentário sobre os desejos de boas festas que dois garis fizeram para a população. “Que merda. Dois lixeiros desejando felicidades… do alto de suas vassouras… Dois lixeiros… O mais baixo da escala do trabalho”, disse Casoy naquele dia.

Após o episódio, ele apresentou um pedido de desculpas, mas os garis e suas lideranças perceberam que era uma encenação, rejeitaram o pedido e entraram na Justiça com duas ações civis públicas pedindo indenização de R$ 500 mil cada. Numa terceira ação, os dois garis, Francisco Gabriel da Silva e José Domingos de Melo, também entraram com pedido de indenização por danos morais cada um. As ações foram ajuizadas pelo departamento jurídico do Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Prestação de Serviços do Estado de São Paulo (Siemaco-SP) e da Federação Nacional dos Trabalhadores em Serviço, Asseio e Conservação, Limpeza Urbana, Ambiental e Áreas Verdes (Fenascon).

“A atitude arrogante e discriminatória do apresentador humilhou não apenas os trabalhadores da limpeza urbana representados pelos companheiros Francisco Gabriel da Silva e José Domingos de Melo como todos aqueles que executam serviços de mão-de-obra como auxiliares de limpeza, porteiros, serventes, zeladores, copeiras, profissionais da construção civil, frentistas e tantos outros que são à base da pirâmide e que contribuem com o desenvolvimento do país graças a sua força de trabalho”, afirmou em nota o Sindicato.

O advogado José Dinart Freire de Lima explicou que todos os 13 pedidos de indenização na Paraíba possuem textos idênticos e se apoiam no princípio de que “todo o gari pode se manifestar, pois a ofensa foi contra a categoria”, não especificamente a um profissional.

Em reportagem da revista O Cruzeiro, de 9 de novembro de 1968, Boris Casoy é apresentado como membro do Comando de Caça aos Comunistas (CCC). O CCC, uma organização fascista, promoveu ataque à peça Roda Viva, de Chico Buarque, no Teatro Ruth Escobar, em São Paulo, no dia 18 de julho de 1968, explodiu bombas na ABI (Associação Brasileira de Imprensa), no teatro Opinião e no teatro Glaucio Gil, que apresentava a peça “Os Inconfidentes”.
jornal Hora do Povo

Rizzolo: É inadmissível alguém ter uma visão discriminatória como a do jornalista, porém entendo que está havendo um certo exagero, a frase não era para estar no ar, poderia ser uma opinião sua, uma brincadeira, ou até uma opinião real daquilo que estava vendo, agora transformar isso num em ações judiciais, em danos morais, é uma tolice sem tamanho, o grande problema da esquerda no Brasil é se aproveitar das tolices e não aprofundar o questionamento dos problemas principais, a opinião do jornalista não tem a importância ideológica que os aproveitadores querem atribuir.

Especialista vê chance de Dilma passar Serra em um ou dois meses

Há uma curva descendente no caminho do pré-candidato do PSDB à Presidência da República, o governador José Serra, enquanto é crescente a curva similar em relação à candidatura da ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, o nome do PT e do presidente Luiz Inácio Lula da Silva para disputar a sucessão presidencial deste ano. O mapeamento é do cientista político Marcus Figueiredo, coordenador do laboratório de pesquisas eleitorais do Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro (Iuperj).

“Serra sofreu uma variação positiva até o início de 2009. A partir daí, há uma tendência constante de queda”, afirma em entrevista ao iG. Assim, Figueiredo prevê que, em um ou dois meses, caso não haja uma inversão das duas tendências, a ministra Dilma Rousseff deve ultrapassar o governador José Serra na média das pesquisas eleitorais. Segundo Figueiredo, o governador paulista precisará sair da “encolha” e explicitar que é candidato à sucessão de Lula “o mais rapidamente possível”. Mesmo que faça isso logo depois do carnaval, o cientista político acredita que as pesquisas de março continuarão mostrando a ascensão da ministra da Casa Civil.

A projeção põe mais lenha na acalorada disputa entre petistas e tucanos, esquentada com o artigo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, publicado no domingo no jornal O Estado de S.Paulo.

Figueiredo fez um levantamento sobre as curvas eleitorais de Serra e Dilma entre fevereiro de 2008 e janeiro de 2010. Especialista em pesquisas eleitorais, ele usou uma metodologia chamada Poll of Polls (Pesquisa das Pesquisas). Trata-se da união de dados das pesquisas de vários institutos.

O gráfico mostra crescimento exponencial de Dilma. A queda de Serra é lenta, porém contínua. Na média, Serra sai de um patamar de 38,2% em fevereiro de 2008, atinge a marca dos 43% no início de 2009 e começa a cair, com variações episódicas, até descer ao patamar de 33% no início deste ano. A ministra começou com 4,5% em fevereiro de 2008 e, na média, cresce sistematicamente até uma média de 27,8% em janeiro de 2010. A última pesquisa, do Instituto Sensus, mostra os dois candidatos tecnicamente empatados. Na média de dezembro, porém, a pré-candidata do PT aparecia em torno de 19%.
site do pc do b
Rizzolo: Bem ainda é cedo para previsãoes, agora Serra precisa sair da “encolha” o mais rápido possível sob pena de sofrer danos em sua candidatura, sua imagem e seu desempenho eleitoral. Vamos acompanhar.

Charge do Pelicano para o Bom Dia SP

Ata do Copom sinaliza nova escalada de juros

A ata do Copom divulgada na semana passada, dia 4, é uma cópia das atas de janeiro e março de 2008 quando o Banco Central (BC) sinalizou com aumento das taxas de juros para conter as “pressões inflacionárias”. Após quatro altas seguidas, em setembro daquele ano, véspera do estouro da crise nos EUA, a Selic chegou a 13,75% e só voltou a ter uma pequena queda 135 dias depois.

“O Copom entende que, a se confirmar a perspectiva de intensificação das pressões da demanda doméstica sobre o mercado de fatores, a probabilidade de que desenvolvimentos inflacionários inicialmente localizados venham a apresentar riscos para a trajetória da inflação poderia estar se elevando”, diz a nota.

Na última reunião do Copom, no mês passado, a taxa Selic foi mantida em 8,75% ao ano, o mesmo patamar desde julho do ano passado. Com a decisão, o Brasil voltou a ter a maior taxa real de juros do mundo, 4% ao ano (descontada a inflação).

As atas xerocadas do Copom são divulgadas de acordo com os interesses do BC, em manter os juros altos e sabotar o crescimento do país, independentes da situação real da inflação ou da atividade econômica.

Segundo o economista Guilherme Nóbrega, do Itaú, o trecho a seguir é “cópia exata” de trecho usado nas atas de janeiro e março que antecederam o aumento dos juros em abril (11,75%), após cinco meses em 11,25%. “Na eventualidade de se verificar deterioração do perfil de riscos que implique alteração do cenário prospectivo traçado para a inflação, neste momento, pelo Comitê, a estratégia de política monetária será prontamente adequada às circunstâncias”, diz o documento.

Como todo bom puxa-saco, Nóbrega está apostando na retomada de aumento dos juros este ano também para abril, “com uma alta de 50 pontos básicos na reunião de 17 de março”.
Jornal HP

Rizzolo: Uma das medidas macroeconômicas mais perversas é a manutenção da alta taxa de juro. Hoje o Brasil possui a maior taxa de juros do planeta, segurando nosso desenvolvimento do mercado interno, prejudicando as exportações, contribuindo para a entrada de dólares mantendo o valor do real sobre valorizado. É uma pena assistirmos essa sabotagem ao desenvolvimento do país.