Mas a festa continua – Coluna Carlos Brickmann

Todo mundo pensava que o Carnaval já tinha acabado. Mas:

1 – O governador paulista José Serra demorou meses para admitir sua candidatura à Presidência. Enfim, no dia de seu aniversário, anunciou apoteoticamente aquilo que todos já sabiam. E onde fez o anúncio: no Jornal Nacional, da Rede Globo? No Jornal da Bandeirantes Gente, da Rádio Bandeirantes? Na capa da Veja? Em rede nacional de TV, aproveitando algum horário de seu partido, o PSDB? Não, nada disso: fez o anúncio num programa de TV da hora do almoço, com audiência inferior a três pontos. E ainda disse que não fez o anúncio.

2 – Um grupo de prefeitos mineiros, que em 2006 apoiou a reeleição do tucano Aécio Neves para o Governo e de Lula para a Presidência (“Lulécio”), estuda apoiar o candidato de Aécio ao Governo, Antonio Anastasia, e a candidata de Lula à Presidência, Dilma Rousseff. Título divulgado por eles para a combinação de candidatos: Dilmasia. Só falta ser com “z”. Eta nome mais apropriado!

3 – O candidato tucano ao Governo de Goiás, Marconi Perillo, comemorou seu aniversário, no dia 5, com uma festa no Atlanta Hall, em Goiânia. O momento culminante ocorreu com a exibição de um vídeo de sua filha que estuda na Tasis em Lugano, na Suíça. É uma escola americana de excelente qualidade que opera em quatro países. Só a matrícula sai por 1.500 francos suíços, ou pouco menos de R$ 3 mil reais. Imagine-se a emoção do pai, que ganha R$ 16 mil como senador e faz tanto sacrifício para garantir à filha uma educação de nível!

DEM no fim

Esta informação vai cansar de ser desmentida, mas é verdadeira: o DEM, herdeiro do PFL, deve acabar no início do ano que vem. Sem seus líderes históricos, que morreram (como Antônio Carlos Magalhães) ou se aposentaram (como Jorge Bornhausen), ou estão sitiados pelos adversários (como César Maia), enfrentando problemas como o de seu único governador, o de Brasília, o DEM está nas cordas. Imagine a situação do prefeito paulistano Gilberto Kassab: se fica no enfraquecido DEM, sua carreira sofre; se sai, pode perder o mandato por mudar de partido. Se Serra for eleito, o PSDB pode ser o destino de boa parte do DEM.

Desmentido nº 1

César Maia, chefe supremo do DEM no Rio e respeitado analista político, confirmou e desmentiu a notícia. Disse que, se antes nem se falava no DEM sobre isso, hoje há setores que gostariam de uni-lo ao PSDB. Mas acrescentou: “É um equívoco e uma vontade ao mesmo tempo. A mídia e a elite querem impor um sistema binário no Brasil com PT e PSDB”.

Marinho aéreo

Demorou, mas aconteceu: o prefeito de São Bernardo, Luiz Marinho, do PT, que viajou à Suécia a convite da Saab, fabricante dos supersônicos Gripen, já escolheu seu favorito na concorrência internacional para reequipamento da FAB: por pura coincidência, é o Gripen. O Rafale, francês, é o favorito de seu líder político, o presidente Lula, mas Marinho não resistiu à emoção de voar num Gripen e conhecer sua fábrica: “Acredito tratar-se de uma oportunidade única para uma real transferência de tecnologia para o Brasil e de ampla geração de empregos voltados à alta tecnologia”. Marinho sabe que, se houver transferência de tecnologia, a cidade beneficiada será São José dos Campos ou Gavião Peixoto, onde há fábricas da Embraer, e não São Bernardo. Mas não se importa. É um patriota!

Escorregando no óleo

O deputado Ibsen Pinheiro, do PMDB gaúcho, é um homem correto, bem preparado, mas nem sempre está certo. Neste caso da redivisão dos royalties do petróleo, está errado: primeiro, porque os Estados produtores têm custos (de infraestrutura, de recomposição do meio-ambiente, de rápido crescimento populacional) e merecem uma indenização por eles; segundo, porque não se arranca de um Estado uma quantia tão volumosa sem criar problemas – no caso do Rio, são R$ 5 bilhões por ano. Mas o fato é que o projeto de Ibsen não teria passado se o Governo, amplamente majoritário na Câmara, não quisesse aprová-lo. E é sempre bom lembrar que Ibsen é do PMDB, sócio do PT na base do Governo Lula, mesmo partido do governador Sérgio Cabral, que chora mas afaga o presidente.

Ponto futuro

Outro tema interessante que mobiliza os políticos é o destino dos lucros do pré-sal. Tudo bem – tirando alguns probleminhas, claro, como o fato de que o petróleo situado na região do pré-sal ainda demora para ser extraído, exige montanhas de investimentos, apresenta dificuldades técnicas que é preciso resolver e só se viabiliza com o barril custando caro, pelo menos tão caro quanto hoje, para que extraí-lo não dê prejuízo, em vez de lucro. Como não se diz no Interior (já que a frase lá é bem mais direta) estão contando com o ovo dentro da galinha.

De graça, mas pagando

A Anatel acaba de resolver definitivamente a questão da cobrança dos pontos adicionais de TV a cabo: as operadoras não podem cobrar por eles. Mas podem cobrar aluguel pelo decodificador, que hoje é cedido sem pagamento. O caro leitor vai continuar pagando (talvez até mais), mas com outro nome.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: