Oposição enxerga o Brasil como um país pequeno, diz Dilma

A candidata do PT à Presidência da República, Dilma Rousseff, afirmou nesta sexta-feira (9), em entrevista à Rádio Tupy, que as críticas da oposição sobre a liberação de crédito do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para fusões de empresas demonstram que eles enxergam o Brasil como um país pequeno e que os adversários desconhecem como se dá a competição entre as empresas no mercado internacional.

“Quem fala isso também não entende de uma questão fundamental. Tem empresas que se querem concorrer no mercado internacional tem que ter porte. Não adianta você pegar, por exemplo, uma petroquímica e ir para o mercado internacional com uma petroquímica pequena, porque é como se diz briga de cachorro grande. Nós fizemos fusões e acho que foi correto porque era para garantir que o Brasil – nesse período que estamos – tivesse empresas de porte internacional e padrão global. Tem gente que olha o Brasil e pensa o Brasil pequeno. Pensa o Brasil muito menor do que o Brasil é”, disse.

Dilma também criticou a proposta da oposição para a educação. Segundo ela, não adianta colocar um auxiliar para os professores na sala de aula. Isso não vai qualificar o ensino e nem valorizar o profissional.

“Não concordo com o projeto do meu adversário, que diz que ao invés de melhorar a educação quer colocar um professor e um estagiário na sala de aula. Querem colocar um professor ganhando R$ 1,8 mil e R$ 500 para o estagiário. Não é aumentando a baixa qualidade que você muda a educação. Não é através do estagiário que melhora a educação. É por meio da formação continuada do professor. É melhor pagar os R$ 500 para o professor e valorizar a carreira”, argumentou a petista.

Ela disse que pretende criar pelo menos uma escola técnica em cada município com mais de 50 mil habitantes.

dilmanaweb
Rizzolo: Realmente a visão da oposição em relação às duas questões é lamentável, mais lamentável ainda é a proposta em colocar um auxiliar ao professor. Ora, eu como professor conheço a questão e sei que o maior problema é a formação continuada, os salários baixos, a desmotivação, e acima de tudo em São Paulo a indiferença do governo do Estado com os professores, assim como com a educação de uma forma geral.

“Chega de corrupção e rolo, para deputado federal Fernando Rizzolo PMN 3318”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: