“Politização”: um termo pronto para ser usado

*por Fernando Rizzolo

No esteio do universo dos instrumentos de argumentação, um dos mais utilizados, inclusive por nós advogados, é o de descaracterização dos fatos, de preferência no uso de termos de impacto, como aqueles que visualmente nos remetem a uma forma, impulsionando-nos a uma revisão do fato ocorrido em favor do réu.

É fato notório que a presidente Dilma, quer por motivos de saúde, quer por conveniência política, demorou a se manifestar no caso Palocci; “modus operandi” diverso do usado pelo presidente Lula, que disparava de pronto contra qualquer acusação que atingisse os membros de seu governo. Essa postura defensiva, de cunho pouco crítico e embasada no viés da utilização da terminologia política que visa a descaracterizar um fato concreto, denota ao novo governo e ao ex, o velho uso de uma estratégia que fere a ética na democracia.

O que observamos de algum tempo para cá é que tudo o que os atinge, segundo o governo, se trata de “politização”, portanto sob a ótica da democracia saudável, opinativa, com as vertentes de apuração dos fatos delituosos ou éticos, é assim desqualificado, como sendo então parte de um mero jogo político, apequenando o embate das ideias, e o pior, chancelando tudo o que fere a esfera da boa conduta, ou atos que violam o espírito da Constituição, como o fato de o ex-ministro da Fazenda do governo Lula, Palocci, ter multiplicado por 20 seu patrimônio e ter adquirido um apartamento de R$ 6,6 milhões, em São Paulo, quando, como parlamentar, deveria sim viver de forma exclusiva dos seus subsídios.

Por bem agora o Ministério Público do DF decidiu investigar os ganhos de Palocci apurando se a evolução patrimonial do ministro de 2006 a 2010 é compatível com os ganhos de sua empresa, a Projeto. Contudo, o que temos que nos ater na observação da conduta política do atual governo e na do ex, é a insistente forma de passar por cima de fatos relevantes do ponto de vista republicano, jogando tudo sob o estilo da desqualificação dos fatos, e como disse, denominando de “politização” a quase tudo o que os atinge, desconstruindo talvez um grande projeto de esperança do povo brasileiro no governo Dilma, na defesa de outro projeto menor, uma empresa chamada “Projeto”.