Os Caminhos na Vida

*por Rav Efraim Birbojm

“André e Rodrigo, cansados de morar na cidade grande, decidiram viajar para procurar um lugar melhor. Cada um comprou um cavalo e partiram juntos para procurar o lugar ideal para viver. Após viajarem muitas horas, depararam-se com uma bifurcação. Os dois ficaram confusos, não sabiam que caminho escolher. Um dos caminhos parecia agradável, tranquilo, sem muitas curvas nem dificuldades. O outro caminho já parecia um pouco mais tortuoso, com muitas curvas e trechos difíceis.

Os dois já tinham escolhido o caminho mais simples e iam recomeçar a viagem quando André viu uma pequena tabuleta no chão. Ao começar a ler, percebeu que tinha sido escrita pelo engenheiro que havia projetado as duas estradas. Na tabuleta estava escrito uma espécie de conselho: “Cuidado com as aparências. Nem sempre a estrada mais fácil é aquela que leva aos melhores destinos”.

Rodrigo deu risada. Se achava inteligente demais para acreditar naquela placa tola. Ele achou, com arrogância, que o engenheiro não tinha nada para acrescentar na sua decisão. Imediatamente seguiu pela estrada fácil e direta.

Já André ficou em dúvida. Se o próprio engenheiro havia deixado aquela mensagem, o melhor seria seguir pela estrada mais difícil e longa, pois certamente chegaria a um lugar melhor. Mas por outro lado, a outra estrada parecia muito atrativa. A escolha era realmente difícil e ele sabia que a decisão influenciaria toda sua vida. Depois de muito tempo de reflexão, ele decidiu escutar o conselho do engenheiro que havia projetado a estrada. Afinal, quem poderia saber mais do que o próprio projetista daquelas duas estradas? Viajou segurando firme seu cavalo, contornando as difíceis curvas e vencendo os obstáculos no caminho. Cada vez mais o caminho ia ficando agradável e fácil. Após algumas horas de viagem ele chegou a um belíssimo jardim de rosas e foi saudado por pessoas muito amáveis e hospitaleiras.

Enquanto isso, Rodrigo seguia feliz pelo outro caminho. Mas aos poucos a estrada, que era agradável, começou a se tornar esburacada e perigosa. Após algumas horas de viagem, cada vez mais difícil e desagradável, ele chegou ao destino final: um espinheiro, por onde somente conseguiu passar machucando todo o seu corpo. E finalmente foi recebido por pessoas que o enganaram e roubaram todos os seus pertences”

Isto é o que o judaísmo nos ensina: nem sempre os caminhos mais curtos são os que nos levam aos melhores lugares. Ao contrário, sem esforço e sem vencer os desafios não crescemos e não chegamos a lugar nenhum na vida.
fonte: Blog http://www.ravefraim.blogspot.com.

Tenham um sábado de paz !

Fernando Rizzolo

Charge do Regi para o Correio Amazonense

Em debate morno, Dilma e Serra apelam a FHC e Lula; Plínio é destaque

Em um debate morno realizado nesta quinta-feira (5) na TV Bandeirantes, Dilma Rousseff (PT) e José Serra (PSDB) se esforçaram para polarizar as eleições presidenciais, mas acabaram dividindo espaço com as frases de efeito do candidato Plínio de Arruda Sampaio (PSOL). Marina Silva (PV) tentou se apresentar como alternativa aos líderes das pesquisas.

O tucano partiu para o ataque primeiro, mas evitou desqualificar o governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e até fez elogios à gestão, como tem sido em sua campanha até agora. Em sua estreia em debates, a petista aparentou nervosismo nos dois primeiros blocos, deixando frases incompletas e estourando o tempo para respostas. Depois, a candidata encontrou seu tom.

Dilma e Serra evitaram os temas espinhosos das últimas semanas de campanha, como o vínculo do PT com as Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia), as relações diplomáticas entre Brasil e Irã, a acusação tucana de que o governo boliviano não combate traficantes que operam no país, o suposto dossiê anti-tucano e o vazamento de dados sigilosos do vice-presidente do PSDB, Eduardo Jorge.

Também estreante, Marina direcionou sua primeira pergunta a Serra já se apresentando como alternativa. “Tivemos dois grandes partidos que não foram capazes de esquecer as divergências que muitas vezes são da oposição pela oposição”, disse.

Socialista

O octogenário Plínio atraiu atenção com críticas a todos os candidatos, permeadas de ironias e adjetivos que arrancaram sorrisos até dos adversários. Chamou Serra de hipocondríaco e Marina de conciliadora. Ainda classificou políticas de Dilma e Serra de “quinquilharia”. O candidato do PSOL fez uma de suas críticas mais diretas à presidenciável do PV.

“Você não sabe pedir demissão. Você devia ter pedido demissão”, afirmou Plínio, em relação às tensões entre o Ministério do Meio Ambiente comandado por Marina com outros setores do governo. A senadora deixou a legenda onde começou sua militância para ser candidata à Presidência pelo PV. “Estou ouvindo você aqui e nem parece que você saiu do PT.” Dilma era a principal rival de Marina em Brasília.

A atuação levou o nome do socialista, durante o debate, à posição número um dos trending topics do microblog Twitter. O desempenho do ex-promotor público surpreendeu, levando-se em conta que seu partido passou meses dividido entre o grupo dele e o da ex-presidenciável Heloísa Helena.

Primeiro bloco

Após um começo morno, em que cada candidato falou sobre saúde, educação e segurança pública, Dilma Rousseff e José Serra elevaram o tom a partir de uma pergunta da petista ao tucano sobre o pouco crescimento do Brasil durante o governo de Fernando Henrique Cardoso. Serra disse que não se pode discutir o Brasil “olhando para o retrovisor”.

Por sua vez, Dilma disse que é muito confortável que se esqueça o passado. No final do primeiro bloco, Serra criticou os investimentos em infraestrutura no Brasil, afirmando que os portos e aeroportos do Brasil estão saturados. Já Dilma – que, em alguns momentos, se mostrou nervosa, se posicionando de lado para a câmera e gaguejando – afirmou que os dados apresentados por seu adversário sobre portos são de 2006.

Segundo bloco

O segundo bloco começou com Serra no ataque, perguntando a Dilma “por que o governo federal está discriminando as Apaes (Associação dos Pais e Amigos dos Excepcionais)”. Dilma disse que “não é muito correto” afirmar que o governo não olha pra essa questão.

Em sua réplica, o tucano disse que o Ministério da Educação “quis proibir as Apaes de ensinar, […] cortou o transporte dessas crianças. As Apaes vem sendo perseguidas”. A petista mais uma vez disse que não podia concordar e que seu eventual governo dará atenção aos excepcionais.

No terceiro bloco, Dilma perguntou a Serra sobre o programa Luz para Todos e sobre a política federal para a indústria naval. Em relação a esta, Serra disse não ter objeções, mas disse que o Luz para Todos era um “prolongamento” do programa Luz no Campo, do governo FHC.

Serra voltou ao ataque, ao cobrar o governo Lula por ter acabado com os mutirões da saúde, realizados pelo tucano quando foi ministro de Fernando Henrique. “Eu não sou contra mutirões. Acho que é só uma medida de urgência. Não pode ser a nossa característica na política de saúde”, respondeu Dilma.

Após ouvir Dilma e Serra falarem sobre saúde, Plínio de Arruda Sampaio, foi irônico. “Isso tudo que tem aí é quinquilharia. é solução pela metade”, afirmou.

Quarto bloco

Durante o quarto bloco, no qual houve perguntas feitas por jornalistas da Bandeirantes, Dilma e Serra falaram sobre privatizações. O tucano disse que o governo Lula desvalorizou o patrimônio público, enquanto a petista criticou a gestão de FHC por não ter reduzido a dívida pública.

“Com relação ao governo Lula e ao governo FHC, se eles eram tão contra, é um mistério. Porque nada foi reestatizado.”, disse Serra. Por sua vez, Dilma disse que o governo Lula não reestatizou empresas porque não revê contratos. “A gente respeita contrato”, disse ela, que mais tarde chamou de “magia financeira” a “venda do patrimônio público”.

A petista também prometeu redução de juros, enquanto o tucano disse que criará, a exemplo de São Paulo, a “nota fiscal brasileira”.

Quinto bloco

Em suas considerações finais, José Serra disse que “concorrer à Presidência é algo que me emociona” e relembrou seu passado no exílio. “A defesa da Petrobrás e da reforma agrária me custou 14 anos no exílio. Voltei com um compromisso com o povo brasileiro”, encerrou.

No início de sua fala, o candidato tucano contou que sua filha cobrou um pai mais sorridente durante o debate. No entanto, Serra explicou: “Eu estou muito feliz. Posso nao ter sorrido, mas fiquei bem feliz [com o evento]”.

Já Dilma Rousseff aproveitou seus dois minutos finais para elogiar a “generosidade e a experiência política” do presidente Lula e ressaltar seu trabalho como chefe dos ministros do governo petista.

A candidata se comprometeu com a erradicação da miséria e da pobreza e reforçou a ideia de que o governo atual “devolveu a auto estima de que podemos ser um país desenvolvido”.

Marina Silva encerrou sua participação reforçando um compromisso com “educação de qualidade” e elogiou os governos anteriores. “O Brasil acabou com o preconceito de classe e foi capaz de colocar um sociólogo no poder. Depois um operário. Agora, a primeira mulher de raiz humilde de origem amazônica”.

Plínio concluiu sua participação ironizando, mais uma vez, a participação dos candidatos. “Ficou claro que todos são Poliana. O bem tem que ser feito e o mal tem que ser evitado”, disse. O candidato aproveitou para dizer que acredita que “foi discriminado no debate, assim como foi discriminado em outras ocasiões”.

O debate incluiu os quatro candidatos cujos partidos têm representação no Congresso. Um dos candidatos excluídos por esse critério, Levy Fidelix (PRTB), escreveu em seu perfil no microblog Twitter que apelaria à ONU para participar das próximas discussões na TV.

Próximo debate

A Folha e o UOL promoverão com os três principais candidatos a presidente, Dilma Rousseff (PT), José Serra (PSDB) e Marina Silva (PV) um debate eleitoral inédito a ser transmitido em vídeo, ao vivo, pela internet, no dia 18 de agosto. Se houver segundo turno, haverá novo encontro em 21 de outubro.
uol

Rizzolo: O debate realmente foi morno. A figura de Plínio, seu extremismo de conteúdo romântico, atraiu os olhares e nos pôs a uma reflexão sobre sua mensagem. Plínio, até pela sua idade, está no rol daquelas pessoas que não tem mais medo de falar o que pensa portanto sua fala foi interessante. Já os demais candidatos fizeram um papel de pouco ataque mútuo, o que deixou o debate morno, e tranquilo. Dilma ganhou desenvoltura após determinado tempo de debate, e Serra se conteve em não atacar o governo Lula, pessoalmente esperava mais de todos. Mas foi bom, elucidativo, educado, tranquilo.