Viajar, deslocar-se, para viver

viajante-750x422

*por Fernando Rizzolo

Existem vários tipos de viagens, para todos os gostos. Viagens a trabalho, viagens a passeio, viagens com um objetivo específico espiritual, enfim, ficaria aqui a noite toda exemplificando os tipos de viagens e os inúmeros porquês de as pessoas viajarem. Já viajei muito pelo mundo, mas sempre daquela forma tradicional, de avião. Já tive o sonho de viajar o mundo num veleiro, mas, à medida que fui ficando mais velho, esse sonho se mesclava com um medo, medo de surgirem problemas no meio do caminho, como um naufrágio, por exemplo. Bem que deveria ser ao contrário, ou seja, à medida que envelhecemos deveríamos ser mais ousados, mas, no meu caso, como no de tantos outros, isso não ocorre.

É bem verdade que em toda viagem existe um desafio, como em tudo na vida, mas no deslocamento acentuamos esse desafio e nos saltamos ao que vier. Quando me refiro a viagens, falo das longas, aquelas em que permanecemos num avião por mais de 10 horas. Não que outras viagens não sejam também desafiadoras, mas gosto de me ater às longas. Além do desafio, existe um componente espiritual, pois sabemos que aquele momento não mais voltará, e no meu caso costumo conhecer as Sinagogas de cada país, coisa de judeu, eu sei. Também, é claro, tenho minhas manias, minhas rotinas, ou seja, quem não está acostumado comigo sofre. No bom sentido, é claro.

Contudo, para quem vive num país como o nosso, qualquer viagem, por mais curta que seja, vale a pena. Temos lugares maravilhosos no Brasil para compensar os piores políticos do planeta. É claro que existem exceções, mas são pouquíssimas.

A grande verdade é que tudo é válido para fugirmos dos noticiários de corrupção, da falta de perspectiva do nosso país. Qualquer viagem, por mais pobre que o viajante seja, é saudável. Existem até aqueles andarilhos, os chamados “trecheiros”. Certa vez, conversei com um para saber por que caminham solitários pelas estradas e encontrei histórias de desilusão, de desalento, e ele dizia o que aqui afirmo: que o deslocamento alivia… A viagem é no fundo uma fuga e uma procura de si mesmo. Agora, já pensaram se os 12 milhões de desempregados do Brasil resolvessem se tornar andarilhos, ou trecheiros, para poupar suas angústias? Encontramos no Antigo Testamento relatos espirituais sempre em deslocamentos em viagens, portanto, desde aquela época, viajar é também uma experiência da alma.

Para terminar minha humilde reflexão sobre as viagens, até porque preciso arrumar minha mala, existe também uma modalidade de viagem chamada de fuga, ou, como se fala em Direito, “empreender fuga”. Esta não tem nada de espiritual e pode ser convertida através de “Carta Rogatória”, ou seja, o Judiciário daqui pede ao Judiciário do país onde o condenado se escondeu para trazê-lo de volta, mas isso é outra história, que pode acontecer com alguns políticos do Brasil, que, em vez de apreciarem viagens, apreciam propinas… Mas é bem provável, viu… Vou acompanhar o noticiário lá de longe…

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: