Néstor Kirchner: o homem que peitou o FMI e a banca internacional

A morte, súbita e inesperada, do ex-presidente da Argentina e secretário-geral da Unasul, Néstor Kirchner, causou forte comoção não só por lá como em toda a América Latina. E não é para menos. Kirchner foi firme na defesa dos direitos humanos e punição dos militares golpistas cujo regime deixou um saldo de 35 mil mortos e desaparecidos e, com a moratória da dívida externa, resgatou a Argentina da depressão econômica e abriu caminho a uma extraordinária recuperação.

Por Umberto Martins

A Argentina é dona de um passado exuberante, mas ingressou num longo período de decadência após o primeiro governo Perón (1946-1955) e ao longo dos anos 1980 e 1990 viveu anos trágicos, marcados pela ditadura militar (1976-1986) e o neoliberalismo liderado por Carlos Saul Menem, que presidiu o país entre 1989 e 1999 e ficou famoso ao proclamar que sua administração mantinha “relações carnais” com os EUA.

Herança maldita

Lá, ainda mais que aqui no Brasil, o neoliberalismo deixou uma herança que, sem qualquer exagero, merece ser classificada de maldita. O país quebrou em 2001 e foi sacudido por rebeliões populares que acabaram abrindo caminho para a eleição de Néstor Kirchner em 2003. Ele derrotou Carlos Menem, um político entreguista, corrupto e desmoralizado perante a opinião pública.

As políticas neoliberais resultaram na desnacionalização e desindustrialização da Argentina que, atolada em dívidas, foi cair nas mãos ingratas do Fundo Monetário Internacional (FMI), esta mesma instituição que hoje se apresenta como reformada e continua distribuindo palpites infelizes e impondo, onde pode, pacotes recessivos, privatizantes e antinacionais.

Moratória

Ao assumir, Néstor Kirchner encontrou uma economia destroçada e enfrentou sérios desafios para colocar a casa em ordem. O ex-presidente foi obrigado a enfrentar poderosos interesses e não vacilou. Teve a coragem de peitar o FMI, a banca internacional e a relação de subserviência diante dos Estados Unidos, cultivada pela direita pelo menos desde a ditadura e exacerbada por Menem, além, é claro, da oligarquia local.

Uma de suas primeiras providências na área econômica foi consolidar a moratória da dívida externa, que tinha sido decretada em 2001 por absoluta falta de dinheiro para pagar os credores, e propor um ousado plano de reestruturação dos débitos, que reduzia em 75% o valor da dívida.

O FMI deixou de dar as cartas, os banqueiros estrangeiros chiaram, respaldados, em maior ou menor medida, por seus governos. No final das contas, foram constrangidos a aceitar os termos da renegociação definido pelo ex-presidente. A mídia de referência, também conhecida como mídia golpista, alardeou o fim do mundo. Ainda hoje dizem que o capital estrangeiro, especialmente do ramo financeiro, foge da Argentina como o diabo da cruz. Seja lá como for, isto não causou maiores prejuízos à economia.

Rebeldia premiada

A moratória, previam ideólogos neoliberais, iria condenar o país a uma recessão infindável. Mas não foi o que sucedeu. A verdade é que, sufocada pelo endividamento externo e o neoliberalismo, a Argentina chegou ao fundo do poço e foi de lá resgatada pelo governo Kirchner. A moratória foi um passo fundamental nesta direção. Se continuasse pagando juros, em detrimento da poupança e dos investimentos internos, o país não teria saído do buraco.

Os indicadores econômicos mostram que a estratégia de Néstor Kirchner foi um inquestionável sucesso. Durante os quatro anos do seu mandato (2003 a 2007), a economia argentina cresceu 44%, seminterrupção e com uma expansão média anual de 9%, performance inédita até então. O desemprego cedeu e as condições de vida do povo melhoraram visivelmente.

No plano externo, a Argentina recuperou a dignidade e a soberania nacional, distanciando-se dos EUA e priorizando o fortalecimento do Mercosul e a integração latino-americana. A defesa dos direitos humanos e a punição de torturadores e assassinos alimentados pelo regime militar foram outros grandes feitos de Néstor Kirchner, cuja rebeldia diante dos EUA, o FMI, a banca internacional e a oligaraquia local, acabou sendo premiada pela história. É por estes e outros motivos do gênero que a morte do ex-presidente causou tamanha comoção e, por enquanto, calou a boca até da direita argentina.
vermelho
Rizzolo: Investidores e economistas estão ansiosos por verem se Cristina irá abandonar a estreita relação política que mantêm com o dirigente sindical Hugo Moyano, e se desistirá das acirradas disputas que têm mantido com o setor agrícola e com as empresas de comunicações. A facção peronista comandada por Kirchner provavelmente apresentará Cristina como candidata a presidente em 2011, mas ela deve buscar um vice com maior capacidade de construir consensos, e em curto prazo provavelmente irá fazer uma reforma ministerial. Tanto Kirchner quanto Cristina levaram para a Casa Rosada um estilo combativo, que incluía frequentes conflitos com ruralistas, Forças Armadas, veículos de comunicação e a Igreja Católica.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: