Quando os animais nos ensinam


Regressar é reviver, e naquela manhã acordei exultante. Após muito tempo, voltaria à nossa antiga fazendinha, onde praticamente todos os finais de semana da minha infância eu, meu irmão e meus pais passávamos momentos felizes. Por lá passaram inúmeros caseiros, ou “tomadores de conta”, como se autodenominavam aqueles que vinham do Nordeste, de Minas Gerais, do interior do Estado de São Paulo e de outros lugares, para trabalhar numa pequena criação de gado holandês que tínhamos. Perto da capital, em São Paulo, Itapecerica tem um ar especial, típico da serra, cheiro de mato, vento gelado e gente de olhos azuis, de origem alemã, toda vinda para a cidade no século 19.

Dentre as novidades de que me havia dado conta que ainda existia na antiga fazendinha estava uma linhagem de cão de fila brasileiro que, de tempos em tempos, gerava uma nova ninhada, portanto sempre havia um cão de fila de uma nova geração, guardião daquele espaço verde, de ar frio, montanhoso, rodeado de eucaliptos e pínus. Logo que cheguei, a saudade invadiu meu peito. Ao observar o lugar, vieram-me à memória, como num filme, os antigos “tomadores de conta”; o gado; um touro puro-sangue bravo chamado “Guarapiranga”; o curral; o “seu Zé Barnabé”, um velho negro de barba grisalha, com olhar meigo, que contava histórias do interior de Minas; e aquelas ninhadas de fila que brotavam naturalmente como pés de milho na subida da cruz, um marco do tempo dos escravos no topo da montanha.

Ao ouvir um latido forte, descobri num cercado, ao lado da ladeira de eucaliptos, um cão chamado Brutus, um verdadeiro cão de fila de porte avantajado, selvagem como o mato que se estendia ao redor de seu picadeiro. Tentei me aproximar, mas o olhar irado do animal denunciava que a qualquer momento ele poderia atacar. Com o tempo, após várias idas ao local e muitos “bifinhos”, desses que se compram em pet shops, Brutus ficou meu amigo. Num gesto meio tímido e receoso, abri a portinha de madeira e adentrei seu espaço, fazendo-lhe um carinho nas orelhas. Como querendo me mostrar algo, ele foi me levando em direção a um lugar de terra, num antigo galpão abandonado, onde havia a marca de seu corpo no chão empoeirado, lugar onde dormia num canto, ao lado de um trator.

Para um animal tão bravo, o olhar de Brutus era doce – parecia que queria me dizer algo, que ali havia frio, sofrimento, abandono. Por mais de uma vez ele se deitou sobre o chão de terra, mostrando-me de forma clara a solidão de seus dias e noites. E foi naquele instante que resolvi reconstruir na fazendinha um local para os animais, reflorestar os antigos pastos, transformar o lugar de abandono e tristeza num espaço ecológico, reavivar o verde.

Hoje Brutus já está muito velho, mas ele e mais dez cachorros dispõem de um canil aquecido, os pastos viraram florestas de pínus, a mata foi totalmente recuperada e os pássaros voltaram a cantar. Quando caminho pela mata com Brutus ao meu lado, lembro-me da minha infância e de todas as pessoas que fizeram parte dela. Também sinto que os animais “falam” e que por intermédio deles podemos modificar uma visão de mundo, de olhar ao próximo, de respeito à natureza e ao homem. Foi por meio do latido de um cão chamado Brutus que me aproximei da natureza, uma obra de Deus que impõe o respeito ao próximo, que cuida do perdido e do injustiçado. Foi o simples olhar do cão de fila chamado Brutus, que hoje se deita ao meu lado quando escrevo minhas reflexões, que me fez encontrar o elo perdido entre o sofrimento dos animais e os imensos desafios do ser humano na luta contra a miséria e o abandono dos homens.

Fernando Rizzolo

“Chega de corrupção e rolo, para Deputado Federal Fernando Rizzolo, PMN 3318”

Uma resposta to “Quando os animais nos ensinam”

  1. ciro matuck Says:

    QUeria pedir encarecidamente qie algum dos senhores redigisse uma carta a Dora Kramer, carta aberta, para que nós pudéssemos colocar no nosso grupo na Internet, em resposta ao artigo que ela assina hoje no Estadao, quando acusa nosso presidente de mentiroso e outros qualificativos que tentei me esquecer. Um absurdpo desse tipo nao pode ficar sem uma resposta a altura. Ela deveria ser processada. Um horror, cheguei a me emocionar.

    Ciro Matuck


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: